LIÇÕES BÍBLICAS CPAD

JOVENS E ADULTOS

 

 

2º Trimestre de 2001

 

Título: Sermão do Monte — A transparência da vida cristã

Comentarista: Geremias do Couto

 

 

Lição 2: Cristãos relevantes no mundo

Data: 8 de Abril de 2001

 

TEXTO ÁUREO

 

Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus(Mt 5.16).

 

VERDADE PRÁTICA

 

A relevância cristã é um imperativo para todos os chamados a exercer influência neste mundo corrompido.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda — Gl 1.1-12

A relevância da pregação

 

 

Terça — Hb 11.1-3,6

A relevância da fé

 

 

Quarta — Ef 2.1-10

A relevância da graça

 

 

Quinta — 1Jo 1.5-7

A relevância da comunhão

 

 

Sexta — Rm 12.9-15

A relevância da solidariedade

 

 

Sábado — Rm 12.17-21

A relevância da fraternidade

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Mateus 5.13-16.

 

13 — Vós sois o sal da terra; e, se o sal for insípido, com que se há de salgar? Para nada mais presta, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens.

14 — Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;

15 — nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa.

16 — Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus.

 

PONTO DE CONTATO

 

O testemunho cristão é tão importante que, para ilustrá-lo, Jesus utilizou-se de elementos comuns aos seus ouvintes: o sal e a luz.

Como todos sabem, o sal é utilizado para dar sabor e conservar os alimentos. Naquele tempo quando ele perdia essas funções, era jogado, em épocas de chuva, no chão para que as pessoas não escorregassem ao caminhar. Dessa forma era “pisado pelos homens”.

Do mesmo modo, a luz não teria qualquer efeito se fosse posta em local inadequado (no alqueire por exemplo, uma vasilha para cereais). A luz deveria ficar no lugar apropriado, ou seja, no velador, (um suporte vertical para lâmpadas). Mostre aos seus alunos que o testemunho do cristão só será autêntico se, diante do mundo, cumprir cabalmente sua missão: conservar sua vida íntegra, pura e transparente.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever as peculiaridades que tornam o sal e a luz símbolos da relevância cristã;
  • Identificar onde e como exercer essa relevância à luz dos princípios bíblicos;
  • Reconhecer que a martiria, koinonia e diaconia são expressões que denotam a relevância cristã.

 

SÍNTESE TEXTUAL

 

O Sermão do Monte evidencia a importância que os discípulos de Cristo tinham em relação ao mundo. Eles estavam incumbidos de influenciar o mundo da época com suas ações e ensino. Por isso, o Mestre usou os exemplos do sal e da luz, que têm as funções de conservar, dar sabor e iluminar.

Dentre outras coisas, a vida cristã objetiva o testemunho diante da sociedade, demonstrando o nível de compromisso que o crente possui em relação a Deus e, sobretudo, a promoção de sua glória através das nossas boas atitudes. Ter vida cristã relevante não é uma simples opção para os crentes; é um imperativo: “Assim, resplandeça a vossa luz”. Através do Sermão do Monte compreendemos que a genuína fé só pode ser demonstrada na prática dos ensinamentos e no amor de Cristo.

 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA

 

Para ilustrar a lição, leve para a sala de aula uma pequena quantidade de sal. Pergunte aos seus alunos se alguém dentre eles, por motivo de saúde, algum dia foi forçado a fazer uma dieta em que a comida não poderia ter qualquer quantidade de sal. Certamente algum aluno comentará o gosto insosso da comida. Aproveite a ocasião para mostrar a importância do sal que, mesmo sendo um produto comum, faz enorme diferença. Depois pergunte a seus alunos como se sentiriam se faltasse energia elétrica e tivessem que caminhar no escuro.

A escuridão normalmente traz insegurança, mesmo aos que já se acostumaram com ela. Use esses dois exemplos para ilustrar o valor do sal e da luz — no sentido espiritual — para a promoção do Reino de Deus.

 

COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

 

Viver as bem-aventuranças resulta, necessariamente, em que os cristãos tenham relevância em sua vida pessoal. É tão forte esta verdade que o Senhor a exemplifica com duas altamente expressivas ilustrações: sal e luz. Nenhuma sociedade prescinde do uso de um ou de outro desses elementos sob pena de empobrecer drasticamente a sua qualidade de vida. Daí a importância de reconhecermos os valores espirituais implícitos nesses símbolos para que possamos ser relevantes no ambiente em que vivemos.

 

I. OS EFEITOS RELEVANTES DO SAL

 

1. O sal nos tempos antigos. Jesus tornava compreensível o seu ensino mediante o uso de recursos simbólicos comuns ao contexto de seus ouvintes (cf. Mt 18.11-13). Assim, Ele trata da relevância cristã, no Sermão do Monte, aludindo inicialmente ao sal, largamente utilizado em todos os estratos sociais nos tempos antigos (cf. Ed 7.21,22; Mc 9.50; Cl 4.6).

Entre outras formas de uso, destacava-se a sua função monetária nas transações comerciais. É tanto que o termo salário deriva do latim salarium, que significa “dinheiro de sal”, como parte do pagamento aos soldados romanos. Jesus, portanto, contextualiza a sua mensagem, utilizando um símbolo comum aos discípulos para que eles compreendessem a importância de sua vida de retidão em meio à sociedade corrupta.

2. O valor médico do sal. Para além do valor nutritivo do sal, principalmente quanto ao sabor dos alimentos (cf. Jó 6.6), há que se considerar, também, o seu elevado valor medicinal. Enquanto o consumo excessivo traz prejuízos ao organismo, a abstenção absoluta e continuada provoca danos à saúde, daí porque o crente não só tem que tornar suas ações espiritualmente palatáveis, no ambiente em que está, como também precisa exercer papel restaurador entre os doentes (cf. Is 61.1; Lm 1.16).

3. O poder de preservação do sal. Todavia, o que mais se destaca, no sal, quanto à relevância do crente no mundo, é o seu poder de preservação. Nos tempos antigos, e até mais recentes, este era o recurso para evitar a deterioração dos alimentos perecíveis, de modo que podiam ser ingeridos a qualquer tempo, sem a perda de seus valores nutricionais. Ora, o mundo não está pior porque as ações do crente submisso ao Espírito Santo contribuem para evitar a sua deterioração (cf. 2Ts 2.1-8).

 

II. OS EFEITOS RELEVANTES DA LUZ

 

1. A luminosidade da luz. Outro símbolo de forte impacto empregado por Jesus foi a luz. Eis algumas lições que podem ser extraídas: a) a escuridão não consegue jamais prevalecer ante a luz. Quando esta chega, as trevas desaparecem; b) por outro lado, a ausência absoluta de luz permite que a escuridão prevaleça em termos absolutos de modo que nada fica visível aos olhos humanos. Por isso, a afirmação peremptória do Mestre: “Vós sois a luz do mundo” (v.14). Ou seja, o meio de os homens conhecerem na prática a verdade divina é através do testemunho de cada crente.

2. A visibilidade da luz. Pela sua própria natureza a luz tem, ainda, visibilidade. Haja vista os faróis marítimos construídos junto à costa para orientar os navios. Estes, ao contemplá-los, são capazes, mesmo à distância, de ajustar o seu posicionamento na região costeira. Ora, Jesus afirmou que não se põe a candeia debaixo do alqueire (v.15). Visibilidade é a conotação desta assertiva. Isto posto, onde o crente estiver a visibilidade positiva de sua fé tem o efeito de atrair outros a Cristo.

3. A necessidade da luz. O fato de estarmos acostumados à luz, por outro lado, leva-nos muitas vezes a não compreendê-la como algo essencial à vida. Só quando desaparece damos conta da sua real importância. As plantas, por exemplo, sobrevivem porque metabolizam substâncias orgânicas através da energia oriunda da luz do sol. Na verdade, a Terra depende da energia solar para a sua sobrevivência. Isto significa que só a presença de Cristo — o sol da justiça — é capaz de pôr ordem no mundo e permitir que os crentes reflitam o brilho dessa luz para trazer vida aos que os cercam (cf. Jo 8.12).

 

III. O IMPERATIVO DA RELEVÂNCIA CRISTÃ

 

1. Onde ser relevante. À luz desses dois ricos símbolos entendemos que o testemunho do cristão de uma vida transformada, reta, justa e altruísta tem que se fazer notar em todos os segmentos da sociedade. Assim como o sal e a luz podem ser encontrados e percebidos desde as mais simples choupanas aos mais esplendorosos palácios, desde uma extremidade à outra, porque são indispensáveis à vida, igualmente requer-se dos salvos uma presença ativa e marcante que faça diferença no mundo e demonstre a excelência do evangelho, que é poder de Deus e salvação para todo o que crê.

2. Como ser relevante. A importância vital desses dois símbolos pode ser notada pelos efeitos que exercem. Se o sal for insípido, perderá totalmente o seu valor (v.13). Se a luz estiver apagada ou escondida, nenhum benefício trará ao ambiente (v.14). Partindo daí, há pelo menos três áreas gerais da relevância cristã.

a) A primeira é a do exemplo. Atitudes e atos falam mais alto do que mil palavras (ver 2Co 3.2,3). Quando o nosso comportamento não condiz com o que falamos, de nada adiantam eloquência e verbosidade. A falta de lisura e nitidez em nossas ações levam-nos à perda da credibilidade.

b) A segunda é a do compromisso. Há por aí um evangelho fácil e descomprometido com Deus, com sua Palavra e com a igreja, onde o deslumbramento de práticas ritualistas está de mãos dadas com a superficialidade da fé ao mesmo tempo em que a visão materialista da vida cristã toma o lugar da renúncia exigida por Cristo e vislumbrada nas bem-aventuranças (ver Mt 5.1-12; 16.24-26). Todavia, o compromisso de viver os princípios do Reino com todas as suas implicações é parte da relevância do crente no mundo.

c) A terceira é a do serviço. Há três palavras gregas no livro de Atos fortemente relacionadas à relevância cristã: Martiria tem a ver com a disposição do discípulo de Cristo de dar a própria vida pela causa do evangelho; koinonia define todos os aspectos que envolvem a comunhão entre os crentes, e diaconia expressa em sua dimensão mais profunda o serviço que os salvos dedicam ao próximo. Servir, portanto, é a decorrência natural quando se experimentam a martiria e a koinonia.

 

IV. O OBJETIVO DA RELEVÂNCIA CRISTÃ

 

1. Motivar o testemunho da sociedade. Mas a relevância cristã não é um fim em si mesmo. Visa, entre outras coisas, ocasionar o testemunho dos que são alcançados para que vejam a igreja como um o povo de Deus. Jesus deixou claro que a luz resplandecente permitiria que as boas obras fossem vistas pelos homens (v.16). Não há nenhum erro em tornar conhecidas as ações da igreja na sociedade desde que o objetivo não seja a autoglorificação, mas mostrar a sua relevância como um organismo espiritual que atua em favor do bem comum, buscando, sobretudo, a salvação das almas (cf. At 9.36-42).

2. Demonstrar o compromisso da fé. Outra finalidade da relevância cristã é mostrar que a fé tem um perpétuo compromisso com as obras. O ensino de Tiago se ajusta ao de Paulo quando afirma que as obras resultam da fé (ver Tg 2.14-26). Vale ressaltar, inclusive, que, nesta passagem, o termo aparece no contexto da solidariedade ao próximo. Portanto, a legitimidade da fé pode ser dimensionada quando a igreja movida pelo Espírito Santo torna-se solidária no sentido de minorar o sofrimento humano.

3. Glorificar a Deus. Para finalizar, a relevância dos crentes, como sal da terra e luz do mundo, tem como propósito maior glorificar a Deus (v.16). Quando o perdido se converte mediante o labor da igreja, Deus é exaltado em sua glória, pois trata-se do resgate de sua imagem em vidas antes corrompidas pelo pecado.

 

CONCLUSÃO

 

O sal e a luz são relevantes pelo efeito que exercem. Sem eles não haveria qualidade de vida. Portanto, cada cristão deve ser relevante, isto é, brilhar o máximo por Jesus, primar pela excelência espiritual, realçar a distinção entre o crente e o mundo. Com isto todos perceberão que ser crente é muito mais do que frequentar a igreja. É demonstrar amor pelo próximo na mesma medida de Cristo (Jo 13.34).

 

AUXÍLIOS SUPLEMENTARES

 

Subsídio Doutrinário

 

“Jesus chamara seus discípulos para serem pescadores de homens (Mt 4.19). Ele quer que sejam, também, o sal da terra e a luz do mundo: ‘Vós sois o sal da terra’ (v.13). O Mestre proferiu essas palavras afastado das multidões (v.1), mas com o alvo de abençoá-las por intermédio daqueles a quem ensinava.

Os profetas eram o sal da terra de Canaã; os crentes são o sal de toda a terra, porque devem ir por todo o mundo e pregar o Evangelho. Cristo disse que um punhado de discípulos seriam o sal da terra.

Os crentes são o sal da terra porque conservam-na na corrupção, dão gosto ao que é insípido, refrescam e purificam ao que dá mau cheiro espiritual. Não se aplica o sal aos animais vivos, mas à sua carne depois de mortos. Cristo quer que seus discípulos sejam o sal da terra porque a sociedade humana está morta e, sem esse sal, estraga-se.

‘Vós sois a luz do mundo’ (v.13): o sal opera no interior da massa; a luz opera no exterior. A ilustração do sal fala do nosso caráter; a luz fala do nosso testemunho. Note-se que, como Cristo falou primeiro no sal da terra e depois na luz do mundo, assim o caráter precede o testemunho. Em que sentido podemos ser a luz do mundo, quando o próprio Cristo o é (Jo 8.12), e o maior dos profetas testificou que ele mesmo não era? (Jo 1:6-8) A resposta é que brilhamos como luz refletida. Cristo é como o sol que brilha com a sua própria luz. Nós somos como a lua que brilha com a luz espelhada do sol. Cristo não disse no Sermão do Monte: ‘Brilhai diante dos homens’, mas disse: ‘Brilhe a vossa luz...’.

‘Não são chamados para receber honra para si, mas para que Deus seja glorificado’ (Fp 2.14,15)” (Espada Cortante, CPAD, pp.407-409).

 

GLOSSÁRIO

 

Abstenção: Abstinência; recusa voluntária de participar de qualquer ato.
Altruísta: Pessoa que pratica o amor ao próximo.
Aludir: Referir-se, mencionar.
Choupana: Cabana.
Lisura: Boa fé, sinceridade.
Metabolismo: Conjunto dos mecanismos químicos necessários ao organismo para a formação, desenvolvimento e renovação das estruturas celulares.
Minorar: Abrandar, suavizar, diminuir.
Orgânico: Relativo ao órgão, a organização ou a seres organizados.
Palatável: Aceitável, tolerante, que é grato ao paladar ou gosto.
Peremptório: Decisivo. Prescindir: Renunciar, dispensar.

 

QUESTIONÁRIO

 

1. De que expressão latina deriva-se o termo salário?

R. Salarium.

 

2. Cite os três objetivos da relevância cristã.

R. Motivar o testemunho da sociedade; demonstrar o compromisso da fé e glorificar a Deus.

 

3. Que efeito o sol exerce sobre as plantas?

R. As plantas metabolizam substâncias orgânicas através da energia da luz do sol.

 

4. Quais as três áreas em que o crente deve ser relevante?

R. Exemplo, compromisso e serviço.

 

5. Relacione as três palavras gregas relacionadas à relevância cristã.

R. Martiria, koinonia e diaconia.