Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

2º Trimestre de 2006

 

Título: Heresias e Modismos — Combatendo os erros doutrinários

Comentarista: Esequias Soares

 

 

Lição 4: A reencarnação

Data: 23 de Abril de 2006

 

TEXTO ÁUREO

 

Porém, agora que é morta, por que jejuaria eu agora? Poderei eu fazê-la mais voltar? Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim(2 Sm 12.23).

 

VERDADE PRÁTICA

 

A doutrina da reencarnação nega a Bíblia e menospreza a salvação em Cristo, a ressurreição dos mortos e o julgamento final.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Sl 78.89

A morte é um caminho sem retorno

 

 

Terça - Hb 9.27

Ao homem está ordenado morrer uma vez

 

 

Quarta - Lc 16.26

Há um grande abismo entre os vivos e os mortos

 

 

Quinta - 1 Jo 1.7

É o sangue de Jesus que purifica o pecador; e não, as supostas reencarnações

 

 

Sexta - 1 Co 15.42

A doutrina da ressurreição dos mortos elimina a crença reencarnacionista

 

 

Sábado - 2 Tm 4.1

É Deus, em Jesus Cristo, que julgará os vivos e os mortos

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

1 Timóteo 4.1-5.

 

1 - Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios,

2 - pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência,

3 - proibindo o casamento e ordenando a abstinência dos manjares que Deus criou para os fiéis e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;

4 - porque toda criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças,

5 - porque, pela palavra de Deus e pela oração, é santificada.

 

PONTO DE CONTATO

 

Professor, o ensino herético da reencarnação é um dos mais perigosos difundidos no Brasil. É provável que seu aluno conheça algum adepto desse traiçoeiro engano. Por isso, não é apenas necessário que o educando aprenda a contestar biblicamente a teoria reencarnacionista, mas também torne-se um evangelizador dos adeptos das doutrinas kardecista, hinduísta, budista e jainista que a defendem. A ação da antiga serpente é uma das razões pelas quais a heresia da reencarnação está presente em várias religiões e cada vez mais aumentando o número de adeptos. Desde o Éden, Satanás promulga os fundamentos do espiritismo; exemplo disto, é quando usa a serpente como médium. Portanto, esteja preparado para ensinar esta lição.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Interceder pela conversão dos reencarnacionistas.
  • Distinguir entre encarnação e reencarnação.
  • Explicar as distorções da teoria da reencarnação.

 

SÍNTESE TEXTUAL

 

A difusão moderna da reencarnação no Brasil, deve-se, principalmente, a propagação das obras de Hippolyte Leon Denizard Rivail, conhecido por Allan Kardec, pseudônimo adotado em 18 de abril de 1857. Kardec nasceu em Lyon, na França, em 3 de outubro de 1804 e faleceu com a idade de 65 anos. Na lápide tumular consta a síntese de sua crença reencarnacionista: “Nascer, morrer, renascer e progredir sempre, esta e a lei”. H. L. Denizard Rivail era um homem erudito, mas que se deixou fisgar em 1855 por fenômenos sobrenaturais. Desde então, passou a ser guiado por um “espírito” que lhe informou ter sido seu amigo em uma re-encarnação anterior, período em que seu nome era Allan Kardec, razão pela qual adotou o novo nome. Desde então, dedicou-se exclusivamente a doutrina espírita. Escreveu várias obras que codificam o espiritismo e a doutrina reencarnacionista. Entre elas destacam-se: O Livro dos Espíritos (1857) e O Evangelho Segundo o Espiritismo (1864).

 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA

 

Nesta lição, repetiremos o recurso didático anterior, isto é, a Tabela Conceitual. Use este gráfico-visual após o tópico I, a fim de sintetizar a divulgação moderna do conceito reencarnacionista no Ocidente.

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

A doutrina da reencarnação é tão antiga quanto a humanidade. É originária do hinduísmo, mas está presente no budismo, no jainismo e no sikhismo. É defendida pelos hare krishnas, kardecistas e muitos outros grupos na atualidade. Tem fortes vínculos com a prática da necromancia e está no bojo do Movimento Nova Era. A reencarnação é uma falsa crença inspirada por Satanás para levar o homem à perdição eterna.

 

I. SEU SIGNIFICADO

 

1. Conceito. Reencarnação não é o mesmo que encarnação. A Bíblia fala da encarnação do Verbo para enfatizar que Deus fez-se homem (Jo 1.14; 1 Tm 3.16), pois Jesus veio em carne (1 Jo 4.1,2). A reencarnação é uma crença defendida por quase todas as religiões derivadas do hinduísmo. O termo significa “voltar na carne”, pois seus adeptos acreditam que, na morte física, a alma não entra num estágio final, mas volta ao ciclo de renascimentos. É chamada também de transmigração da alma e metempsicose.

2. No Oriente. As reencarnações nas religiões acima mencionadas não são exatamente iguais. No hinduísmo, o “eu” sobrevive à morte e torna a reencarnar. No budismo não existe o “eu”, porquanto não há alma para migrar, não é necessariamente o morto que volta para reencarnar, mas outra pessoa. Os adeptos do hare khrishna acreditam que a alma de quem morre pode reencarnar em seres inferiores, nos animais e até nos insetos. A reencarnação tornou-se muito popular nos diversos ramos do Movimento Nova Era, no espiritismo, no kardecismo, etc.

 

II. SEUS OBJETIVOS

 

1. Busca da perfeição ou da salvação. Os adeptos dessa doutrina buscam a perfeição por meio de um processo evolutivo até que os ciclos da roda de reencarnações parem de girar. Rejeitando a salvação em Jesus, acreditam na doutrina do carma: lei que determina o lugar de um indivíduo na reencarnação, ou seja, a pessoa vai colher o que semeou na suposta encarnação anterior; é o princípio hindu de causa e efeito. Nem todos os reencarnacionistas acreditam na garantia da salvação final de todos. No entanto, a crença mais comum é que apenas um período de vida não é suficiente para os seres humanos aperfeiçoarem-se.

2. Reencarnação e cristianismo. Essas crenças são contrárias à teologia bíblica, pois nelas não há espaço para a doutrina da ressurreição dos mortos, da redenção pela fé no sacrifício de Jesus no Calvário, do julgamento divino sobre os infiéis, do inferno ardente. Ensinando a salvação pelo esforço humano, colocam-se em aberta oposição à Bíblia Sagrada.

3. Reencarnação à luz da Bíblia. A Bíblia afirma que “aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo, depois disso, o juízo” (Hb 9.27). Essa declaração resume o ensino bíblico sobre o destino do homem após a morte, constituindo-se num golpe mortal contra a doutrina da reencarnação com todas as suas ramificações. Nós vivemos apenas uma vez, e depois da morte, segue-se o juízo. A reencarnação, portanto, não existe (Jo 9.1-3).

4. Não há salvação sem Jesus. O Senhor Jesus levou sobre o madeiro todos os nossos pecados (1 Pe 2.24); este é o único meio de salvação. Jesus é o único Salvador! (At 4.12). Ele mesmo há de julgar os vivos e os mortos (At 17.31; 2 Tm 4.1).

 

III. SUAS DISTORÇÕES

 

1. Fonte da teologia cristã. As doutrinas cristãs não podem ser fundamentadas em experiências pessoais, pois os sentimentos humanos acham-se comprometidos em conseqüência da Queda do homem no Éden (Jr 17.9 cf. Gn 3.1-24). Por isso, Deus revelou-se a si mesmo através da sua Palavra, a Bíblia Sagrada. De onde, pois, vem a doutrina da reencarnação? Dos espíritos malignos manifestos nos médiuns.

2. Distorção científica. Muitas pesquisas são feitas inutilmente com o intuito de procurar os fundamentos científicos da reencarnação. Por outro lado, a ciência confirma o que a Bíblia sempre ensinou: é na concepção que começa uma nova vida — um ser humano individual e único (Sl 139.15,16; Zc 12.1). Portanto, afirmar que a reencarnação é comprovada cientificamente, como fazem os seus apologistas, é uma distorção da verdade.

3. Distorção bíblica. Os defensores da reencarnação usam passagens bíblicas para fundamentar suas crenças. Embora rejeitem a Bíblia, reconhecem o respeito que o povo, de modo geral, tem pela Palavra de Deus. Por essa razão, sempre que possível, usam passagens das Escrituras, arrancadas violentamente de seu contexto, para dar roupagem bíblica àquilo em que acreditam. E, assim, conseguem persuadir os incautos.

a) Novo nascimento não é reencarnação. O novo nascimento a que Jesus se referiu no diálogo com Nicodemos nada tem a ver com a reencarnação. Jesus está falando da regeneração, do nascer da água e do Espírito (Jo 3.3-5). Disse Ele ainda: “o que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito” (Jo 3.6). Nas “reencarnações”, a pessoa nasceria sempre da carne.

b) João Batista não é Elias reencarnado. A crença de que João Batista era a reencarnação de Elias é inconsistente, pois Elias não morreu; logo, não se desencarnou (2 Rs 2.11). A expressão “no espírito e virtude de Elias” (Lc 1.17) não é o mesmo que reencarnação. O próprio João afirmou que não era Elias (Jo 1.21). O que temos aqui são características pessoais e ministeriais comuns a ambos os profetas. Por isso é que os discípulos entenderam que Jesus falara de João Batista quando disse: “Elias já veio” (Mt 17.12,13).

 

IV. SUA POPULARIDADE

 

1. Aceitação na sociedade. A reencarnação tornou-se comum na vida dos que não conhecem a Deus e a sua Palavra. Políticos, cientistas, empresários e artistas de Hollywood são, hoje, os principais promotores dessa doutrina. Isso mostra que a única maneira de o homem proteger-se do erro é pelo conhecimento da Palavra de Deus (Ef 6.10-18).

2. Razão do seu crescimento. A popularidade da reencarnação é o resultado da tendência humana de procurar escapar do inferno sem a ajuda de Deus. A Bíblia afirma que o “deus deste século cegou o entendimento dos incrédulos, para que não lhes resplandeça a luz do evangelho” (2 Co 4.4). Nessa cegueira espiritual, diz-lhe Satanás que não há mais solução, porque o homem está simplesmente colhendo o que semeou na suposta encarnação anterior.

 

CONCLUSÃO

 

Os adeptos da reencarnação estão preparados para defender suas crenças em qualquer foro. Todavia, nós estamos com a verdade, e Deus é conosco. Por isso devemos lutar pela salvação deles, pois fazem parte do grupo não alcançado pelo evangelho. Esse desafio é tarefa da Igreja, Jesus ordenou-nos pregar o evangelho a toda criatura (Mc 16.15).

 

VOCABULÁRIO

 

Desencarnar: Deixar a carne; passar para o mundo espiritual; morrer.
Distorcer: Mudar o sentido, a intenção, a substância de; desvirtuar; torcer.
Incauto: Não acautelado; imprudente; crédulo; ingênuo.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

COSTA, J. M. Porque Deus condena o espiritismo. RJ: CPAD, 2003.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Qual a origem da doutrina da reencarnação?

R. É originária do hinduísmo, mas está presente no budismo e jainismo.

 

2. Qual o significado do termo “reencarnação”?

R. O termo significa “voltar na carne”; pois acredita-se que na morte física, a alma entra num ciclo de renascimentos.

 

3. Onde encontramos na Bíblia que não há retorno após a morte?

R. Hebreus 9.27.

 

4. Por que as doutrinas cristãs não podem ser fundamentadas em experiências pessoais?

R. Porque os sentimentos humanos acham-se comprometidos em conseqüência da Queda do homem (Jr 17.9; Gn 3.1-24).

 

5. Por que a popularidade da reencarnação está aumentando?

R. Por causa da tendência humana de procurar escapar do inferno sem a ajuda de Deus.

 

AUXÍLIOS SUPLEMENTARES

 

Subsídio Apologético

 

“Jesus, Nicodemos e o Novo Nascimento

O diálogo entre Jesus e Nicodemos, registrado em João 3.1-21, é frequentemente usado pelos espíritas como prova de que Jesus, ao dizer a Nicodemos que lhe era necessário nascer de novo, estava pregando a reencarnação. Ora, só aqueles que ignoram o significado da palavra grega anōthen — traduzida no v.3 por ‘nascer de novo’ — é que fazem uso de tal argumento. Porém, o significado literal desse vocábulo é nascer do alto, nascer de cima, nascer de Deus. Portanto, não se refere a um nascimento após um processo biológico, intra-uterino, e sim, por meio da operação do Espírito de Deus no interior do homem. Isto nada tem haver com a reencarnação.

Se a doutrina reencarnacionista fizesse parte dos ensinamentos de Jesus, a grande oportunidade de divulgá-la e confirmá-la seria durante a memorável conversa daquele que era mestre em Israel com Aquele que é o Mestre dos mestres. A pergunta de Nicodemos: ‘Como pode um homem nascer, sendo velho? Pode, porventura, voltar ao ventre materno e nascer segunda vez?’ não poderia ter sido respondida, caso Jesus fosse reencarnacionista, da seguinte maneira: ‘isto é possível, Nicodemos. Basta você reencarnar’? Mas a resposta de Cristo foi: ‘Na verdade, na verdade te digo, quem não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus’” (COSTA, J. M. Porque Deus condena o espiritismo. 12.ed., RJ: CPAD, 2003, p. 156).