Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

1º Trimestre de 2008

 

Título: Jesus Cristo - Verdadeiro homem, verdadeiro Deus

Comentarista: Esequias Soares

 

 

Lição 8: Jesus, Filho de Davi

Data: 24 de Fevereiro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Não diz a Escritura que o Cristo vem da descendência de Davi e de Belém, da aldeia de onde era Davi?(Jo 7.42).

 

VERDADE PRÁTICA

 

“Filho de Davi” é o título messiânico conferido por Deus a Jesus e anunciado pelos profetas do Antigo Testamento como Rei dos reis e Senhor dos senhores.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - 2 Sm 7.16

Deus promete a Davi um descendente eterno, o Messias

 

 

Terça - Sl 132.11

O rei Davi confirma a promessa divina

 

 

Quarta - Is 9.7

O vaticínio do Messias davídico

 

 

Quinta - Jr 23.5,6

O Renovo de Davi

 

 

Sexta - Mt 1.1

Jesus, Filho de Davi

 

 

Sábado - Rm 1.3

Jesus, descendente de Davi

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Mateus 21.8-11; 22.41-46.

 

Mateus 21

8 - E muitíssima gente estendia as suas vestes pelo caminho, e outros cortavam ramos de árvores e os espalhavam pelo caminho.

9 - E as multidões, tanto as que iam adiante como as que o seguiam, clamavam, dizendo: Hosana ao Filho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana nas alturas!

10 - E, entrando ele em Jerusalém, toda a cidade se alvoroçou, dizendo: Quem é este?

11 - E a multidão dizia: Este é Jesus, o Profeta de Nazaré da Galiléia.

 

Mateus 22

41 - E, estando reunidos os fariseus, interrogou-os Jesus,

42 - dizendo: Que pensais vós do Cristo? De quem é filho? Eles disseram-lhe: De Davi.

43 - Disse-lhes ele: Como é, então, que Davi, em espírito, lhe chama Senhor, dizendo:

44 - Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés.

45 - Se Davi, pois, lhe chama Senhor, como é seu filho?

46 - E ninguém podia responder-lhe uma palavra, nem, desde aquele dia, ousou mais alguém interrogá-lo.

 

INTERAÇÃO

 

Caro professor, Jesus raras vezes identificou-se publicamente como o Messias. Porém, à beira do poço em Samaria, revelou-se à mulher samaritana como o Cristo (Jo 4.25,26). Isto implicava na identificação do Senhor com o Rei-Messias prometido no Antigo Testamento. Nesta lição, ressalte as profecias messiânicas de caráter real e o cumprimento em Jesus, o Rei dos reis.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Sintetizar a história do reinado de Davi.
  • Explicar a relação do Messias com a casa davídica.
  • Descrever a promessa do Rei-Messias.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, o método de preleção ou exposição oral é a base do ensino! Porém, nem todos os docentes usam com maestria esse recurso. Alguns, infelizmente, não planejam adequadamente a aula e caem na monotonia, outros na rotina. O professor é diferente do “falador”. Este não se preocupa com o público, pois está satisfeito tão somente em “falar”, quer seja ouvido quer não. Já o professor tem objetivo e se preocupa com a recepção e participação dos alunos no processo de ensino. Portanto, use como recurso para esta lição a “aula dialógica”. Este método consiste em transformar a aula expositiva tradicional em um diálogo entre o professor e a classe. O método divide-se em três seções: Introdução - em que o aluno é preparado para o tema. Desenvolvimento - a lição dialógica, na qual ocorre as contestações e re-elaborações. Conclusão - ocasião em que o conhecimento é consolidado mediante aplicação prática, e onde a posição teológica é testada, descobrindo-se seus limites e valores. Boa aula!

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Filho de Davi: Título messiânico que descreve o Senhor Jesus como herdeiro eterno do trono de Davi.

 

Nesta lição, estudaremos mais um dos títulos do Senhor Jesus Cristo: “Filho de Davi”. Segundo o pastor e teólogo Myer Pearlman, esse título é equivalente a “Messias”, pois uma qualidade importante do Messias era sua ascendência davídica (2 Sm 7.16; Is 9.7).

 

I. A DINASTIA DAVÍDICA

 

1. O reinado de Davi. Davi foi o segundo rei de Israel. Seu nome, na língua hebraica, significa “amado”. Nasceu em Belém e era filho de Jessé. Davi foi ungido rei, mas em segredo; somente muito mais tarde seria apresentado publicamente (2 Sm 2.4; 5.3). Ele reinou sete anos em Judá e 33 em todo o Israel, num total de 40 anos. Começou a reinar aos 30 anos de idade (2 Sm 5.4,5). Fundou uma dinastia que durou 425 anos; poucas famílias reais conseguiram tal proeza.

2. Um rei segundo o coração de Deus. Deus escolheu Davi para reinar sobre seu povo quando ele ainda era um pastor de ovelhas (1 Sm 16.12,13). Davi era um jovem que se conduzia de acordo com a vontade do Senhor: “Achei a Davi, filho de Jessé, varão conforme o meu coração, que executará toda a minha vontade” (At 13.22). Davi é o tipo profético do Rei dos reis, destinado a estabelecer o Reino de Deus neste mundo. Davi reconhecia que a sua força e a vitória do seu reinado dependiam de Deus (2 Sm 22.2,3). Ele foi citado na galeria dos Heróis da Fé em Hebreus 11.32. Foi um rei segundo o padrão de Deus (2 Sm 7.8-16).

3. Seu reinado. Davi reunificou as 12 tribos que andavam errantes por causa dos desatinos de Saul. Consolidou seu reino ao fazer de Jerusalém sua capital administrativa. Derrotou os inimigos (2 Sm 5.6-10) e compôs 73 dos 150 salmos da Bíblia. Como rei, Davi criou um efetivo governo central, e foi recompensado por sua fidelidade a Deus. O Senhor prometeu-lhe uma dinastia perpétua (2 Sm 7.16).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Davi, no hebraico, “Amado”, foi o sucessor de Saul aos 30 anos de idade e um rei segundo o coração do Senhor. A dinastia davídica durou cerca de 425 anos, mas será perpetuada por meio do Rei-Messias, Jesus.

 

II. O MESSIAS E A CASA DE DAVI

 

1. A promessa divina. O plano divino com a casa de Davi ia além do trono de Jerusalém. A primeira promessa que Deus fez a Davi de estabelecer um trono eterno parece ter sentido ambíguo (2 Sm 7.11-16). É claro que Salomão, seu sucessor imediato, também está nesse contexto. Porém, o Espírito Santo, ao longo da história do Antigo Testamento, encarregou-se de revelar o caráter messiânico dessa promessa (Sl 89.3,4, 34-37; Is 9.7; 11.1,10; Jr 23.5,6). O povo de Israel durante muitos anos esperou o Messias como descendente legal de Davi.

2. Aguardando a promessa. Todo o Israel tinha conhecimento dessa profecia e aguardava o seu cumprimento. Paulo e Barnabé, na sinagoga de Antioquia da Pisídia, trouxeram o assunto à tona lembrando aos judeus da Diáspora a promessa feita a Davi: “Da descendência deste, conforme a promessa, levantou Deus a Jesus para Salvador de Israel” (At 13.23). Mateus inicia o seu relato sobre o nascimento do Salvador descrevendo a sua genealogia. Ele vincula o Senhor Jesus à casa de Davi (Mt 1.1). O evangelista queria provar aos judeus que Jesus era o Messias esperado que governaria eternamente o seu povo (Is 11.1-5). Os israelitas, por seu turno, estavam cientes da promessa divina de que o Messias seria um descendente legal da família de Davi (2 Sm 7.12-19; Jr 23.5).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Deus prometeu a Davi um trono eterno. A dinastia davídica seria perpetuada através do Rei-Messias, o Senhor Jesus Cristo.

 

III. A ENTRADA TRIUNFAL DO REI DOS REIS

 

1. A relevância desse evento (21.8,9). A importância desse evento pode ser vista no fato de ter sido registrado nos quatro Evangelhos (Mc 11.1-11; Lc 19.29-38; Jo 12.12-19). A entrada triunfal de Jesus em Jerusalém ocorreu em um domingo. Era a grande oportunidade de ele testificar publicamente que era o predito Rei e Messias de Israel. O profeta Zacarias já havia previsto que o Rei-Messias viria, humildemente, montando um jumentinho (Zc 9.9). Naquele momento, o filho do carpinteiro apresentava-se oficialmente à nação judaica como o Messias que haveria de vir. Quando o Mestre amado entrou triunfante em Jerusalém, “toda a cidade se alvoroçou”. Todos perguntavam: “Quem é este?” A resposta foi unânime: “Este é Jesus, o Profeta de Nazaré da Galiléia”.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Jesus, o Rei-Messias, adentrou triunfante em Jerusalém, como rei e profeta de Nazaré da Galiléia.

 

IV. JESUS, O FILHO DE DAVI

 

1. “Que pensais vós do Cristo?” (22.42). Jesus perguntou de quem o Cristo era filho. Todos conheciam a promessa de Deus a respeito do Messias davídico. Assim, foi aclamado pelo povo quando entrou em Jerusalém montado num jumento (21.9). As discussões entre o povo sobre Jesus versavam sobre esse título (Jo 7.40-43). A pronta resposta à pergunta de Cristo confirma essa verdade. Eles responderam bem: “De Davi” (22.42).

2. A profecia (22.43,44). Usando como base a resposta dos fariseus, Jesus fez outra pergunta, que eles não puderam responder: “Como é, então, que Davi, em espírito, lhe chama Senhor?” De acordo com o Comentário Bíblico Beacon, “em espírito” significa “inspirado pelo Espírito”, isto é, o Espírito Santo. Jesus estava afirmando duas verdades ao mesmo tempo: Davi era o autor do Salmo 110 e sua inspiração era divina. Jesus revela que o descendente de Davi é superior a este porque é Filho de Deus.

3. O silêncio dos fariseus (22.45,46). Os fariseus, saduceus e herodianos não queriam responder à pergunta de Jesus: “Se Davi, pois, lhe chama Senhor, como é seu filho?” A resposta é uma só: O Senhor de Davi tornou-se o filho legal de Davi por meio da encarnação. Jesus, com toda a sua eficiência, mais uma vez havia feito os seus oponentes se calarem.

4. Um reino eterno. Davi era humano, e morreu; seu reino com o tempo acabou. Mas, de acordo com Isaías 9.6,7, o descendente de Davi, Rei-Messias, é divino, e seu Reino é eterno. Davi foi um “pai” temporário para seu povo; o Messias é um Pai imortal, eterno para todos os povos (Sl 2.6-8; Lc 22.29).

 

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

 

A profecia do Rei-Messias, de acordo com o Salmo 110, vaticinava a encarnação do Filho de Deus e a perpetuação da dinastia davídica por meio de Jesus.

 

CONCLUSÃO

 

O Reino de Jesus é eterno. O Messias foi exaltado como Senhor pelo SENHOR (Sl 110.1). Em breve Ele voltará a este mundo para buscar os seus súditos: “Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre eles. Sim! Amém!” (Ap 1.7).

 

VOCABULÁRIO

 

Ambíguo: Que se pode tomar em mais de um sentido.
Desatino: Falta de juízo; loucura.
Dinastia: Série de soberanos pertencentes a uma mesma família.
Vaticinar: Profetizar, predizer; prenunciar.
Versar: Considerar, examinar, ponderar.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

HORTON, S. M. (org.) Teologia sistemática: uma perspectiva pentecostal. RJ: CPAD, 1996.
MERRILL, E. História de Israel no Antigo Testamento. RJ: CPAD, 2001.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Qual o significado do nome Davi na língua hebraica?

R. Amado.

 

2. Como recompensa por sua fidelidade, o que foi prometido a Davi?

R. Uma dinastia ou trono perpétuo.

 

3. O que Mateus queria provar ao vincular Jesus à casa de Davi?

R. Desejava provar aos judeus que Jesus era o Messias esperado que governaria eternamente o seu povo (Is 11.1-5).

 

4. De acordo com o Comentário Bíblico Beacon, o que significa “inspirado pelo Espírito”?

R. O Espírito Santo inspirando divinamente o salmista.

 

5. Qual a mais lógica conclusão da pergunta feita por Jesus aos fariseus em Mt 22.45?

R. O Senhor de Davi, tornou-se o filho legal de Davi por meio da encarnação.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

“O Rei-Messias

A maior expectativa nos dias de Jesus era que o Messias fosse um governante político. Seria o Descendente do Rei Davi. Davi era o protótipo do Messias: um libertador e conquistador. E depois, a comunidade de Cumrã acrescentou a expectativa de dois Messias: O Messias de Arão, sacerdotal, e o Messias de Israel, um Rei-Messias. Parece que não conseguiram manter justos os conceitos de Messias político-soberano e o de Messias sacerdotal, que servia e ministrava. Por isso, dividiram o conceito do Messias em duas figuras.

Talvez, naqueles tempos, Cumrã previsse o Cristianismo mais do que qualquer outro no Judaísmo, porque (de modo mais poderoso) Jesus realizaria exatamente a obra que estava prevista. Na sua primeira vinda, Ele era o Messias sacerdotal, que servia; e Ele será o Rei-Messias no poder e glória da segunda vinda. Esse ponto de vista concordante, entretanto, não torna cristãos os membros da comunidade de Cumrã, nem mesmo os cristãos incipientes. Eram judeus, mas certamente tinham uma abordagem bem diferente à questão inteira do Messias, ao proporem duas personagens, a idéia de dois Messias”.

(NICHOLS, D. R. O Senhor Jesus Cristo. In HORTON, S.M. (org.) Teologia sistemática: uma perspectiva pentecostal. RJ: CPAD, 1996, p.315.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

“Porque brotará um rebento do tronco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará” (Is 11.1). Jesus é o eterno Renovo do tronco de Jessé. Ele não se manifestou no período áureo do reinado de Davi ou de Salomão, quando o reino de Israel era uma árvore frondosa e frutífera. Mas, na ocasião em que o machado derrubara o arvoredo, restou à descendência de Jessé, apenas um caule, por amor a Davi. Desse tronco surge o Netzer, o Renovo. Deste termo origina-se a palavra Nazaré, região da qual surgiu o Profeta-Messias (Lc 24.19). Jesus brotou como um rebento da combalida dinastia davídica (“a raiz de Jessé”), a fim de cumprir as profecias messiânicas feitas a Davi, o rei teocrático do Eterno. Esta profecia demorou cerca de 700 anos para se cumprir. E, hoje, passados mais de 2000 anos, nós, os salvos, aguardamos o pleno cumprimento da restauração do trono de Davi, por meio do Rei dos reis e Senhor dos senhores.

 

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (2Tm 2.15)