Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

2º Trimestre de 2007

 

Título: Tempos Trabalhosos - Como enfrentar os desafios deste século

Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima

 

 

Lição 1: Tempos trabalhosos para a Igreja

Data: 08 de Abril de 2007

 

TEXTO ÁUREO

 

Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos(2 Tm 3.1).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Nestes últimos dias, a Igreja tem de se mostrar sempre vigilante e alicerçada na Bíblia Sagrada para combater, eficazmente, as forças do mal que se levantam contra o evangelho de Cristo.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Dn 12.10

Os salvos serão provados

 

 

Terça - Fp 1.29

Fé com sofrimento

 

 

Quarta - 2 Ts 2.7

O “mistério da injustiça” já atua no mundo

 

 

Quinta - Ap 3.20

Jesus do lado de fora da igreja

 

 

Sexta - 1 Tm 6.10

Desviados por amor ao dinheiro

 

 

Sábado - 1 Co 13.6

O amor não folga com a injustiça

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

1 Timóteo 4.1-4; 2 Timóteo 3.1,2.

 

1 Timóteo 4

1 - Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios,

2 - pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência,

3 - proibindo o casamento e ordenando a abstinência dos manjares que Deus criou para os fiéis e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;

4 - porque toda criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças.

 

2 Timóteo 3

1 - Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos;

2 - porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos.

 

INTERAÇÃO

 

Caro professor, inicie a primeira aula deste trimestre apresentando aos alunos o tema geral das Lições Bíblicas: “Tempos trabalhosos: como enfrentar os desafios deste século”. Comente que as treze lições analisam os principais desafios enfrentados pela Igreja de Cristo e, portanto, é necessário que todos os educandos adquiram suas lições e acompanhem assiduamente as exposições didáticas, a fim de que compreendam os desafios da sociedade pós-moderna à luz dos princípios absolutos da Palavra de Deus. Fale também sobre o comentarista, Pr. Elinaldo Renovato - Pr. Presidente da Assembléia de Deus de Parnamirim, RN, professor universitário, bacharel em Ciências Econômicas e autor de diversas obras editadas pela CPAD. Deus abençoe ricamente a sua vida e a de seus alunos durante o segundo trimestre de Lições Bíblicas (Js 1.6-9).

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Descrever as características dos últimos tempos.
  • Contestar os modismos doutrinários.
  • Definir o sentido bíblico de apostasia.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, nesta primeira lição, faça um organograma das lições que estudaremos durante o trimestre. Trata-se de um quadro que relaciona os conceitos (sinopse), as atitudes (o que fazer) e os valores (o que ser) necessários à vida cristã integral. Os objetivos são: apresentar uma síntese de todo o conteúdo do trimestre, recapitular os pontos fundamentais das lições, e reafirmar os conceitos e procedimentos necessários à vida cristã. No gráfico abaixo, há um modelo que você deve complementar, conforme o desenvolvimento do trimestre. Use materiais variados e coloridos de acordo com os recursos disponíveis e exponha o gráfico em sua classe.

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Apostasia: Abandono premeditado e consciente da fé cristã.

 

Como podemos depreender do texto sagrado, Deus sempre alertou o seu povo quanto aos perigos que nos rondam (Mt 10.16; Jo 16.33; Lc 21.16). A mensagem que Paulo escreveu em sua primeira carta a Timóteo, base da presente lição, trata das dificuldades pelas quais a Igreja haveria de passar em seus primórdios e, ao mesmo tempo, projeta-se para os tempos que antecederiam o retorno de Cristo.

 

I. CARACTERÍSTICAS DOS ÚLTIMOS TEMPOS (1 Tm 4.1-5)

 

1. Apostasia. “Mas o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores e a doutrinas de demônios” (1 Tm 4.1). A apostasia constitui-se no abandono premeditado e consciente da fé cristã; é uma característica marcante dos últimos tempos, conforme alerta-nos Paulo.

a) Apostasia na igreja. De acordo com a Bíblia de Estudo Pentecostal, há dois tipos de apostasia: a teológica e a moral. Na primeira, observam-se desvios doutrinários. Na segunda, comportamentos contrários à santidade requerida por Deus em sua Palavra (Hb 12.14; 1 Pe 1.15,16).

A Igreja tem testemunhado muitos casos de apostasia entre os santos. À medida que se aproxima a vinda de Jesus, o número de apóstatas aumenta preocupantemente. O evangelho da cruz, com o desafio de sofrer por Cristo (Fp 1.29), de renunciar ao pecado (Rm 8.13), de sacrificar-se pelo Reino de Deus e de renunciar a si mesmo, vem sofrendo constantes e impiedosos ataques (Mt 24.12; 2 Tm 3.1-5; 4.3). A Bíblia afirma que, nos dias que antecedem a manifestação do Anticristo, ocorrerá uma grande onda de apostasias (2 Ts 2.3,4). É hora de redobrar a vigilância.

b) A desvalorização da Bíblia. Inspirados em teologias liberais, há crentes que não mais vêem a Bíblia como a inspirada, inerrante e infalível Palavra de Deus - nossa única regra de fé e prática. Alguns chegam a ensinar que a Bíblia não é a Palavra de Deus, mas apenas a contém. Leia com toda atenção 2 Tm 3.16. A própria Bíblia nos adverte com toda clareza, sobre esse tempo (2 Ts 2.3).

2. Apostasia como sinal da volta de Jesus. De acordo com a Bíblia, a apostasia é um dos mais fortes sinais concernentes à volta de Cristo (Lc 18.8; 1 Jo 2.18; 2 Ts 2.7).

a) Super-crentes. Para que se tenha idéia do alcance da apostasia, vejamos também o que andam ensinando os falsos mestres e doutores: “Satanás venceu Jesus na cruz”; “Nunca, jamais, em tempo algum, vá ao Senhor dizendo: Se for da tua vontade... Não permita que essas palavras destruidoras da fé saiam de sua boca”; “Deus precisa receber permissão para trabalhar neste reino terrestre do homem... Sim”; “Você está no controle das coisas!”.

Infelizmente, há muitos incautos dispostos a aceitar semelhantes blasfêmias. Não nos enganemos: Deus está no controle de tudo e não precisa de permissão humana para atuar quer na história das nações quer na vida de cada um de nós. Ele é soberano e tudo tem de ser feito de acordo com a sua vontade. Quanto ao Diabo, foi este vencido para sempre na cruz. Aleluia!

b) Perdoar a Deus! Alguns falsos doutores chegam ao cúmulo de ensinar que se deve perdoar inclusive a Deus, pois, às vezes, Ele não cumpre suas palavras, causando ressentimentos nos que o buscam. Por isso, segundo recomendam, devemos submeter-nos à chamada “cura interior” e à “regressão espiritual”. Ora, os tais doutores deveriam saber que a Palavra de Deus é infalível e que Deus é Santo. Por conseguinte, quem precisa de perdão e arrependimento é o homem e não o Todo-Poderoso. Portanto, seja Deus verdadeiro e todo homem mentiroso (Rm 3.4).

c) Culto aos anjos. Há muitos crentes iludidos adorando os anjos (Cl 2.18). Infelizmente, há pregadores que só iniciam a pregação depois de pedir a presença dos anjos e, com isso, iludem os simples. Isso é apostasia! Os anjos também são servos de Deus; sua missão é atuar em prol dos que hão de herdar a vida eterna (Hb 1.14). E além do mais, recusam adoração (Ap 19.10).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Os dois tipos de apostasia são: teológica e moral. A primeira refere-se aos desvios doutrinários. A segunda, aos comportamentos opostos à santidade divina.

 

II. HIPOCRISIA E INSENSIBILIDADE ESPIRITUAL

 

1. O que é hipocrisia? Hipocrisia é “impostura, fingimento, simulação, falsidade, falsa devoção”. “... o Espírito expressamente diz que, nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, (...) pela hipocrisia de homens que falam mentiras” (1 Tm 4.1,2a). E quem é o pai da mentira? É o Diabo (Jo 8.44). Portanto, os mentirosos serão lançados no lago de fogo (Ap 21.8).

a) Lobos fantasiados de ovelhas. Os hipócritas aparentam uma coisa, mas são outra (At 20.29,30). Fingem-se de cristãos, mas servem ao Diabo; fingem-se de santos, mas são pecadores inveterados. Estão na igreja, mas não fazem parte da Igreja de Cristo. Suas intenções são malignas.

b) Principais características. Os hipócritas gostam de ser glorificados pelos homens (Mt 6.2), pois dos homens buscam a glória. Eles contribuem financeiramente, mas não são sinceros para com Deus. Jesus condena os que assim procedem (Mt 23.23).

2. O que é insensibilidade espiritual? O texto bíblico é enfático: “Apostatarão alguns da fé (...) tendo cauterizada a sua própria consciência” (1 Tm 4.2b). Cauterizar, segundo o dicionário, é utilizar um meio químico, ou ferro incandescente, para destruir a sensibilidade de um tecido orgânico. Quando a consciência fica cauterizada, o homem age como os animais, apenas instintivamente.

Conta-se que uma jovem crente engravidara-se do namorado. A mãe repreendeu-a, levando o caso ao pastor. Uma irmã, porém, desaprovou aquela mãe: “Você não devia ter feito isso; bastava encaminhar sua filha para um aborto e tudo estaria resolvido. O pastor não precisava saber de nada”. Alguém pode esconder-se do pastor, mas de Deus ninguém se esconde (Sl 139.7-12). Cuidado com o relativismo moral; a Bíblia lida com valores absolutos e inegociáveis: o que é pecado é sempre pecado.

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

A hipocrisia e a insensibilidade espiritual são dois comportamentos sociais e proféticos que antecedem a vinda de Jesus.

 

III. PROLIFERAÇÃO DA REBELIÃO CONTRA DEUS (2 Tm 3.1-9)

 

1. “Homens amantes de si mesmos”. Jesus ensinou que o maior dos mandamentos é amar a Deus de todo o coração; o segundo, semelhante ao primeiro, é amar ao próximo como a si mesmo (Mt 22.35-39). Nestes tempos trabalhosos, porém, o amor próprio e egoísta está matando o amor a Deus e ao próximo. Esse tipo de amor nega as verdadeiras dimensões do amor cristão.

2. Homens “avarentos” (v.2). As Escrituras afirmam que a avareza é idolatria (Cl 3.5). O pecado da avareza se manifesta no amor e culto ao dinheiro e ao materialismo (Ef 5.5; 1 Tm 6.10). Em Romanos 1.29, o pecado da avareza é arrolado juntamente com a prostituição e o homicídio.

Eis porque a Bíblia adverte acerca dos falsos mestres que, movidos pela avareza, se utilizam de fábulas engenhosas para auferir lucros e enganar a Igreja de Deus (2 Pe 2.3; 1.16). Os falsos mestres e doutores são considerados malditos pela Palavra de Deus (2 Pe 2.14).

3. Homens “presunçosos” (v.2). Presunção é vaidade. Os presunçosos e ingratos para com Deus agem como Israel: ao prosperarem, dão “coices”; viram as costas a Deus (Dt 32.15). Eles passam a agir como se Deus não existisse. Amam mais a vida presente do que os bens eternos.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

A rebelião contra Deus se acentua por meio do individualismo, da avareza, da presunção e do orgulho.

 

CONCLUSÃO

 

Nesses tempos trabalhosos, precisamos orar e vigiar com mais seriedade, para que não sejamos tragados pela onda de apostasia e insensibilidade espiritual. Somente com um profundo quebrantamento espiritual, e uma vida sempre renovada no Espírito (2 Co 4.16), poderemos estar em condições de aguardar a vinda de Jesus de modo santo e de conformidade com a sua Palavra.

 

VOCABULÁRIO

 

Longínquo: Afastado, distante; futuro.
Ortodoxia: Absoluta conformidade com um princípio ou doutrina.
Regressão espiritual: Falso tratamento que mistura teologia, psicologia e hipnose, para descobrir um evento traumático responsável pelo sofrimento e bloqueios emocionais e espirituais que impedem o crescimento do indivíduo.
Teologia Liberal: Corrente teológica que nega, entre outras coisas, a inspiração e a inerrância das Escrituras.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

ARRINCTON, F. L.; STRONSTAD, R. Comentário bíblico pentecostal: Novo Testamento. 2.ed., RJ: CPAD, 2004.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Em que se constitui a apostasia?

R. No abandono premeditado e consciente da fé cristã.

 

2. Quais os tipos de apostasia?

R. Apostasia teológica e moral.

 

3. Qual o significado da palavra “hipocrisia”?

R. Impostura, fingimento, simulação, falsidade.

 

4. O que aconteceu quando a consciência fica cauterizada?

R. O homem age como os animais, apenas instintivamente.

 

5. Como se manifesta o pecado da avareza?

R. No amor e culto ao dinheiro e ao materialismo.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“A Apostasia Pessoal (Hb 3.12)

A apostasia (gr. apostasia) aparece duas vezes no NT como substantivo (At 21.21; 2 Ts 2.3) e, aqui em Hb 3.12, como verbo (gr. aphistemi, traduzido por ‘apartar’). O termo grego é definido como ‘decair, deserção, rebelião, abandono, retirada ou afastar-se daquilo a que antes se estava ligado’.

1. Significado de apostasia. Apostatar significa cortar o relacionamento salvífico com Cristo, ou apartar-se da união vital com Ele e da verdadeira fé nEle. Sendo assim, a apostasia individual é possível somente para quem já experimentou a salvação, a regeneração e a renovação pelo Espírito Santo (Lc 8.13; Hb 6.4,5); não é simples negação das doutrinas do NT pelos inconversos dentro da igreja visível. A apostasia pode envolver dois aspectos distintos, embora relacionados entre si: (a) a apostasia teológica, isto é, a rejeição de todos os ensinos originais de Cristo e dos apóstolos ou alguns deles (1 Tm 4.1; 2 Tm 4.3); e (b) a apostasia moral, ou seja, aquele que era crente deixa de permanecer em Cristo e volta a ser escravo do pecado e da imoralidade (Is 29.13; Mt 23.25-28; Rm 6.15-23; 8.6-13).

2. Advertência bíblica. A Bíblia adverte fortemente quanto à possibilidade da apostasia, visando tanto nos alertar do perigo fatal de abandonar nossa união com Cristo, como para nos motivara perseverar na fé e na obediência”.

(Bíblia de Estudo Pentecostal. RJ: CPAD, 1995, p.1903.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

A incredulidade é o pecado inicial e mortal que conduz o crente à rebelião e à apostasia (Hb 3.7-10). O pecado de incredulidade foi o motivo pelo qual o povo de Israel voltou a Cades Barnéia e pereceu no deserto (Hb 3). Essa mesma rebeldia continua viva e ativa no século XXI, ameaçando aqueles que teimam em desobedecer as Sagradas Escrituras (1 Tm 4.1). Assim como o povo pereceu no deserto, muitos crentes estão fracos e incapazes de continuar a jornada cristã, em função da dureza de seus corações impenitentes. A Escritura, no entanto, admoesta: “Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mal e infiel, para se apartar do Deus vivo” (Hb 3.12).

A descrença e a dureza de coração precedem à ruína espiritual, pois o “pecado voluntário” (Hb 10.26) tem sua gênese na falta de fé. O termo “voluntário” enfatiza a natureza premeditada e calculada do pecado. Logo, o incrédulo premedita e calcula suas ações pecaminosas. Já a palavra “pecar”, particípio presente de uma ação contínua, indica a persistência no erro. O antídoto contra a obstinação pecaminosa é uma fé inabalável em Jesus Cristo, como afirma a Bíblia: “Não somos daqueles que se retiram para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma” (Hb 10.39).