Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

3º Trimestre de 2006

 

Título: As Doutrinas Bíblicas Pentecostais

Comentarista: Antonio Gilberto

 

 

Lição 9: Pecados contra o Espírito Santo

Data: 27 de Agosto de 2006

 

TEXTO ÁUREO

 

E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o Dia da redenção(Ef 4.30).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Sendo o Espírito Santo quem intercede por nós com gemidos inexprimíveis, quem por nós intercederá se pecarmos contra Ele?

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Is 63.10

Não entristeçais o Espírito Santo

 

 

Terça - At 5.3

Não mintais ao Espírito Santo

 

 

Quarta - Mt 12.31,32

Não blasfemeis contra o Espírito Santo

 

 

Quinta - Hb 10.29

Não insulteis o Espírito Santo

 

 

Sexta - At 7.51

Não resistais ao Espírito Santo

 

 

Sábado - 1 Ts 5.19

Não extingais o Espírito Santo

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Hebreus 3.7-12.

 

7 - Portanto, como diz o Espírito Santo, se ouvirdes hoje a sua voz,

8 - não endureçais o vosso coração, como na provocação, no dia da tentação no deserto,

9 - onde vossos pais me tentaram, me provaram e viram, por quarenta anos, as minhas obras.

10 - Por isso, me indignei contra esta geração e disse: Estes sempre erram em seu coração e não conheceram os meus caminhos.

11 - Assim, jurei na minha ira que não entrarão no meu repouso.

12 - Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo.

 

PONTO DE CONTATO

 

Professor, o avivamento da Rua Azusa foi a centelha que espalhou o pentecostes por todas as regiões. A. C. Valdez, participante do movimento pentecostal em Los Angeles, testemunhou que “muitas vezes ondas de glória vinham sobre a sala de espera e o povo bradava em oração de gratidão ou louvores quando recebia o batismo no Espírito Santo”. Segundo Valdez, era comum o culto passar da meia-noite e entrar nas primeiras horas da manhã. Ali, segundo as testemunhas oculares, dúzias de bengalas, ataduras, muletas e cachimbos eram postos enfileirados juntos às paredes do galpão. Muitas pessoas falavam em línguas, às vezes um santo silêncio vinha sobre o lugar, seguido por um coro de oração em línguas desconhecidas pelos cristãos.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever os principais pecados contra o Espírito Santo.
  • Explicar o sentido de “blasfêmia contra o Espírito”.
  • Buscar uma comunhão mais íntima com o Espírito.

 

SÍNTESE TEXTUAL

 

As principais condições exigidas pelas Sagradas Escrituras para que o crente seja cheio do poder do Espírito é não entristecer (Ef 4.30,31), extinguir (1 Ts 5.19), resistir (At 7.51), ultrajar (Hb 10.29) e, mentir ao Espírito Santo (At 5.3). Qualquer um desses pecados desabilita o crente como candidato à plenitude do Espírito de Cristo. A proibição contra essas transgressões sugere que o crente, por seus atos e natureza pecaminosa, tem possibilidade de ofender o Santo Espírito, interferindo assim, na obra do Espírito no crente. Conseqüentemente, a insistência e teimosia do crente em afrontar o Espírito da Graça, podem levá-lo, à semelhança dos cristãos hebreus, ao pecado de apostasia e blasfêmia contra o Espírito (Hb 10.19-39; Mt 12.22-32).

 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA

 

Professor, nesta lição usaremos como recurso didático uma técnica chamada de Pensamento Radiante. A proposta desta dinâmica é que os alunos criem idéias relativas à lição. Divida a classe em equipes, não mais do que três pessoas por grupo. Distribua a cada equipe uma folha de papel ofício duplo (ou equivalente) escrito no centro: “Pecados contra o Espírito”. Instrua os alunos a fazerem um círculo no centro do papel onde já consta o título da lição. Do círculo central eles devem desenhar 6 linhas em sentido vertical e, em cada uma delas, escrever uma palavra que se relaciona com o tema proposto. Das 6 palavras (possivelmente: tristeza, extinguir, agravo, blasfemar, mentir, resistir) eles vão escolher uma e fazer o mesmo, isto é, mais 6 linhas com palavras relacionadas. Na conclusão da atividade, tem-se várias idéias, relacionadas ao tema geral. Solicite aos alunos para apresentarem rapidamente. A seguir, ministre a lição. Sabendo que a partir da atividade desenvolvida, os alunos relacionaram diversos conceitos que o auxiliarão na compreensão da lição.

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Os pecados contra o Espírito Santo consistem em palavras, atitudes e atos. Entre os pecados por palavras, acham-se as afrontas verbais e as blasfêmias. As atitudes e atos constam da resistência ao Espírito, e da recusa contínua de se cumprir a vontade de Deus. Contudo, a resistência ao Espírito é o pecado inicial que se comete contra o Consolador. Uma vez cometida esta ofensa, as demais parecerão de somenos importância, visto que o coração do ofensor, afetado terrivelmente pela iniqüidade, considerará o pecado algo comum e corriqueiro.

Lembremo-nos que o Espírito Santo, simbolizado nas Escrituras pela pomba, é muito sensível.

 

I. RESISTÊNCIA AO ESPÍRITO SANTO

 

Este pecado contra o Espírito pode ser compreendido pelo modo como Estevão concluiu seu sermão diante dos anciãos de Israel: “Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo” (At 7.51). O pecado daqueles homens não era um ato isolado, mas contínuo: resistir “sempre” ao Espírito Santo (v.51).

1. O que é resistir ao Espírito Santo. É recusar, de forma consciente, a vontade divina transmitida pelo Espírito Santo mediante a Palavra de Deus e por meio de seu trabalho em nossos corações.

2. O sentido do texto bíblico. O verbo resistir usado por Estevão no original, vai além de uma mera resistência. Significa lutar contra; lutar com agonia; cair em cima. O povo de Israel até hoje sofre as conseqüências disso (1 Ts 2.15,16). O texto em estudo revela que os ouvintes de Estevão lutavam contra o Espírito Santo, empregando nesta peleja, todas as suas forças. Ver Zc 7.12; Gn 6.3; Is 30.1; Ne 9.30; Ez 8.3,6.

Você tem resistido ao Espírito Santo? Israel, o povo de Deus, fez isso por rebeldia contumaz e o Espírito do Senhor tornou-se inimigo deles e passou a lutar contra eles. Que relato terrível e condenatório! (Is 63.10).

 

II. AGRAVO AO ESPÍRITO SANTO

 

Acostumados como estavam ao culto levítico, e sob perseguição por causa do evangelho de Cristo, os cristãos de origem judaica começaram a deixar a igreja e a retornar ao judaísmo centrado no Templo em Jerusalém. Em Hebreus 10.29, eles são incisivamente exortados a não fazê-lo: “De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue do testamento, com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça?”.

Aqueles irmãos cometeram três horrendos pecados: o de pisar o filho de Deus; o de ter por comum o sangue da aliança; e o de agravar o Espírito Santo. Agravar, como aqui é empregado é afrontar, ultrajar, debochar, zombar, injuriar, insultar com desdém.

 

III. ENTRISTECER O ESPÍRITO SANTO

 

Na Epístola aos Efésios, exorta-nos Paulo: “E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o Dia da redenção. Toda amargura, e ira, e cólera, e gritaria, e blasfêmias, e toda malícia seja tirada de entre vós” (Ef 4.30,31).

1. Tristeza do Espírito Santo. O vocábulo original tem a ver com agravo, dor, aflição, angústia. Diante desta recomendação do apóstolo Paulo, um teólogo asseverou: “O Espírito, que faz os homens experimentarem a verdade, é envergonhado quando os santos mentem uns para os outros e têm conversas vãs”.

2. O que pode entristecer o Espírito Santo. Matthew Henry responde: “Toda conversação maligna e corrupta, que estimule os desejos pecaminosos e a luxúria, contrista o Espírito Santo”. O Espírito Santo também é entristecido quando, desprezando a vontade divina, preferimos seguir nossos desejos e ambições; quando o cristão não reverencia a sua presença manifesta e ignora a sua voz; quando não busca a sua vontade e direção.

 

IV. MENTIR AO ESPÍRITO SANTO

 

A mentira ao Espírito Santo está categoricamente exemplificada na passagem em que Pedro, pelo Espírito Santo, denuncia a mentira de Ananias e Safira: “Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo e retivesses parte do preço da herdade?” (At 5.3). Vejamos o que significa este tipo de pecado:

1. O sentido da palavra “mentira” em Atos 5.3. Aqui, o termo original corresponde a contar uma falsidade como se fosse verdade. Ananias e Safira, certamente, ensaiaram esta mentira, como pode ser visto no versículo 9.

2. As implicações de se mentir ao Espírito Santo. Quem mente ao Espírito Santo, menospreza a sua deidade; Ele é Deus (vv.3,4). Como a Terceira Pessoa da Santíssima Trindade, Ele é onisciente, onipresente e onipotente. Isso significa que o Espírito Santo tudo sabe e tudo conhece. Logo, mentir e tentar o Espírito do Senhor (v.9), é testar a tolerância de Deus, isto é, pecar até enquanto Deus suportar. Ver Nm 14.22,23; Dt 6.16; Mt 4.7.

 

V. EXTINGUIR O ESPÍRITO SANTO

 

Paulo escrevendo aos irmãos de Tessalônica, exortou-os: “Não extingais o Espírito” (1 Ts 5.19). Tem-se a impressão de que aquela igreja, esquecendo-se de seu primeiro fervor (1 Ts 1.2,3,7), tornara-se formalista; sua liturgia começava a extinguir o Espírito Santo. Se por um lado, não podemos concordar com as meninices e fanatismos; por outro, não haveremos de nos conformar ao mero ritualismo, pois sempre resulta na supressão e extinção das operações do Espírito Santo em nosso meio.

1. O que é extinguir o Espírito. O termo traduzido por “extinguir” referente ao Espírito Santo, tem o sentido colateral de apagar aos poucos uma chama, um fogo que está a arder. Portanto, extinguir o Espírito é agir de modo a impedir, suprimir ou limitar a manifestação do Espírito do Senhor. Quando se perde o primeiro amor, extinguimos ou apagamos de nossas vidas o Espírito de Cristo (Ap 2.4).

2. O perigo de se extinguir o Espírito. A extinção das operações do Espírito Santo na vida da igreja quando não é letal, a adoece e debilita, sem que ninguém o perceba. Mais tarde, resta somente a lembrança do passado quando o fogo do céu ardia. Sempre que for detectada a falta de operações do Espírito Santo em nosso meio, devemos clamar a Deus sem cessar por um avivamento espiritual. A extinção do Espírito Santo leva a igreja a mornidão espiritual (Ap 3.14-22).

 

VI. BLASFEMAR CONTRA O ESPÍRITO SANTO

 

1. O que é blasfemar contra o Espírito Santo? Encontrava-se o Senhor Jesus numa sinagoga em Cafarnaum, a sua cidade, quando lhe trouxeram um endemoninhado cego e mudo. Jesus por sua compaixão libertou totalmente o homem possesso. Os fariseus alegaram que Ele operara tal milagre pelo poder do chefe dos demônios. Era o cúmulo do pecado deles contra o Espírito Santo (Mt 12.24). Jesus lhes disse: “Todo pecado e blasfêmia se perdoará aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada aos homens. E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do Homem, ser-lhe-á perdoado, mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste século nem no futuro” (Mt 12.31,32; Mc 3.28-30; Lc 12.10).

Os adversários de Jesus blasfemavam contra Ele e o Espírito Santo, declarando consciente, proposital e seguidamente que Jesus operava milagres pelo poder de Satanás, o chefe dos demônios (Mt 9.32-34; 12.22-24; Mc 3.22; Lc 11.14,15). Com essa blasfêmia, eles estavam rejeitando de modo deliberado o Espírito Santo que operava em Jesus, o Messias (Mt 12.28; Lc 4.14-19; Jo 3.34; At 10.38).

2. A blasfêmia contra o Espírito Santo é imperdoável. O ser humano pode chegar a tal cegueira espiritual a ponto de blasfemar contra o Espírito. Ver Mt 23.16,17,19,24,26. A blasfêmia contra o Espírito de Deus é a conseqüência de pecado similares que a precedem, como: (1) Rebelar-se e resistir ao Espírito (Is 63.10; At 7.51); (2) Abafar e apagar o fogo interior do Espírito (1 Ts 5.19; Gn 6.3; Dt 29.18-21; 1 Ts 4.4); (3) Endurecimento total do coração, cauterização da consciência e cegueira total. Chegando o ser humano a este ponto, torna-se réprobo quanto à fé (2 Tm 3.8) e passa a chamar o mal de bem e o bem de mal (Is 5.20). A blasfêmia contra o Espírito do Senhor é imperdoável porque sendo Ele o que nos convence do pecado, da justiça e do juízo (Jo 16.7-11), e, que intercede por nós (Rm 8.26,27), é recusado, rejeitado e blasfemado. Ver 1 Sm 2.25.

 

CONCLUSÃO

 

O Movimento Pentecostal somente poderá lograr bom êxito em qualidade e quantidade se nos mantivermos nos padrões da sã doutrina e revestidos do poder do alto. Poder de baixo, humano, terreno, não temos falta; mas necessitamos sempre do poder do alto, que põe a igreja em marcha (Lc 24.49). É impensável o pentecostalismo sem o Espírito Santo. Portanto, não podemos cometer nenhum pecado contra Ele. Se o fizermos, poderemos comprometer, fatalmente, o nosso destino eterno. Que o Senhor nos ajude a sermos sadios na fé, maduros no entendimento e zelosos na manutenção da chama do autêntico avivamento espiritual.

 

VOCABULÁRIO

 

Asseverar: Afirmar com certeza, segurança; assegurar.
Cauterizar: Figura de insensibilidade.
Cerviz: A parte posterior do pescoço; rebeldia; desobediência.
Contumaz: Teimosia; obstinação.
Incircunciso: Rito hebraico de iniciação; rebeldia; dureza de coração.
Incisivo: Decisivo, pronto, direto, sem rodeios.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

HODGE, K. A mente renovada por Deus. RJ: CPAD, 2002.
LUTZER, E. W. Deixando seu passado para trás. RJ: CPAD, 2005.
PETHRUS, L. O vento sopra onde quer. 3.ed., RJ: CPAD, 1999.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Em que consistem os pecados contra o Espírito Santo?

R. Em palavras, atitudes e atos.

 

2. Que significa resistir o Espírito Santo?

R. É recusar, de forma consciente, a vontade divina transmitida pelo Espírito Santo mediante a Palavra de Deus e por meio de seu trabalhar em nossos corações.

 

3. Por que a blasfêmia contra o Espírito Santo é um pecado sem perdão?

R. Porque sendo Ele o que nos convence do pecado, da justiça e do juízo, e, que intercede por nós, é recusado, rejeitado e blasfemado.

 

4. O que pode entristecer o Espírito Santo?

R. Toda conversação maligna e corrupta, que estimule os desejos pecaminosos e a luxúria, entristece o Espírito Santo.

 

5. O que leva a extinção da manifestação do Espírito Santo?

R. A extinção do Espírito Santo leva a igreja a mornidão espiritual (Ap 3.14-22).

 

AUXÍLIOS SUPLEMENTARES

 

Subsídio Devocional

 

“O Pecado Imperdoável

Cristo falou de um pecado imperdoável, mas o que estava querendo dizer? Que pecado é esse? Os fariseus viam os milagres de Cristo e os atribuíam a Satanás. Cristo observou que a conclusão deles era ilógica (Mt 12.31,32). Satanás jamais pensaria em expulsar seus próprios cúmplices. Satanás não expulsa Satanás. Só uma pessoa mais forte do que ele poderia expulsá-lo. O pecado imperdoável foi cometido quando os líderes espirituais colocaram-se entre Cristo e o povo comum que estava desejoso de aceitar os milagres de Jesus, considerando-os legítimos. No contexto do Novo Testamento, esse pecado era o de uma nação incrédula que havia perdido a sensibilidade espiritual e resolvido rejeitar o Messias de Deus. É necessário crer para ser perdoado! Os fariseus que rejeitaram as credenciais de Cristo estavam se excluindo do reino dos céus por incredulidade. [...] Se você está preocupado, pensando que cometeu esse pecado imperdoável, tenha certeza de que não o cometeu. Sua sensibilidade prova que Deus está trabalhando em seu coração. Aqueles que cometem um pecado imperdoável não têm interesse algum no relacionamento com Ele” (LUTZER, E. W. Deixando seu passado para trás. RJ: CPAD, 2005, p.45-6.).