Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

4º Trimestre de 2006

 

Título: As verdades centrais da Fé Cristã

Comentarista: Claudionor Corrêa de Andrade

 

 

Lição 2: Deus, O Ser Supremo por excelência

Data: 8 de Outubro de 2006

 

TEXTO ÁUREO

 

Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR(Dt 6.4).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Criador dos céus, da terra e do ser humano, o Senhor Deus é o Ser Supremo por excelência.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Jo 3.33

Deus é verdadeiro

 

 

Terça - Jo 4.24

Deus é Espírito

 

 

Quarta - 1 Jo 1.5

Deus é luz

 

 

Quinta - 1 Jo 4.8

Deus é amor

 

 

Sexta - Dt 32.4

Deus é a verdade

 

 

Sábado - 2 Co 9.8

Deus é poderoso

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Salmos 33.1-12.

 

1 - Regozijai-vos no SENHOR, vós, justos, pois aos retos convém o louvor.

2 - Louvai ao SENHOR com harpa, cantai a ele com saltério de dez cordas.

3 - Cantai-lhe um cântico novo; tocai bem e com júbilo.

4 - Porque a palavra do SENHOR é reta, e todas as suas obras são fiéis.

5 - Ele ama a justiça e o juízo; a terra está cheia da bondade do SENHOR.

6 - Pela palavra do SENHOR foram feitos os céus; e todo o exército deles, pelo espírito da sua boca.

7 - Ele ajunta as águas do mar como num montão; põe os abismos em tesouros.

8 - Tema toda a terra ao SENHOR; temam-no todos os moradores do mundo.

9 - Porque falou, e tudo se fez; mandou, e logo tudo apareceu.

10 - O SENHOR desfaz o conselho das nações; quebranta os intentos dos povos.

11 - O conselho do SENHOR permanece para sempre; os intentos do seu coração, de geração em geração.

12 - Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o SENHOR, e o povo que ele escolheu para a sua herança.

 

PONTO DE CONTATO

 

Caro professor, é um privilégio singular estudarmos as doutrinas principais da Bíblia. No entanto, é conveniente que o mestre não abuse do “teologismo”, ou seja, da linguagem e dos princípios teológicos. O principal propósito do ensino da Teologia na Escola Dominical, não é a exibição da capacidade intelectual do educador, mas o maravilhoso encontro do educando com Cristo, “em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência” (Cl 2.2,3). Assim sendo, o professor não é um mero detentor do conhecimento, mas um agente, que tanto ouve quanto fala a Palavra de Deus aos seus alunos, a fim de conduzi-los à verdade eterna.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Distinguir, dentre os atributos divinos, os morais dos naturais.
  • Classificar os atributos transcendentes de Deus.
  • Explicar a necessidade da revelação de Deus na Escritura.

 

SÍNTESE TEXTUAL

 

As Escrituras Sagradas afirmam que a natureza essencial de Deus não pode ser plenamente conhecida pela criatura (Êx 33.20; Jó 11.7; Is 40.28; Jo 1.18; 1 Tm 6.16; 1 Jo 3.2). No entanto, Deus se auto-revelou por meio da criação — Revelação Geral (Sl 8; 19; 148; Rm 1.19-21; 2.25,16); através do Verbo Encarnado (Jo 1.1, 14, 17, 18; 14.8,9; Hb 1.1-3) e pelas Escrituras — Revelação Especial (2 Tm 3.16; Sl 119.33-40).

A natureza e o caráter de Deus foram manifestados através dos seus nomes e atributos. Os nomes de Deus revelam a sua natureza singular, enquanto os seus atributos, o seu caráter santíssimo (Gn 22.14; Êx 15.26; Sl 139).

Quanto à natureza de Deus, a Bíblia afirma que o Senhor é “Espírito” (Jo 4.24; 2 Co 3.17; Is 31.1).

Sendo Deus espírito, dotado de todos os atributos pessoais, a Bíblia afirma que Ele: não é homem (Nm 23.19; Os 11.7; Ml 3.6; Dt 4.1); não possui “carne e ossos” (Lc 24.39; Nm 23.19; Os 11.9; Jo 5.37); e, que sua sublime glória é inacessível e insondável (1 Tm 6.16; Cl 1.15; Jo 1.18; 1 Jo 3.2). No entanto, podemos: conhecê-lo (Os 6.3); amá-lo (Lc 10.27); adorá-lo e servi-lo (Mt 4.10; Jo 4.24).

 

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA

 

Caro professor, na cultura hebraica, o nome revelava o caráter de quem o possuía, isto é, sua natureza íntima (1 Sm 25.25; Gn 25.26; 32.28; 35.10). Da mesma forma, os nomes de Deus encontrados nas Escrituras, confirmam seus atributos e sua natureza gloriosa. Portanto, para esta lição, elabore uma “Tabela Demonstrativa dos Nomes Divinos”. Esse recurso possibilitará ao educando uma apreciação do caráter e da natureza de Deus mediante o estudo de seus nomes. Ao apresentar os nomes divinos, não se esqueça de explicá-los de acordo com o contexto histórico, e de aplicá-los ao cotidiano dos alunos. Reproduza a tabela abaixo de acordo com os recursos disponíveis.

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Atributo: Os nomes de Deus indicam a sua natureza; os atributos, o seu caráter.

 

Inimigo irreconciliável da religião, Voltaire surpreende-nos com esta afirmação: “Se Deus não existisse, seria necessário inventá-lo”. O pensador francês buscou enfatizar, com o seu estilo nada reverente, que Deus é absolutamente necessário; sem Ele nada seria possível. Infelizmente, não são poucos os que, do alto de sua tolice, professam não acreditar na realidade do Todo-Poderoso.

Nesta lição, mostraremos ser a existência de Deus algo não somente provado como inerente à alma humana. Nosso objetivo não é analisar a Deus; é registrar o que a Bíblia declara acerca de sua natureza e atributos. Aliás, quem jamais poderia analisar um ser infinito, eterno e que existe por si mesmo? Por isso, todas as afirmações que fizermos concernentes a Deus terão como base não a vã filosofia; e, sim, a Bíblia Sagrada.

 

I. QUEM É DEUS

 

No Salmo 33, que nos serve de leitura bíblica em classe, o escritor sagrado discorre de um modo maravilhoso sobre os atributos e as obras de Deus. Utilizando-se de uma poesia elevadíssima, sintetiza um conhecimento essencial sobre o Todo-Poderoso; um conhecimento, aliás, que nos obrigaria a despender milhares de páginas. No entanto, o autor sagrado declara, em poucas sentenças, o que Deus é, o que Ele fez e o que continua a fazer.

1. Definição lingüística. A palavra Deus é a tradução do vocábulo hebraico ’ĕlōhim; no grego, temos a palavra theos. ’Ĕlōhim é um substantivo plural que, tendo em vista determinados contextos, encerra este princípio: a existência da Santíssima Trindade.

2. Definição teológica. Em nosso Dicionário Teológico, damos a seguinte definição de Deus: “Ser Supremo, absoluto e infinito por excelência; criador dos céus e da terra (Gn 1.1); eterno e imutável (Is 26.4); onipotente, onisciente e onipresente (Jó 42.2; Sl 139). Deus é espírito (Jo 4.24). Ser incriado, é a razão primeira de tudo quanto existe”.

 

II. A EXISTÊNCIA DE DEUS

 

Alguém declarou que Deus é a melhor prova de si mesmo. Como referendar a existência de Deus se esta acha-se patente em todas as coisas? Ler Rm 1.19-21. Quando os santos escritores, inspirados pelo Espírito Santo, puseram-se a registrar a revelação divina, nenhuma preocupação tiveram eles em provar a existência de Deus. Pois o Todo-Poderoso fazia parte de seu cotidiano; era inconcebível viver sem Ele ou à parte dEle. Leia com atenção o Salmo 26.

Os que se dizem ateus, quer teóricos quer práticos, não passam de tolos conforme canta o salmista: “Disseram os néscios no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem” (Sl 14.1).

 

III. A REVELAÇÃO ESPECIAL DE DEUS

 

C. S. Lewis ao tratar da revelação especial de Deus, afirmou: “Deus nunca se faz de filósofo diante de uma lavadeira”. O que o escritor inglês busca enfatizar nessa frase tão profundamente simples? Deus deseja revelar-se ao ser humano, pois ama-o com um amor eterno. Amando-nos como nos ama, utiliza-se Ele de uma linguagem que todos podemos entender (Hb 1.1-3). Não me refiro apenas à natureza, à consciência ou à complexidade de nosso corpo que, de forma bem patente, revelam-nos a sua existência; refiro-me também às Sagradas Escrituras. Por isso, tanto o filósofo quanto à lavadeira, que se arrependem de seus pecados e lêem a Bíblia, sentem que Deus lhes fala clara, profunda e redentivamente. Vejamos, pois, o que é a revelação divina.

1. Definição lingüística. A palavra revelação provém do latim revelatione e significa: revelar, tirar o véu, descobrir (2 Co 3.16).

2. Definição teológica. Ação divina que comunica aos homens os desígnios de Deus e as verdades que estes envolvem (1 Co 2.10). A Bíblia é assim considerada por conter a revelação definitiva e acabada de Deus acerca de seus planos em relação à humanidade. É através dela que passamos a conhecer redentivamente a Deus (2 Tm 3.15-17).

 

IV. NATUREZA ESSENCIAL DE DEUS

 

A natureza essencial de Deus é um assunto demasiadamente complexo (Sl 139.6). Deparando-se com tal dificuldade, confessa Tomás de Aquino: “O máximo que conhecemos de Deus é nada em relação ao que Ele é”. Vejamos, porém, o que é possível saber acerca de sua natureza essencial. Entre os seus atributos naturais ou transcedentais, podemos mencionar: asseidade, espiritualidade, imensidade, imutabilidade e eternidade.

1. Asseidade. Atributo natural, absoluto e incomunicável de Deus, segundo o qual Ele existe por si mesmo. Ele não depende de nenhum outro ser para existir ou para continuar existindo; Ele tem vida em si mesmo (Jo 5.26).

2. Espiritualidade. Deus é espírito, afirmou o Senhor Jesus à mulher samaritana (Jo 4.24). Nesta definição essencial de Deus, aprendemos algo muito importante: Deus é um espírito puro e simples. Ele é o que é. Sendo espírito, transcende o mundo material; com este, porém, mantém um relacionamento redentivo (Jo 5.37).

3. Imensidade. Atributo exclusivo de Deus, que o faz transcender a todos os limites quer do mundo físico, quer do espiritual, ou do celestial (Is 57.15).

4. Imutabilidade. Qualidade exclusiva do Supremo Ser, que o torna imune às mudanças quer de natureza qualitativa, quer de natureza moral; sua bondade é infinita (Tg 1.17). Há uma íntima relação entre a sua bondade e imutabilidade. Quando Jesus afirmou que Deus é bom, quis deixar bem claro que Ele não pode ser melhor do que é (Mc 10.18).

5. Eternidade. Como o Ser Eterno por excelência, Deus sempre existiu e sempre haverá de existir; não teve início nem terá fim (Sl 90.2).

 

V. ATRIBUTOS IMANENTES E MORAIS DE DEUS

 

No tópico anterior, estudamos os atributos naturais ou transcendentes de Deus. A seguir, veremos as qualidades através das quais entra Ele em contato com o mundo criado: os atributos imanentes e os atributos morais do Supremo Ser.

1. Atributos imanentes de Deus. Onipotência, onipresença e onisciência (Jó 42.2; Sl 139; 44.21). Isto significa que Deus pode todas as coisas, encontra-se em todos os lugares ao mesmo tempo e de tudo tem ciência. Que Deus pode todas as coisas, não há dúvidas; mas nada fará que contrarie a sua natureza justa e santa.

2. Atributos morais de Deus. Os atributos morais de Deus podem e devem ser possuídos por todos os seus servos: Santidade, justiça, misericórdia, sabedoria e amor.

Deus é santo e exige que todos os seus servos também o sejam (Lv 19.2). Ele é justo e deseja que, de igual modo, o sejamos (1 Jo 3.7). Ele é misericordioso e reivindica que assim ajamos (Cl 3.12). Deus é sábio e conosco reparte a sua sabedoria (Tg 1.5). E se Ele amou-nos com um amor eterno, devemos também nos amar uns aos outros (1 Jo 4.8).

 

CONCLUSÃO

 

No curto espaço de que dispomos, é-nos impossível explorar exaustivamente um assunto tão imensurável a nós mortais: a realidade do Supremo Ser. Acredito, porém, que todos já nos conscientiza-mos da grandeza e da infinitude de Deus. Sendo Ele, porém, o que é, não nos despreza: revelou-nos o seu grande amor, enviando o seu Filho Jesus Cristo para morrer em nosso lugar. E, assim, passamos a conhecê-lo redentivamente. Não é possível conhecer completamente a Deus; entretanto, é possível conhecê-lo verdadeiramente (Jó 42.5).

 

VOCABULÁRIO

 

Imanente: Característica divina mediante a qual Deus torna-se conhecido pelo homem mediante os atributos morais.
Transcendente: Característica divina mediante a qual o ser de Deus não é comunicável às suas criaturas morais.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

HORTON, S. M. Teologia Sistemática: uma perspectiva pentecostal. RJ: CPAD, 1996.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Como podemos definir a Deus?

R. Ser Supremo, absoluto e infinito por excelência; criador dos céus e da terra (Gn 1.1); eterno e imutável (Is 26.4).

 

2. Qual o significado teológico da revelação de Deus?

R. Ação divina que comunica aos homens os desígnios de Deus.

 

3. Quais são os atributos naturais de Deus?

R. Asseidade, espiritualidade, imensidade, imutabilidade e eternidade.

 

4. Quais são os atributos imanentes de Deus?

R. Onipotência, onipresença e onisciência.

 

5. Quais são os atributos morais de Deus?

R. Santidade, justiça, misericórdia, sabedoria e amor.

 

AUXÍLIOS SUPLEMENTARES

 

Subsídio Teológico

 

“As Obras de Deus.

Outro aspecto da doutrina de Deus que requer a nossa atenção é o das suas obras. Este aspecto pode ser dividido em: 1) seus decretos; 2) sua providência e 3) conservação.

1. Decretos. Os decretos divinos são o seu plano eterno que, em virtude de suas características, faz parte de um só plano, que é imutável e eterno (Ef 3.11; Tg 1.17). São independentes e não podem ser condicionados de nenhuma maneira (Sl 135.6). Têm a ver com as ações de Deus, e não com a sua natureza (Rm 3.26). Dentro desses decretos, há as ações praticadas por Deus, pelas quais tem Ele responsabilidade soberana; e também as ações das quais Ele, embora permitam que aconteçam, não é responsável. Baseado nessa distinção, torna-se possível concluir que Deus nem é autor do mal (embora seja o criador de todas as criaturas subalternas), nem é a causa derradeira do pecado.

2. Conservação e Providência. Deus está sustentando ativamente o mundo que criou. Na conservação, Ele sustenta a criação através de leis estabelecidas (At 17.25). Na providência, Ele controla todas as coisas existentes no Universo, com o propósito de levar a efeito seu plano sábio e amoroso, de forma que não venha a interferir na liberdade de suas criaturas (Gn 20.6; 50.20; Jó 1.12; Rm 1.24)”.

(JOYNER, R. O Deus único e verdadeiro. In HORTON, S. M. Teologia Sistemática: uma perspectiva pentecostal. RJ: CPAD, 1996)