Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

2º Trimestre de 2004

 

Título: Família Cristã — Eu e a minha casa serviremos ao Senhor

Comentarista: Eliezer de Lira e Silva

 

 

Lição 12: A importância do culto doméstico

Data: 20 de Junho de 2004

 

TEXTO ÁUREO

 

Instrui o menino no caminho em que deve andar, e, até quando envelhecer, não se desviará dele(Pv 22.6).

 

VERDADE PRÁTICA

 

O culto doméstico, além de desenvolver na criança o princípio da adoração a Deus, sedimenta em nossos filhos os verdadeiros valores morais.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - 2Cr 26.4

Valores adquiridos dos pais

 

 

Terça - Dt 6.6,7

Ensinar aos filhos: responsabilidade dos pais

 

 

Quarta - Dt 11.19

Ensinando diligentemente

 

 

Quinta - 2Tm 1.5; 3.15

O culto doméstico produz sabedoria

 

 

Sexta - Pv 22.6

Culto doméstico: resistência ao pecado

 

 

Sábado - Sl 1

O culto doméstico promove estabilidade e prosperidade espirituais

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Salmos 78.1-8.

 

1 - Escutai a minha lei, povo meu; inclinai os ouvidos às palavras da minha boca.

2 - Abrirei a boca numa parábola; proporei enigmas da antiguidade,

3 - os quais temos ouvido e sabido, e nossos pais no-los têm contado.

4 - Não os encobriremos aos seus filhos, mostrando à geração futura os louvores do Senhor, assim como a sua força e as maravilhas que fez.

5 - Porque ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e pôs uma lei em Israel, e ordenou aos nossos pais que a fizessem conhecer a seus filhos,

6 - para que a geração vindoura a soubesse, e os filhos que nascessem se levantassem e a contassem a seus filhos;

7 - para que pusessem em Deus a sua esperança e se não esquecessem das obras de Deus, mas guardassem os seus mandamentos

8 - e não fossem como seus pais, geração contumaz e rebelde, geração que não regeu o seu coração, e cujo espírito não foi fiel para com Deus.

 

PONTO DE CONTATO

 

Na história de Noé, aprendemos três importantes lições com o patriarca:

a) Sacerdócio do lar. Noé, na condição de marido e pai, exercia o seu sacerdócio numa estreita e constante relação com Deus.

b) Comunhão com Deus. Noé, como sacerdote do lar, era um elo entre Deus e sua família. Assim, Deus falou com o patriarca, a fim de que este convocasse a família para entrar na arca.

c) Exemplo moral. Com a sua conduta, inspirava a confiança dos filhos, sem a qual eles não teriam entrado na arca.

Sigamos, pois, o exemplo de Noé como chefe de família.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Localizar na Bíblia exemplos de pais que cumpriram suas responsabilidades e deveres como sacerdotes de suas famílias.
  • Destacar a importância do culto doméstico como meio de fortalecer os laços de afeição, amizade e comunhão entre os membros da família.

 

SÍNTESE TEXTUAL

 

No lar, os conceitos mais importantes da vida são ensinados e o caráter da criança é formado, por isso a importância do culto doméstico. Através deste princípio bíblico, os pais podem transmitir aos filhos os preceitos divinos a fim de que eles jamais os esqueçam. O que poderia ser melhor do que adorar a Deus e estudar a sua Palavra? Fazer isso em família. O culto doméstico é imprescindível à estabilidade espiritual desta instituição porque é o momento em que todos se reúnem para juntos louvar ao Criador da família e aprender como servi-lo. Fazendo isso, estaremos fortalecendo os laços familiares e estreitando a nossa comunhão com Deus e com nossos entes queridos.

 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA

 

Pergunte a sua turma se alguém possui uma experiência relacionada ao culto doméstico para contar.

Se ninguém tiver, faça as seguintes perguntas aos alunos: Qual a maior dificuldade enfrentada para realizar o culto doméstico? Por que vocês acham que este ensino vem sendo negligenciado pelas famílias com o passar dos anos? Qual o primeiro passo a ser tomado para que a família retorne a este princípio bíblico? Discuta com a sua turma a respeito dessas questões.

 

COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

 

Através de Moisés, o Senhor intima os israelitas a repassar aos seus filhos, com toda a diligência, os princípios da Palavra de Deus (Dt 6.7). Isto significa que os mais importantes conceitos da vida são formados na intimidade do lar e reforçados no culto doméstico.

 

I. PAIS CONSCIENTES DO SEU DEVER

 

1. Adão. Quando os filhos de Adão ofereceram ao Senhor as primícias do seu trabalho (Gn 4.3,4), demonstraram haver recebido de seus pais conceitos sólidos sobre Deus e seu relacionamento com o homem. Isto significa que Adão e Eva faziam o culto doméstico com os seus filhos; doutra forma: como poderiam eles saber acerca do culto ao verdadeiro Deus?

2. Noé. Por ocasião do encontro de Deus com Noé, ordenou-lhe o Senhor: “Entrarás na arca, tu e os teus filhos, e a tua mulher, e as mulheres de teus filhos contigo” (Gn 6.18). Conclui-se, pois, que se Noé não houvesse ensinado os seus filhos a obedecerem a Deus, eles não teriam entrado na arca com o pai.

3. Abraão. O próprio Deus dá este testemunho de Abraão: “Pois eu o escolhi para que ele ordene a seus filhos ... para que guardem o caminho do Senhor; deste modo o Senhor realizará para Abraão o que lhe prometeu” (Gn 18.19 — A Bíblia de Jerusalém).

Esta passagem assinala a responsabilidade que Deus confia ao sacerdote do lar. Temos por dever ensinar aos filhos os preceitos da vida espiritual e ter a percepção da vontade divina para a vida de cada membro da família, a fim de que Deus encontre lugar neles para os seus propósitos.

4. Os pais de Moisés. As atitudes de Moisés (Hb 11.24-27) denotam a diligência dos seus pais na transmissão do conhecimento de Deus no âmbito doméstico.

Moisés passou muito mais tempo sob a influência da cultura egípcia, no palácio de Faraó, do que com os seus pais. Todavia, o curto período em que estivera na casa paterna foi suficiente para que a sua fé em Deus fosse devidamente estruturada. Este exemplo é apropriado para a vida moderna. Hoje as crianças permanecem mais com os de fora do que com os pais. Por isto todo o tempo de convívio com a família deve ser sabiamente administrado pelos pais para imprimir e reforçar os valores espirituais indispensáveis à vida de seus filhos.

5. Eunice e Lóide. O ministério de Timóteo tinha como base o conhecimento adquirido em três fontes: os rabinos que o instruíram na sinagoga; os mestres cristãos, entre eles, Paulo; e, principalmente, sua família — sua mãe e sua avó. Em 2 Timóteo 3.15, Paulo faz-nos entender que o conhecimento secular torna o homem culto, ao passo que o conhecimento e a prática (Mt 7.24) das Sagradas Letras faz o homem sábio. Eunice é lembrada como a mãe piedosa e dedicada à instrução espiritual de seu filho. É o modelo para todas as mães cristãs.

 

II. PAIS NEGLIGENTES

 

1. A negligência de Ló. A maneira como Ló comportava-se diante de sua família, assentado passivamente à porta da iníqua e pecaminosa Sodoma (Gn 19.1), contribuiu de forma substancial para que suas filhas chegassem à decadência moral a que chegaram (Gn 19.31-38).

Apesar de suas virtudes, ele não foi diligente na formação espiritual e moral de suas filhas, permitindo-lhes conviver numa sociedade como a sodomita, que lhes deformaria o caráter e os padrões morais. Esta falta de firmeza teve como consequência a desestrutura da família e a geração de uma descendência ímpia.

2. O povo de Israel. Em Juízes 2.10, vemos a negligência de todo um povo quanto à ordenança divina de repassar os conhecimentos de Deus aos filhos. Tudo aquilo aconteceu porque se levantou uma geração que não conhecia ao Senhor. Se os pais estivessem comprometidos com a recomendação de Moisés (Dt 6.7), aproveitando todos os momentos em família para transmitir os valores espirituais aos seus filhos, aquela tragédia teria sido evitada.

Se hoje existem filhos de crentes que não reconhecem o poder e a soberania do Senhor, isto se deve à negligência dos pais em relação às Escrituras Sagradas. Deus exige que os pais cuidem da formação espiritual de seus filhos. Se não atentarmos para este dever, traremos desastrosos resultados à sua vida. Se quisermos uma igreja fiel e consciente de seus deveres, devemos cuidar que nossos filhos sejam fiéis ao Senhor e à sua Palavra. E isto deve ser feito através do exemplo e do diálogo.

 

III. A IMPORTÂNCIA DO CULTO DOMÉSTICO

 

De que maneira conseguiremos formar devidamente nossos filhos? Através do culto doméstico. Somente assim haveremos de fortalecer os laços de afeição, amizade e comunhão entre os membros de nossa família. Quando isto acontece, a própria igreja é fortalecida, pois a sua base é formada por famílias. Se este padrão for seguido, cada geração será melhor e mais forte espiritualmente do que a anterior. Muitos reclamam da frieza espiritual da igreja moderna, mas será que eles formaram filhos “fervorosos” na fé? Será que os cultos familiares são aquecidos com a presença do Espírito? (2Tm 3.14).

Paulo mostra que a vida de Timóteo achava-se alicerçada naquilo que havia aprendido. Por conseguinte, a superficialidade de alguns rebanhos deve-se a um ensino deficiente que não pode ser atribuído necessariamente àquilo que se aprende ou deixa de se aprender na igreja, mas sim no lar. O culto doméstico é a essência da formação cristã em família.

 

CONCLUSÃO

 

A falta de tempo para se refletir na Palavra de Deus, em família, é uma ameaça contra a estabilidade espiritual dos filhos e dos cônjuges. Levemos em conta que os dias atuais são mui difíceis, em virtude de seus perversos ensinos tentarem neutralizar os valores bíblicos e espirituais que devem nortear a casa e a igreja.

O mundo impõe um padrão de conduta que nada tem a ver com o do cristão. É no lar que a criança deve adquirir convicções que a tornem capaz de resistir aos valores deturpados do mundo. Portanto, muito cuidado! Se o culto doméstico e o ensino sistemático da Palavra forem negligenciados pelos pais, a família estará fadada ao fracasso, às vezes, irreversível.

 

VOCABULÁRIO

 

Âmbito: Espaço delimitado; recinto.
Culto: Que tem cultura; instruído, ilustrado; civilizado, adiantado.
Em virtude de: Em consequência de; por causa de.
Imprimir: Fixar-se, gravar-se; infundir-se.
Iníquo: Perverso, malévolo; extremamente injusto.
Piedoso: Que tem amor e respeito às coisas de Deus; que possui devoção.
Primícias: Primeiros frutos; primeiras produções; primeiros efeitos; primeiros lucros.
Rabino: Especialista na interpretação e aplicação da Lei de Moisés. Guia espiritual da sinagoga, ou assembleia, que se reúne sob a sua liderança.
Sábio: Homem sensato, prudente, avisado.
Sinagoga: Originada na época do exílio babilônico devido a necessidade que os judeus exilados sentiam, longe do Templo, de orar e se edificarem.
Sodomita: Oriundo da cidade de Sodoma; relação sexual ilícita.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Em que fato se vê a formação espiritual dos filhos de Adão?

R. Quando eles ofereceram ao Senhor as primícias do seu trabalho.

 

2. Que atitude dos filhos de Noé demonstra que conheciam a Deus?

R. A entrada deles na arca.

 

3. Por que o exemplo dos pais de Moisés é próprio para a realidade moderna?

R. Porque atualmente as crianças permanecem mais com os de fora do que com os pais.

 

4. Que mulher pode ser citada como exemplo de mãe diligente na formação do filho?

R. Eunice.

 

5. Cite um exemplo de pai negligente na formação das filhas.

R. Ló.

 

AUXÍLIOS SUPLEMENTARES

 

“O povo de Deus é sábio. Reúne condições de cuidar prioritariamente de sua vida espiritual, pois tem nas mãos a Bíblia, a fonte da sabedoria e das revelações divinas, que ‘o tesouro mais precioso que conquistamos’. A maioria dos crentes pratica o culto doméstico — um exercício espiritual que tantos benefícios têm trazido aos filhos de Deus, à igreja e ao mundo. Sem prolongados comentários, anotemos três das razões que justificam a importância do culto doméstico:

1. É uma obra sagrada. A leitura bíblica e a oração envolvem a todos, tornando o ambiente familiar mais doce. Além disso, contribuem para estruturar a comunhão entre os membros da família... É fator de harmonia. Estabelecer uma convivência digna de Deus, contribuindo para evitar as desavenças e a desunião no lar, pois é um exercício espiritual.

2. Produz despertamento. Estimula os filhos na caminhada com Cristo, por tratar-se de um recurso eficaz que lhe desperta a vocação cristã. Estabelece relação com o futuro dos púlpitos e determina o bem-estar dos filhos nesta vida e na eternidade.

3. Proporciona melhores condições espirituais. Habilita toda a família para servir melhor a Deus e glorificá-lo. Em qualquer situação, mesmo as mais difíceis, as condições espirituais produzem no servo do Senhor a confiança” (...E Fez Deus a Família. CPAD, pp.192,193).