Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

Lição 2: Jesus, o Filho de Deus

Data: 13 de Janeiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Qualquer que confessar que Jesus é o Filho de Deus, Deus está nele e ele em Deus(1 Jo 4.15).

 

VERDADE PRÁTICA

 

A expressão “Filho de Deus” refere-se à relação particular do Unigênito com o Pai e ao relacionamento espiritual de Deus com os seres humanos mediante o sacrifício de Cristo no Calvário.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Sl 2.7

Jesus Cristo e sua encarnação

 

 

Terça - Jo 3.16

O Filho Unigênito foi enviado para nos trazer vida eterna

 

 

Quarta - Jo 8.36

O Filho foi enviado para libertar os oprimidos

 

 

Quinta - Jo 5.18

O Filho é igual ao Pai

 

 

Sexta - 1 Jo 5.10

Negar o Filho é negar o Pai

 

 

Sábado - Gl 1.10

O Filho de Deus morreu pelos pecadores

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Hebreus 1.1-8.

 

1 - Havendo Deus, antigamente, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, a nós falou-nos, nestes últimos dias, pelo Filho,

2 - a quem constituiu herdeiro de tudo, por quem fez também o mundo.

3 - O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da Majestade, nas alturas;

4 - feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles.

5 - Porque a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho?

6 - E, quando outra vez introduz no mundo o Primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.

7 - E, quanto aos anjos, diz: O que de seus anjos faz ventos e de seus ministros, labareda de fogo.

8 - Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos, cetro de eqüidade é o cetro do teu reino.

 

INTERAÇÃO

 

Professor, os nomes e títulos de Cristo expressam diversas características de sua pessoa, estados e obras. Assim como Deus revelou-se no Antigo Testamento através de vários nomes que lhe descreviam a natureza e ações, os nomes de Cristo também revelam a identidade e a missão de Jesus. Portanto, enfatize a natureza e o caráter de Cristo através do estudo de seus nomes.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Explicar as expressões “Filho de Deus” e “Filho Unigênito”.
  • Descrever o conceito bíblico de “primogênito”.
  • Analisar o conceito soteriológico de “Filho” nas Escrituras.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Os nomes e títulos concedidos pelas Escrituras ao Senhor Jesus revelam sua natureza, ministério e ofícios. Os títulos de Cristo são tão importantes para compreendermos a sua natureza e ministério que Oscar Cullmann (1902-1999), teólogo franco-alemão, utilizou-os como método de pesquisa ao desenvolver o tema da Cristologia em o Novo Testamento.

Os títulos e ofícios de Jesus revelam-lhe o messianato (Profeta, Cristo), a divindade (Filho de Deus, Eu Sou), a humanidade (Filho de José), e sua ascendência real (Filho de Davi). Muitos desses títulos aparecem combinados, como por exemplo, Filho do Homem. Este pode designar tanto a humanidade de Jesus quanto a sua divindade (Jo 6.62).

Portanto, ao apresentar os nomes de Cristo, não se esqueça de explicá-los de acordo com o contexto histórico, e de aplicá-los ao cotidiano dos alunos. Reproduza a tabela abaixo conforme os recursos disponíveis.

 

NOMES E TÍTULOS DE CRISTO

DIVINDADE

HUMANIDADE

OFÍCIOS


Filho de Deus (Mt 8.29)

Nazareno (Mt 2.23)

Profeta (Jo 7.40)


Alfa e o Ômega (Ap 1.8)

Carpinteiro (Mc 6.3)

Sacerdote (Hb 5.10)


Verbo de Deus (Jo 1.1)

Filho do Homem (Mt 3.23)

Rei (Mc 15.9)


Senhor (Jo 13.13)

Filho de José (Jo 6.42)

Apóstolo (Hb 3.1)


Eu sou (Jo 8.58)

Filho de Davi (Mt 1.1)

 


Todo-Poderoso (Ap 1.8)

Jesus de Nazaré (Jo 1.45)

 


 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Filho de Deus: Expressa a divindade de Cristo e a relação eterna com o Pai.

 

Na lição anterior, estudamos a Pessoa de Jesus como o Verbo divino, enfatizando três aspectos importantes da cristologia: Jesus como Deus, como Eterno e como Criador. Nesta lição, estudaremos Jesus como Filho, Primogênito e Unigênito de Deus. O objetivo é mostrar que, apesar desses títulos, sua eternidade e divindade precedem a tudo.

 

I. JESUS, O FILHO DE DEUS

 

1. Filho gerado por Deus (v.5). “Tu és meu Filho, hoje te gerei” [...] “eu lhe serei por Pai, e ele me será por Filho”. Temos aqui uma profecia messiânica cumprida cabalmente em Jesus (At 13.33; Sl 2.7; Hb 5.5; 2 Sm 7.14). A expressão “Filho de Deus” nas Escrituras, indica claramente a natureza divina de Jesus. Sua procedência revela que ele compartilha a mesma essência e natureza do Pai. O Mestre mesmo o disse: “Saí e vim do Pai ao mundo” (Jo 16.28).

2. Filho desde a eternidade (v.2). O ensino de que o Verbo tornou-se Filho a partir da sua encarnação não tem apoio entre os teólogos realmente bíblicos, piedosos e conservadores. O Filho de Deus é eterno; sempre existiu; Ele é o Pai da Eternidade. Ele já era chamado Filho mesmo antes da sua encarnação, como vemos em 1 João 4.9: “Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos”.

3. O Filho é Deus (v.8). O termo “Deus”, no versículo oito, é uma referência ao Deus de Israel (Sl 45.6,7). No Salmo 45.7 há duas menções proféticas de Deus. A primeira, “por isso, Deus”, é uma referência a Cristo. A segunda, “o teu Deus”, é uma alusão a Deus, o Pai Eterno (Hb 1.8,9).

A relação de Jesus com o Pai revela sua deidade (Jo 10.30-36). Portanto, é uma heresia e blasfêmia afirmar que Jesus é o Filho de Deus, mas que não é Deus.

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

“Filho de Deus” indica tanto a origem divina de Jesus quanto à sua deidade.

 

II. JESUS, O FILHO UNIGÊNITO DE DEUS

 

1. Origem e significado do termo “Unigênito”. O termo aparece cinco vezes nos escritos de João, todas relacionadas a Jesus (Jo 1.14, 18; 3.16, 18; 1 Jo 4.9). Isso revela claramente sua divindade.

“Unigênito”, na Bíblia, conduz a idéia de natureza, caráter, tipo, e não de geração. Jesus é o “unigênito do Pai” no sentido do seu relacionamento exclusivo com Ele. Cristo não foi criado por Deus, Ele preexiste eternamente, por isso é chamado de Pai da Eternidade (Is 9.6).

2. O Filho é superior aos anjos (v.4). Os anjos são criaturas espirituais, mas limitadas. Eles estiveram presentes no ministério terreno de Jesus como afirma o apóstolo Paulo: foi “visto dos anjos” (1 Tm 3.16). Aliás, Jesus é adorado pelos próprios anjos: “E todos os anjos de Deus o adorem” (Hb 1.6).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

“O Filho Unigênito” não reflete a idéia de nascimento, mas de natureza, caráter e tipo.

 

III. JESUS, O PRIMOGÊNITO DE TODA A CRIAÇÃO

 

1. A expressa imagem de Deus (1.3). Cristo é “a imagem do Deus invisível” (Cl 1.15). Essa expressão confirma a divindade de Jesus. A palavra original para “imagem” comunica dois conceitos importantes: aparência e manifestação; ambos relacionados a Cristo e à sua obra. Ele “é a expressa imagem de Deus” e também a sua manifestação (Jo 1.18). É o que ensina a Bíblia em 1 Timóteo 3.16: “Aquele que se manifestou em carne foi justificado em espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo e recebido acima, na glória”.

2. O conceito bíblico de “primogênito” (1.6). O termo “primogênito”, aplicado a Cristo, não contradiz a sua eternidade. A Palavra de Deus declara, em muitos textos, que o Filho é eterno (Is 9.6; Mq 5.2; Hb 13.8; Jo 1.3). Na Bíblia, o vocábulo original para “primogênito”, além do sentido natural e humano de “filho mais velho”, abrange também o significado de primazia, preeminência, supremacia, predomínio, autoridade total. Apesar de Davi ser “o filho mais novo de Jessé” (1 Sm 16.11), foi chamado de “primogênito” (Sl 89.20,27). O mesmo aconteceu com Efraim. Era este o filho mais novo de José (Gn 48.18,19), mas fora apresentado como primogênito (Jr 31.9). A Igreja de Jesus Cristo também é formada de “primogênitos” (Hb 12.23).

As Escrituras, em Colossenses 1.15-18, apresenta-nos Jesus como “o primogênito de toda a criação”. Isso não quer dizer que Ele seja a primeira criatura de Deus, pois nos versículos 16 e 17, o Filho é apresentado como Criador e, também, como um ser à parte da criação. Portanto, Cristo como “primogênito” tem a ver com posição, e não com criação. A Palavra de Deus é taxativa ao concluir esse ponto: “para que em tudo tenha a preeminência” (Cl 1.18).

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Primogênito não significa “o primeiro criado”, mas “primeiro em categoria”.

 

IV. OS FILHOS DE DEUS

 

1. Na época da Lei. O conceito de filhos de Deus no Antigo Testamento, concernente a Israel, denota relacionamento com Deus mediante uma aliança ou concerto coletivo (Os 1.11). O hebreu devoto naquela época não se apresentava individualmente como filho de Deus. Os judeus não ousam chamar Deus de Pai, embora o Antigo Testamento apresente-o como o Pai de Israel (Êx 4.22; Jr 31.9).

2. Na época da graça. Em o Novo Testamento, a filiação espiritual do crente com Deus ocorre por adoção. Não no sentido jurídico e moderno, mas na acepção bíblica e espiritual. Por isso clamamos a Deus “Aba, Pai” (Rm 8.15). Essa filiação não é coletiva como a de Israel no Antigo Testamento; é individual. A expressão “Filho de Deus”, aplicada a Cristo, tem sentido bem diferente quando aplicada a nós. Deus nos concedeu a posição de filhos pelos méritos da obra redentora de Cristo: “a fim de recebermos a adoção de filhos. E, por que sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai” (Gl 4.5,6).

 

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

 

Jesus Cristo é o verdadeiro Filho de Deus e, por meio dEle, o cristão pode clamar: “Aba, Pai” (Rm 8.15).

 

CONCLUSÃO

 

A posição singular de Jesus como Filho, Primogênito e Unigênito aponta para a sua divindade. O sentido de “Filho” e de “Primogênito” não deve ser entendido pela perspectiva meramente humana. Estudemos esses termos teológicos com muito esmero, a fim de compreendermos sua verdadeira significação, pois ajudar-nos-á a desfazer a visão distorcida dos muitos grupos religiosos não-cristãos.

 

VOCABULÁRIO

 

Mérito: Merecimento.
Preeminência: Primazia, superioridade; Grandeza, excelência.
Preexistir: Existir anteriormente; ser anterior; anteceder, preceder.
Taxativo: Limitativo, restritivo; que não admite réplica ou contestação.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

CARSON, D. A. A difícil doutrina do amor de Deus. RJ: CPAD, 2007.

 

EXERCÍCIOS

 

1. O que indica a expressão “Filho de Deus”?

R. A expressão Filho de Deus indica tanto a origem divina de Jesus quanto a sua eternidade e deidade.

 

2. Descreva três características de Jesus como Filho de Deus.

R. Filho gerado, eterno e divino.

 

3. Explique a palavra “unigênito” na Bíblia.

R. “Unigênito”, na Bíblia, conduz a idéia de natureza, caráter, tipo, e não de geração. Jesus é o “unigênito do Pai” no sentido do seu relacionamento exclusivo com Ele.

 

4. Explique o conceito bíblico de “primogênito”.

R. Primogênito não significa “o primeiro criado”, mas “primeiro em categoria”. Jesus não é uma criatura, mas o Criador de todas as coisas.

 

5. Qual a diferença entre a adoção dos crentes e a de Israel?

R. A filiação de Israel é coletiva enquanto a adoção do crente é individual.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“Implicações Teológicas de João 5.17

[...] As autoridades judaicas do primeiro século entraram em disputas teológicas concernentes à guarda do sábado por Deus. Um lado disse que Ele guardava; o outro negou, argumentando que se Deus cessasse todas as suas obras no sábado, as suas ações de providência parariam, e o Universo entraria em colapso [...] No entanto, em João 5.17 Jesus está reivindicando o direito de trabalhar no sábado, porque Deus é o seu Pai, e, implicitamente, Ele é o Filho que segue os passos de seu Pai nesse aspecto. O ponto é que embora alguém possa ser chamado de um filho de Deus por ser um pacificador (Mt 5.9), os mortais comuns não podem ser corretamente chamados de filhos de Deus em todos os aspectos, uma vez que eles não imitam ao Todo-Poderoso em todos os aspectos. Eu não criei um Universo recentemente; certamente não sou um filho de Deus em termos de creatio ex nihilo. Os judeus reconheceram que a brecha que se aplicava a Deus, trabalhando no sábado, estava ligada à transcendência do Todo-Poderoso e servia somente para Ele. A atitude do Senhor Jesus ao justificar o seu próprio trabalho no sábado, apelando para o fato de Deus ser o seu Pai, era, para aqueles judeus, uma extraordinária reivindicação”.

(CARSON, D. A. A difícil doutrina do amor de Deus. RJ: CPAD, 2007.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

Aceitar ao nosso Senhor Jesus Cristo como Senhor e Salvador pessoal é um cálice de regozijo eterno! Jesus, o verdadeiro Filho de Deus, concede ao crente o direito de se tornar filho de Deus (Jo 1.12). E, se tu és filho, também és herdeiro de Deus e co-herdeiro de Cristo (Rm 8.17). Então, porque temes os males noturnos? Não sabeis que o vosso Pai é Luz na escuridão? (Jo 1.9,10). Porque te assombras no vale da morte? Esqueceste que a Lázaro Ele ressuscitou depois de sepultado? (Jo 11.25). Filho do Pai celeste porque paras? Ele ordena que prossigas até que recebas a tua coroa (Ap 3.11). Tu és filho especial de Deus! A lápide fria e mortal não é a tua sina, mas o trono: “Ao que vencer, lhe concederei que se assente comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentei com meu Pai no seu trono” (Ap 3.21).

 

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (2Tm 2.15)