Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

3º Trimestre de 2003

 

Título: Ética Cristã — Confrontando as questões morais

Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima

 

 

Lição 12: O cristão, os vícios e os jogos

Data: 22 de Setembro de 2002

 

TEXTO ÁUREO

 

Como a perdiz que ajunta ovos que não choca, assim é aquele que ajunta riquezas, mas não retamente; no meio de seus dias as deixará e no seu fim se fará um insensato(Jr 17.11).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Com a lassidão dos costumes e o relaxamento constante dos padrões de conduta da sociedade sem Deus, os jogos, os vícios e as diversões e práticas imorais estão sendo legalizados e considerados como coisas normais e naturais.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Gn 9.21

A primeira embriaguez

 

 

Terça - Gn 19.32

Incesto sob o vinho

 

 

Quarta - Lv 10.9

O vinho proibido

 

 

Quinta - Jó 1.13

O vinho em família

 

 

Sexta - Pv 13.11

A riqueza efêmera

 

 

Sábado - 1Co 10.7

Folga para pecar

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Provérbios 23.31,32; Isaías 5.11,12; 28.1,7.

 

Provérbios 23

31 - Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente.

32 - No seu fim, morderá como a cobra e, como o basilisco, picará.

 

Isaías 5

11 - Ai dos que se levantam pela manhã e seguem a bebedice! E se demoram até à noite, até que o vinho os esquenta!

12 - Harpas, e alaúdes, e tamboris e pífanos, e vinho há nos seus banquetes; e não olham para a obra do SENHOR, nem consideram as obras das suas mãos.

 

Isaías 28

1 - Ai da coroa de soberba dos bêbados de Efraim, cujo glorioso ornamento é como a flor que cai, que está sobre a cabeça do fértil vale dos vencidos do vinho!

7 - Mas também estes erram por causa do vinho e com a bebida forte se desencaminham; até o sacerdote e o profeta erram por causa da bebida forte; são absorvidos do vinho.

 

PONTO DE CONTATO

 

Defina a palavra compulsão e discuta com a turma o seu significado em termos práticos. O que caracteriza a compulsão? O crente está sujeito a ela? A compulsão é pecado? O que significa vício? É possível um crente adquirir vícios? Deixe claro que o desejo descontrolado de jogar começa como todos os outros vícios: basta dar o primeiro passo. A recomendação expressa do apóstolo Paulo é: “fugi de toda aparência do mal”. Qualquer trânsito nessas veredas, seja qual for a justificativa, é apenas pretexto para pecar.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Reprovar de modo claro e direto o uso de qualquer bebida alcoólica.
  • Reconhecer que todos os vícios, inclusive os morais, são meios destrutivos que o Diabo usa para ceifar vidas e destruir famílias.

 

SÍNTESE TEXTUAL

 

Não existe argumento que justifique o envolvimento do crente com nenhuma espécie de vício. O corpo do salvo é o templo do Espírito Santo. Se levarmos em conta que um abismo chama outro abismo, podemos perfeitamente supor que, ao envolver-se em um tipo de vício, o homem estará perigosamente abrindo uma brecha para que toda espécie de pecados ocupe espaço em sua vida e o domine completamente contaminando assim o templo de Deus. A Bíblia diz: “Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não terá prazer nele” (Hb 10.38). A fé que move o cristão deve estar depositada unicamente nas promessas divinas, nunca nas práticas perigosas, mundanas e carnais que levam à ruína espiritual.

 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA

 

Para esta aula utilize a técnica “Grupos de integração horizontal-vertical”. Como funciona? Divida a turma em 4 grupos de 4 elementos. Observe o modelo abaixo.

No exemplo abaixo, vemos que as unidades podem ser agrupadas seja de forma horizontal: AAAA, BBBB, CCCC, DDDD, seja de forma vertical: ABCD, ABCD etc.

Na primeira etapa, ou integração horizontal, os alunos se agrupam conforme o modelo AAAA. Na segunda, ou integração vertical, os alunos se agrupam conforme o modelo ABCD.

Dê a cada grupo uma situação-problema para ser debatida e concluída dentro de 10 minutos. Exemplos: 1) O alcoolismo é doença ou pecado? 2) É lícito ao cristão “beber socialmente”? 3) Por que fumar é pecado? 4) De que modo pode os filhos de pais crentes livrarem-se da influência das drogas?

Depois formam-se novos grupos, desta vez compostos de um elemento de cada grupo anterior. Nestes novos grupos cada participante explica a situação-problema debatida no seu grupo inicial e a conclusão a que se chegou.

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Os vícios, inclusive os morais, destroem vidas e famílias. Eles também prejudicam lares cristãos. Na época em que vivemos, há uma onda de liberalismo que não vê pecado em quase nada, e favorece práticas perigosas, que podem levar à destruição espiritual, disfarçadas de “coisas que não têm nada a ver”. O verdadeiro cristão não se deixa levar por esta degeneração do mundo. O crente precisa saber que tais coisas vêm do Príncipe deste mundo — o Diabo.

 

I. O ALCOOLISMO À LUZ DA BÍBLIA

 

1. Doença ou pecado? A Bíblia — O Livro do Senhor, vê o alcoolismo de modo diferente do mundo. Nela, verificamos que o alcoolismo, a bebedeira e outros vícios, são vistos como atos pecaminosos. Em Isaías 28.1, vemos a condenação de Efraim (Israel) pela soberba de seus embriagados. No mesmo capítulo, vemos que “até o sacerdote e o profeta erram por causa da bebida forte; são absorvidos do vinho” (Is 28.7). A primeira embriaguez foi experimentada por Noé logo após o Dilúvio e causou um grande mal à sua família, resultando em maldição para seu filho Canaã (Gn 9.21-25).

2. Condenação à bebedice. Diz a Palavra: “Ai dos que se levantam pela manhã e seguem a bebedice! E se demoram até à noite, até que o vinho os esquenta! Harpas, e alaúdes, e tamboris e pífaros, e vinho há nos seus banquetes; e não olham para a obra do SENHOR, nem consideram as obras das suas mãos” (Is 5.11,12). Aí, vemos um tipo de festa, no Antigo Testamento, semelhante ao que se passa nos jogos, nos bares, nos clubes, e shows mundanos, em que a bebida alcoólica é fator indispensável para sua motivação.

3. O sofrimento dos viciados. O escritor de Provérbios anotou que os viciados são vítimas de sofrimento, pesares, violência, queixas, adultério, prostituição, linguagem perversa, desequilíbrio mental (“delirium tremens”), câimbras, vômito, derrame, hipertensão, que são apenas algumas das danosas consequências do alcoolismo (Ler Pv 29.29,30,33-35).

4. O alcoolismo no Novo Testamento. Advertindo sobre sua vinda, Jesus proferiu uma parábola sobre a vigilância, condenou o servo infiel, comedor, espancador, e beberrão dizendo que sua parte seria com os infiéis (Lc 12.45,46). O apóstolo Paulo colocou no mesmo nível de condenação os bêbados, os devassos, os idólatras, os homossexuais, e os ladrões, os quais não herdarão o reino de Deus (1Co 6.9,10). Ver Rm 13.13; 1Pe 4.3-5.

 

II. POSICIONAMENTO CRISTÃO

 

1. Condenação ao vício. Segundo o ensino das Escrituras, o cristão não tem outra alternativa a não ser reprovar de modo claro e direto o uso de bebidas alcoólicas. Grande parte dos acidentes de trânsito são provocados por motoristas alcoolizados; cerca de 80% das agressões têm na bebida sua motivação; a ausência ao trabalho por causa do vício causa enormes prejuízos.

2. O vinho que Jesus bebeu. Jesus transformou água em vinho numa respeitável festa de casamento (Jo 2.1-11). Há quem use esse texto para dizer que não há nada errado em se beber vinho. Sim! Mas o vinho que Jesus faz! Do vinho embriagante para as demais bebidas alcoólicas pode ser apenas um passo. É melhor não tomar o primeiro gole. Na Santa Ceia (Mt 26.29), Jesus não tomou vinho embriagante. No texto original, Ele tomou “do fruto da vide” (do gr. guenematos tês ampèlou), indicando tratar-se do suco fresco da uva. Se fosse vinho fermentado a palavra seria oinos. Anotemos o que diz a Bíblia: “Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho, quando resplandece no copo e se escoa suavemente” (Pv 23.31ss).

3. Nenhuma concessão. O cristão não deve tomar vinho, cerveja, champanhe ou qualquer outra bebida, considerada leve, tendo em vista os males físicos, sociais, morais e espirituais que envolve tal prática. Lembremo-nos de que “o Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” (Rm 14.17).

 

III. O CRISTÃO E O FUMO

 

1. O fumo é uma droga. No cigarro existem inúmeras substâncias prejudiciais ao organismo humano. Metais tóxicos, como cádmio, manganês, cromo, zinco, ao lado do alcatrão e da nicotina acabam matando os viciados.

2. Mata mais do que muitas guerras. A cada 10 minutos, morre um brasileiro de câncer no pulmão, de enfisema pulmonar, ou de doença cardiovascular, por causa do fumo. A cada ano estima-se que morrem mais de cem mil pessoas, no Brasil, por causa desse vício, que é um suicídio lento. Mais de dois milhões e quinhentas mil pessoas morrem por ano, no mundo, vitimadas pela epidemia do cigarro.

A Bíblia tem razão quando afirma: “Mas os homens maus e enganadores irão de mal a pior, enganando e sendo enganados” (2Tm 3.13).

3. Posicionamento cristão. O vício é pecado, e fumar é um vício. Logo o fumante não tem como escapar: está pecando. O fumo destrói o corpo, que é templo do Espírito Santo (1Co 3.17). Graças a Deus, são inúmeros os casos de pessoas que aceitam a Cristo e ficam libertas do vício do fumo. Na conversão do pecador, efetuada por Jesus, os vícios, como coisas da velha vida, ficam para trás (cf. 2 Co 5.17).

 

IV. O CRISTÃO E AS DROGAS

 

1. Agentes do diabo. As drogas são agentes utilizados pelo Diabo para a destruição de vidas, principalmente de adolescentes e jovens.

2. Motivos que levam às drogas. Além da ação demoníaca velada, concorre para isso a curiosidade, imitação do grupo, aventura, mas, principalmente, o desajuste familiar. O melhor preventivo: o andar com Deus, o amor cristão entre pais e filhos, o diálogo, o bom relacionamento, o Culto Doméstico desde cedo como está escrito, “Instrui o menino no caminho em que deve andar e, até quando envelhecer, não se desviará dele” (Pv 22.6).

 

V. O CRISTÃO E OS JOGOS DE AZAR

 

1. A ilusão do jogo. A propaganda das loterias, dos bingos e outros meios da jogatina, ilude os incautos, prometendo-lhes riqueza fácil. Contudo, nenhum desses jogos é de sorte, mas de azar. Milhares de pessoas jogam, mas só uma ou poucas ganham “a bolada”. E o restante? Fica no azar. Perde dinheiro e energias, esperando o ganho fantástico! Quanto mais pessoas jogam, menos chances cada uma tem de ser sorteada.

2. O amor ao dinheiro. O jogador põe o coração no dinheiro. Torna-se escravo da ideia de ganhar de qualquer maneira. Deus condena a avareza (1Tm 6.10). Em Provérbios 28.22, lemos: “Aquele que tem um olho mau corre atrás das riquezas, mas não sabe que há de vir sobre ele a pobreza” (Pv 28.22).

3. O desprezo ao trabalho. Se o crente resolve jogar pensando em deixar de trabalhar, isso não é correto. Em Efésios 4.8, lemos: “Aquele que furtava não furte mais; antes, trabalhe, fazendo com as mãos o que é bom para que tenha o que repartir com quem tiver necessidade” (Ef 4.28).

4. O problema do vício. O vício do jogo leva a pessoa a uma compulsão, que a obriga a jogar cada vez mais, na esperança de superar as perdas. O indivíduo torna-se um escravo do jogo. Começa com dinheiro, depois entrega a roupa, os sapatos, o relógio, os bens, e por fim, a honra, a dignidade.

5. A ilusão da contribuição social. O argumento de que parte do dinheiro vai para as obras sociais não justifica a jogatina. O correto seria o governo proporcionar oportunidade de emprego honesto, e não de incentivo ao jogo. Muita gente, principalmente das classes mais humildes, é explorada pela jogatina.

 

CONCLUSÃO

 

Os jogos de azar, oficializados ou não, são instrumentos prejudiciais à vida moral e social, pois levam as pessoas a confiarem na sorte, em lugar de se dedicarem com mais afinco ao trabalho honesto. Os vícios são meios destrutivos que o Diabo usa para ceifar vidas preciosas, principalmente entre os jovens, e empobrecer as famílias. Que Deus guarde a Igreja, e de modo especial a juventude para que não enverede pelos tortuosos caminhos dos jogos e dos vícios. Até o futebol de clubes e campos, que no passado era primeiro esporte e depois jogo, hoje é apenas jogo e não mais esporte como arte. Além de jogo, o futebol é, hoje, também campo de batalha entre torcidas fanáticas e a força policial.

 

VOCABULÁRIO

 

Afinco: Perseverança, persistência, constância.
Hipertensão: Elevação, acima do normal, da pressão, no interior de um órgão ou de um sistema.
Incauto: Não acautelado; imprudente.
Liberalismo: Conjunto de ideias e doutrinas que visam a assegurar a liberdade individual no campo da política, da moral, da religião, etc, dentro da sociedade.
Síndrome: Estado mórbido caracterizado por um conjunto de sinais e sintomas, e que pode ser produzido por mais de uma causa.
Suscetível: Passível de receber impressões, modificações ou adquirir qualidades; capaz.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

Ação Social da Igreja, Maria José Resende, CPAD.
Da Escravidão Alcoólica à Liberdade Cristã, José Messias de Melo, CPAD.
Drogas: Os Jovens Desafiam o Império do Mal, Gruner & Norbeg, CPAD.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Como a Bíblia vê o vício do alcoolismo?

R. Como pecado.

 

2. Quem, na Bíblia, protagonizou a primeira bebedeira?

R. Noé, logo após o Dilúvio.

 

3. De acordo com Rm 14.17, o que é o Reino de Deus?

R. “O Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo ”.

 

4. Por que o cristão não deve fumar?

R. Porque o fumo destrói o corpo, que é templo do Espírito Santo.

 

5. Qual o principal motivo que leva alguém às drogas?

R. O desajuste familiar.

 

AUXÍLIOS SUPLEMENTARES

 

Subsídio Teológico

 

“O primeiro pecado registrado após a inundação está ligado à nudez, e a causa disso foi a bebedeira. Este é o único evento negativo registrado nas Escrituras sobre Noé, um momento de fraqueza em que ele decidiu beber vinho e deitar-se nu em sua tenda.

Perante toda a honestidade de Noé, não sabemos com certeza se ele imaginava que ficaria bêbado, tomando o fruto da vide. Após a inundação, a terra tornou-se um lugar diferente do que era antes, e é possível, acreditam alguns sábios, que esta foi a primeira fermentação do vinho. Também não sabemos exatamente que pecado Cam cometeu. O texto mostra, porém, que ambos os outros irmãos tomaram cuidado para não olhar a nudez de Noé, até mesmo andaram de costas para evitar vê-lo. Onde estava a esposa de Noé durante este episódio da embriaguez? Ela também estava nua com ele? Muitas perguntas não podem ser respondidas totalmente” (Pureza Sexual: Como Vencer Sua Guerra Interior, CPAD, pp.207-8).