Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

2º Trimestre de 2008

 

Título: As Disciplinas da Vida Cristã - Trabalhando em busca de perfeição

Comentarista: Claudionor de Andrade

 

 

Lição 13: Confiando firmemente em Deus

Data: 29 de Junho de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós(1 Pe 5.7).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Confiar em Deus é estar convicto de que Ele está no comando de todas as coisas.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Sl 34.8

O homem que confia no Senhor é bem-aventurado

 

 

Terça - Sl 37.3

Confiar no Senhor e praticar o bem

 

 

Quarta - Pv 3.5

Confiar no Senhor de todo o coração

 

 

Quinta - Pv 28.25

O homem que confia no Senhor prosperará

 

 

Sexta - Jr 17.5-7

Maldito aquele que confia no homem e se aparta do Senhor

 

 

Sábado - Sl 125.1

Os que confiam no Senhor não se abalam

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Salmos 37.3-8.

 

3 - Confia no SENHOR e faze o bem; habitarás na terra e, verdadeiramente, serás alimentado.

4 - Deleita-te também no SENHOR, e ele te concederá o que deseja o teu coração.

5 - Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele tudo fará.

6 - E ele fará sobressair a tua justiça como a luz; e o teu juízo, como o meio-dia.

7 - Descansa no SENHOR e espera nele; não te indignes por causa daquele que prospera em seu caminho, por causa do homem que executa astutos intentos.

8 - Deixa a ira e abandona o furor; não te indignes para fazer o mal.

 

INTERAÇÃO

 

Professor, inicie a aula com a seguinte atividade: Divida a turma em pequenos grupos de dois alunos. Depois, escreva no quadro de giz a seguinte proposição: “Suportar sozinho as preocupações e lutas é não confiar a vida completamente a Deus”.

Os minigrupos deverão discutir o enunciado acima por 5 minutos. Após esse tempo, reúna a turma novamente e dê a cada grupo a oportunidade de apresentar suas idéias e conclusões. Esta técnica é chamada de "díade" e tem por objetivo dar oportunidade de participação a todos.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Definir a expressão “confiança em Deus”.
  • Descrever as bases da confiança em Deus.
  • Exercer inteira confiança em Deus.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

O cuidado que Deus tem com os problemas de cada um dos seus filhos é uma verdade enfatizada através da sua Palavra. Todos os nossos temores, cuidados e preocupações devem ser prontamente lançados sobre o Senhor. Anote as referências abaixo (todas sobre a confiança em Deus) em pequenos pedaços de papel e distribua-os entre os alunos. A seguir, peça a cada um deles para lerem e comentarem o texto bíblico. À medida que cada aluno for tecendo seu comentário, solicite que um outro dê sua opinião sobre o texto lido. Deixe todos participarem! No final, faça o seu próprio comentário. Sl 27.10; 37.5; 40.17; 55.22; Mt 6.25-30; 10.29-31; 11.30; Fp 4.6.

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Confiança: Disposição espiritual pelo qual o crente entrega se, sem reservas, aos cuidados de Deus.

 

Confiar em Deus é viver convictos de que tudo está em suas mãos. Na Bíblia, haveremos de encontrar o necessário lenitivo para todas as nossas angústias. O que vem ser, porém, essa confiança? De que maneira podemos cultivá-la?

 

I. O QUE É A CONFIANÇA EM DEUS

 

1. Definição. A confiança em Deus é a disposição espiritual de entregar-se, sem quaisquer reservas, aos seus cuidados, sabendo que Ele tudo fará para que, em nossa vida, sua glória seja plenamente exaltada.

2. A confiança em Deus como disciplina teológica. A confiança nas providências divinas faz parte daquilo que podemos chamar de teologia espiritual ou devocional. O livro de Salmos, aliás, é ao mesmo tempo profundamente teológico e inesquecivelmente devocional. Basta ler, por exemplo, o Salmo 37 que serve de base para a leitura em classe.

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

A confiança em Deus é a disposição espiritual pelo qual o crente entrega-se, sem reservas, aos cuidados de Deus.

 

II. A BASE DA CONFIANÇA EM DEUS

 

1. A soberania de Deus. Nada ocorre sem a expressa permissão de Deus (Dn 4.34-37). Este é o princípio da soberania divina, que pode ser assim definida: Autoridade absoluta e inquestionável que Deus exerce sobre todas as coisas criadas, quer na terra, quer nos céus, dispondo de tudo de acordo com os conselhos e desígnios. Leia o capítulo 42 do Livro de Jó.

Por conseguinte, quem descansa na soberania de Deus, não se estressa nem se desespera: sabe que todas as coisas acontecem de acordo com o divino querer (Sl 4.8).

2. A sabedoria de Deus. A sabedoria de Deus, pois, é o atributo por intermédio do qual o Ser Supremo sustenta todas as coisas, fazendo com que tudo contribua para a consecução de seus planos, decretos e desígnios (Ef 3.10). Somente Ele é capaz de operar de tal maneira, fazendo com que tudo na vida de seus filhos contribua para a sua excelsa glória e para a nossa maior felicidade (1 Rs 3.28).

3. O poder de Deus. Confiamos em Deus porque Ele pode todas as coisas; nada lhe é impossível (Mt 19.26). Conforme a sua vontade, opera Ele em nossa vida, fazendo com que todos os seus planos se cumpram quer admitam os homens, quer tentem impedir-lhe os desígnios (Jó 42.2). Haja vista o nascimento de Cristo. O inferno todo se arvorou para que o Messias não viesse ao mundo. Todavia, o Senhor operou, desde a mais remota antiguidade, para que o seu Filho viesse ao mundo na plenitude dos tempos, a fim de executar o Plano de Salvação (Gl 4.4).

4. A provisão de Deus. Deus tudo provisiona, objetivando a execução de seus planos em nossa vida. O que diremos da história de José? O que parecia uma tragédia pessoal, transformou-se num plano de salvação nacional (Gn 45.7). Se num primeiro momento o hebreu é vendido como escravo para o Egito, no segundo, Deus o levanta como o senhor de toda aquela terra. E, assim, pôde ele sustentar os hebreus, dos quais adviria o Cristo. Da mesma forma ocorre em nossa vida, o que aparentemente parece uma tragédia, transforma-se, de acordo com o querer divino, num triunfo pessoal para maior glória do nome de Deus.

5. O amor de Deus. Todos os atos de Deus são atos do mais puro e elevado amor (Rm 5.5). Mesmo que nos sejam dolorosos no presente, trazem-nos inefáveis consolos no porvir. Confiemos, pois, em Deus até mesmo onde o consolo parece impossível. Se os homens vêem apenas lágrimas, enxergamos nós o lenitivo que emana do coração de Deus diretamente para o nosso coração (Is 49.13).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

As bases da confiança do crente no Senhor são: a soberania, sabedoria, poder, provisão e amor de Deus.

 

III. EXEMPLOS DE CONFIANÇA EM DEUS

 

Vejamos, os exemplos nas Sagradas Escrituras.

1. Abraão. Era o crente Abraão tão confiante no Senhor que, mesmo diante da desesperança, cultivava a esperança em Deus (Rm 4.18; Hb 11.11,12).

2. Jó. No auge de suas provações, demonstra o patriarca Jó que a sua confiança em Deus continuava inabalável (Jó 19.25).

3. Paulo. Apesar de enfrentar tantas dificuldades em seu ministério, Paulo possuía uma confiança singular naquele que tudo realiza e opera (2 Tm 1.12).

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Nas Escrituras encontramos diversos exemplos de confiança em Deus, entre eles podemos destacar: Abraão, Jó e Paulo.

 

IV. COMO EXERCER A NOSSA CONFIANÇA EM DEUS

 

1. Vivendo pela fé. Habacuque, num momento de aparente crise espiritual, ouviu do Senhor esta maravilhosa expressão que, séculos mais tarde, seria citada pelo apóstolo: “Mas o justo viverá pela sua fé” (Hc 2.4 - ARA). Por conseguinte, se também vivermos pela fé, jamais nos faltará a necessária confiança em Deus.

2. Vivendo sem ansiedade. A falta de confiança em Deus gera ansiedade, e a ansiedade acaba por dar à luz a depressão. Por isto, o conselho de Paulo tem de ser aplicado por aqueles que anseiam um viver tranquilo e sossegado, conscientes de que Deus está no comando de tudo (Fp 4.6).

3. Vivendo em oração. Aos irmãos de Tessalônica, recomenda Paulo: “Orai sem cessar” (1 Ts 5.17). O que isto significa? Antes de mais nada, temos de apresentar ao Senhor todas as nossas petições, na certeza de que Ele é poderoso para no-las suprir.

4. Vivendo a Bíblia Sagrada. O general Josué recebeu do Senhor esta recomendação: “Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido” (Js 1.8). Agindo assim, aprenderemos a viver de modo vitorioso; nenhum mal nos atingirá.

 

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

 

O cristão exerce confiança em Deus quando vive pela fé, sem ansiedade, em oração e conforme a Palavra de Deus.

 

CONCLUSÃO

 

Confia você inteiramente em Deus? Ele se acha ao nosso redor, levando-nos a viver triunfantemente. Basta confiar em Deus e crer em suas promessas que “são mui ricas para nos valer”. É por isto que, em nossos cultos, louvamos a Deus, proclamando: “firmes nas promessas do meu Salvador”.

 

VOCABULÁRIO

 

Arvorar: Elevar-se, erguer-se.
Emanar: Provir, proceder, sair.
Inefável: Indizível.
Lenitivo: Alívio, conforto.
Provisionar: Conceder provisão.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

MACARTHUR, JR. J. O poder do sofrimento. 4.ed., RJ: CPAD, 2002.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Defina com suas próprias palavras o significado de “confiança em Deus”.

R. (Livre).

 

2. Explique com suas palavras o sentido da expressão “soberania de Deus”.

R. (Livre) Autoridade absoluta e inquestionável que Deus exerce sobre todas as coisas criadas.

 

3. O que é sabedoria de Deus?

R. O atributo por intermédio do qual o Ser Supremo sustenta todas as coisas, fazendo com que tudo contribua para a consecução de seus planos, decretos e desígnios (Ef 3.10).

 

4. Cite três personagens bíblicos que confiaram completamente em Deus.

R. Abraão, Jó e Paulo.

 

5. Descreva três meios pelos quais o crente exerce sua confiança em Deus.

R. Vivendo pela fé, sem ansiedade e com oração.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Devocional

 

“Alegria, apesar da morte

Em Filipenses 1.19-21, Paulo manifesta um altíssimo nível de confiança e alegria no que concerne à sua morte. Paulo tinha confiança em quatro coisas que o ajudaram a encarar a morte sem medo:

1. Confiança na Palavra de Deus. A declaração de Paulo: ‘Porque sei que disto me resultará salvação’ é uma citação textual de Jó 13.16 no Antigo Testamento grego. A palavra ‘sei’ vem da palavra grega oida, que significa saber com certeza. Paulo está exprimindo uma firme confiança no que está para acontecer [...]

2. Confiança nas Orações dos Santos. Paulo acreditava nos eternos propósitos de Deus, estabelecidos antes mesmo da existência do tempo. Todavia, era de seu conhecimento que Deus trabalha e realiza seus propósitos em associação com as orações dos crentes [...]”.

(MACARTHUR, JR. J. O poder do sofrimento. 4.ed., RJ: CPAD, 2002, pp.63-4.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

O crente deve estar em constante harmonia com a vontade de Deus para a sua vida, servindo-o e ajudando outras pessoas em nome dEle. Devemos amar e submeter-nos a Deus pela fé em Cristo, se quisermos que o Senhor opere para o nosso bem em todas as coisas.

Para termos sobre nós o cuidado de Deus, devemos clamar a Ele em oração e fé perseverante. Pela oração e confiança em Deus, experimentamos a paz, recebemos a força, a misericórdia, a graça e ajuda divina em tempos de necessidade.

 

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (2Tm 2.15)