Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

4º Trimestre de 2008

 

Título: O Deus do Livro e o Livro de Deus

Comentarista: Elinaldo Renovato de Lima

 

 

Lição 5: A soberania de Deus e o livre-arbítrio humano

Data: 02 de Novembro de 2008

 

TEXTO ÁUREO

 

"Pois o Senhor, vosso Deus, é o Deus dos deuses e o Senhor dos senhores, o Deus grande, poderoso e terrível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita recompensas" (Dt 10.17).

 

VERDADE PRÁTICA

 

A despeito de seu imenso poder e soberania, Deus concedeu aos homens o direito de agirem como seres livres.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Dn 2.21

Deus muda tempos e homens

 

 

Terça - Rm 9.19

Ninguém pode resistir a Deus

 

 

Quarta - Jo 3.16

Deus salva a todo o que crê

 

 

Quinta - Dt 10.17

Deus não faz acepção de pessoas

 

 

Sexta - Hb 6.4-6

O crente pode cair da graça

 

 

Sábado - Is 43.13

Ninguém impede a vontade diretiva Deus

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Is 43.11-13; Ef 1.4,5; Jo 3.16.

 

Isaías 43

11 - Eu, eu sou o Senhor, e fora de mim não há Salvador.

12 - Eu anunciei, e eu salvei, e eu o fiz ouvir, e deus estranho não houve entre vós, pois vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor; eu sou Deus.

13 - Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; operando eu, quem impedirá?

 

Efésios 1

4 - Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em caridade,

5 - e nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade.

 

João 3

16 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

 

INTERAÇÃO

 

O tema que o prezado mestre ministrará neste domingo tem suscitado muitos debates teológicos. Porém, o propósito da Escola Dominical não é polemizar, mas esclarecer as principais verdades doutrinárias das Escrituras. Para complementar suas leituras a respeito do assunto em pauta, recomendamos as páginas 358-368 da obra Teologia Sistemática: uma perspectiva pentecostal (CPAD). Leia com atenção o assunto da expiação limitada e ilimitada, pois fornece a base de toda e qualquer discussão a respeito da predestinação e do livre-arbítrio.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Explicar a salvação divina e a responsabilidade humana.
  • Definir a predestinação bíblica e o livre-arbítrio.
  • Contestar a predestinação fatalista.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, pergunte à classe o significado bíblico da palavra "eleição". A seguir, explique que "eleição", do grego eklegomai, significa "selecionar para si; escolher". Este termo não quer dizer que Deus escolheu uns para a salvação e outros para a perdição. Mas, que a salvação do homem não depende do que este é ou faz, porém da vontade e amor de Deus (Ef 1.4,5). Deus ama e convida a todos para a salvação; logo, não elege uns para a salvação e outros para a perdição (2 Pe 3.9; 1 Tm 2.3,4). Por fim, ensine aos alunos que a eleição, em conjunto com a predestinação, é a ação divina por meio da qual, o homem, em Cristo, é eleito à salvação em razão de sua aceitação a Cristo.

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Eleição: Do grego "eklegomai"; selecionar para si; escolher.

 

Há diferentes formas de interpretação quanto ao assunto "soberania de Deus e livre-arbítrio humano"; todas envolvidas em intermináveis polêmicas e acirradas discussões. Todavia, o que a Bíblia realmente ensina sobre o assunto? Nesta lição, estudaremos, à luz das Escrituras, a relação entre a soberania divina, o livre-arbítrio do homem e a salvação em Cristo. Oremos, pois, a fim de que, através do estudo do Livro de Deus, possamos conhecer cada vez mais, o Deus do Livro.

 

I. A ONIPOTÊNCIA DE DEUS

 

1. Deus é Onipotente. Ele tudo pode:"... operando eu, quem impedirá?" (Is 43.13). Em Gênesis, o Senhor afirma de si mesmo: "Eu sou o Deus Todo-Poderoso" (Gn 17.1). O verdadeiro poder pertence ao Altíssimo (Sl 62.11; 1 Pe 4.11). Ele é o Criador (Gn 1.1; Jo 1.1-4) e, pela sua força, todas as coisas são preservadas (At 17.25,26; Hb 1.2,3; Sl 104.24). Deus é o Senhor, Todo-Poderoso, que sustenta sua criação através das leis por Ele estabelecidas (At 17.25; Sl 119.90,91).

2. A Onipotência e a vontade de Deus. Os atributos de Deus revelam o seu maravilhoso e irrepreensível caráter. Eles operam a vontade divina em perfeita harmonia e equilíbrio. O amor de Deus, por exemplo, não anula sua justiça e vice-versa. O Eterno jamais se contradiz e nunca entra em desacordo com sua revelação aos homens. O mesmo se pode afirmar da onipotência de Deus e sua vontade. O Senhor é poderoso para fazer tudo o que lhe apraz, todavia, só fará de fato o que está de acordo com sua santa vontade.

Certo teólogo afirmou que Deus "pode fazer tudo o que quer, mas não quer fazer tudo que pode". Isso significa que o poder de Deus está sob o controle de sua sábia vontade. Isto é, não há qualquer incoerência entre sua natureza santa e seu poder ilimitado. O Senhor que tudo pode (Jó 42.2), só faz o que lhe agrada (Sl 115.3).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

O Senhor é poderoso para fazer tudo o que lhe apraz, todavia, só fará de fato o que está de acordo com sua vontade.

 

II. A SOBERANIA DE DEUS E O LIVRE-ARBÍTRIO HUMANO

 

Deus, ao criar o homem, proveu-o de livre-arbítrio. Mas... O que é "livre-arbítrio"? É a faculdade mediante a qual o homem é dotado de poder para agir sem coações externas, e de acordo com sua própria vontade ou escolha. Uma vez que o homem fora criado livre, com capacidade de fazer suas próprias escolhas, como conciliar esse direito com a vontade divina? Para responder a esta pergunta, precisamos entender a vontade de Deus sob dois aspectos: ela é permissiva e diretiva.

1. Vontade permissiva e livre arbítrio. Deus fez o homem à sua imagem e semelhança. O que faz dele um ser moralmente semelhante ao Criador, é justamente a capacidade de fazer suas próprias escolhas; inclusive, aquelas que não estão de acordo com a vontade divina. Isto é o que se entende por vontade permissiva. O Eterno tem poder para impedir que o homem faça o mal ou bem, entretanto, lhe dá o direito de escolha (Gn 2.15-17; 3; 4.7; Dt 30.15-20; Gl 6.7-10). Na vontade permissiva, a soberania e a onipotência de Deus não violam o livre-arbítrio humano. No âmbito da salvação, Deus sabe perfeitamente quem o rejeitará, embora jamais interfira nesta decisão. A vontade de Deus é que todos os homens "se é salvem e venham ao conhecimento da verdade" (1 Tm 2.11). Todavia, como está patente em Is 1.19,20; Dt 30.19; Js 24.15; 1 Tm 1.19; 1 Co 10.12, o homem pode rejeitar a salvação.

2. Vontade diretiva e predestinação. A vontade diretiva de Deus opera em conformidade com sua sabedoria e soberania. Ele rege o curso da história, e controla o universo de acordo com seus eternos propósitos (Sl 33.11; At 2.23; Ef 1.4-9). Tudo o que planejou certamente será executado: "Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; operando eu, quem impedirá?" (Is 43.13). Ler Is 14.26,27.

Absolutamente nada escapa à vontade diretiva de Deus. É nesse ponto que nos deparamos com a doutrina da predestinação. O Eterno, em seu profundo e inigualável amor, predestinou todos os seres humanos à vida eterna. Ninguém foi predestinado ao lago de fogo que, conforme bem acentuou Jesus, fora preparado para o Diabo e seus anjos (Mt 25.41). Mas o fato de o homem ser predestinado à vida eterna não lhe garante essa bem-aventurança. É necessário que creia no Evangelho. Somente assim poderá ser considerado eleito. Tudo depende de como recebemos o chamamento do Evangelho: quem crer e for batizado será salvo, mas quem não crê será condenado. Deus predestinou a Igreja para ser "conforme à imagem de seu Filho" (Rm 8.29); para "filhos de adoção em Cristo" (Ef 1.5).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

A vontade divina é permissiva e diretiva. As duas vontades operam em conformidade com os atributos divinos e com o livre-arbítrio humano.

 

III. PREDESTINAÇÃO E LIVRE-ARBÍTRIO

 

1. A predestinação e o livre-arbítrio. A Bíblia enfatiza tanto a doutrina da predestinação divina, quanto o ensinamento do livre-arbítrio humano. Todavia, não encontramos nas Escrituras uma predestinação fatalista, em que uns são destinados à vida eterna e outros, à perdição. Da mesma forma, ela também não ensina uma livre-escolha absoluta, como se a salvação dependesse de obras, esforços ou méritos humanos. Os extremos nesse assunto são muito perigosos e acabam afirmando o que a Palavra de Deus não ensina. Portanto, devemos evitar dois graves erros: enfatizar a soberania divina em detrimento da livre-escolha humana; e enfatizar o livre-arbítrio humano em prejuízo da soberania divina.

A ênfase inconsequente à soberania de Deus leva o indivíduo a crer que sua conduta nada tem a ver com a sua salvação. Enquanto que a ênfase exagerada à livre-vontade do homem conduz a pessoa ao engano de que a salvação é dependente de boa conduta e obras humanas.

2. A obra redentora e a presciência de Deus. Uma interpretação bíblica livre de qualquer preconceito mostrará claramente que Deus predestinou todos os homens à salvação, mediante a obra redentora de Jesus (1 Tm 2.4; Is 55.1; Mt 11.28,29; 2 Co 6.2). A despeito de Deus conhecer, antecipadamente, os que rejeitarão seu plano salvífico, sua presciência não interfere nem viola o livre-direito de escolha do homem. A predestinação é para os que desejam a salvação em Cristo, conforme lemos em 2 Ts 2.13: "elegidos desde o princípio para a salvação". Isso concorda com o que Paulo escreveu a Timóteo: "Tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação" (2 Tm 2.10).

Portanto, a predestinação fatalista contradiz dois atributos divinos: a justiça e o amor. Primeiro, porque torce a justiça divina, pois, nesse caso, Deus destinaria as pessoas antes mesmo de seu nascimento à perdição eterna. E segundo, porque põe em dúvida o ilimitado amor de Deus, por ensinar que o Senhor destinou os pecadores ao inferno sem lhes dar o direito e a oportunidade de arrependerem-se.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Devemos evitar dois erros: enfatizar a soberania divina em detrimento da livre-escolha; e o livre-arbítrio em prejuízo à soberania divina.

 

IV. OBSERVAÇÕES DOUTRINÁRIAS

 

O assunto que estamos estudando tem sido alvo de muitas interpretações. Porém, a Palavra de Deus nunca se contradiz, especialmente a respeito da salvação do homem. Essas doutrinas devem ser analisadas à luz da Bíblia e de forma equilibrada. Vejamos:

1. A segurança salvífica. O crente está seguro quanto a sua salvação enquanto ele permanece em Cristo (Jo 15.1-6). Não há segurança salvífica fora de Jesus e de seu aprisco, como também não há segurança espiritual para alguém que vive em pecado. Jesus guarda o crente do pecado, não no pecado. Lembremos que "mediante a fé" estamos guardados na "virtude de Deus, para a salvação já prestes a se revelar no último tempo" (1 Pe 1.5; Rm 1.17). Portanto, o crente deve obedecer a Deus, não para que a sua obediência o salve ou o mantenha salvo, mas como uma expressão da sua salvação, do seu amor e da sua gratidão para com Aquele que o salvou.

2. A predestinação fatalista. Este ensino só considera a soberania de Deus, e não sua graça e justiça (Rm 11.5; 3.21; Tt 2.11). Em Ez 18.23; 33.11 Deus assevera o seu desejo de que o ímpio se converta, e não apenas os "eleitos" e "predestinados" (ver 1 Tm 2.4; Jo 3.16). Deus jamais predestinará alguém para o inferno, sem lhe dar oportunidade de salvação. Isso aviltaria a natureza de Deus. Se todos já estão predestinados quanto ao seu destino eterno, então não há lugar para escolha, decisão, ou livre-arbítrio por parte do homem, o que contradiz os textos de Dt 30.16-19; Js 24.15; 1 Rs 18.21; Sl 119.30,173; Lc 13.34; Ap 22.17.

 

SINOPSE DO TÓPICO (IV)

 

Deus predestinou todos os homens à salvação, mediante a redenção em Jesus. Porém, não viola o livre-arbítrio do homem.

 

CONCLUSÃO

 

As doutrinas da predestinação divina e do livre-arbítrio humano não estão na Bíblia para motivar controvérsias, especulações ou coisas semelhantes, mas para encorajar o crente. Através desses ensinamentos, o Senhor demonstra-nos todo o seu amor, justiça e graça, pois antes que o mundo existisse e o homem fosse criado, Ele já havia previsto todas as dificuldades que encontraríamos em nosso caminho. Seu propósito é mostrar-nos que Ele é poderoso para conduzir-nos a salvo para seu reino celestial (Fp 1.6; 2 Tm 4.18; Jd v.24).

 

VOCABULÁRIO

 

Aviltar: Tornar vil, abjeto, desprezível; envilecer.
Controvérsia: Debate acerca de um assunto.
Oxímoro: Figura que consiste em reunir palavras contraditórias.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

HORTON, S. Teologia Sistemática. RJ: CPAD, 1996.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Explique a relação entre a onipotência e a vontade de Deus.

R. O Senhor é poderoso para fazer tudo o que lhe apraz, todavia, só fará de fato o que está de acordo com sua santa vontade.

 

2. Descreva a correspondência entre vontade permissiva e livre-arbítrio humano.

R. Na vontade permissiva, a soberania e a onipotência de Deus não violam o livre-arbítrio humano.

 

3. Com que finalidade Deus predestinou a Igreja?

R. Para ser "conforme à imagem de seu Filho" (Rm 8.29); para "filhos de adoção em Cristo" (Ef 1.5).

 

4. Defina com suas palavras o livre-arbítrio.

R. Resposta pessoal (professor confira).

 

5. O que ensina a predestinação fatalista?

R. Ensina que uns são destinados à vida eterna e outros à perdição.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Teológico

 

"Graça Irresistível

Poder-se-ia afirmar, então, que a expressão 'graça irresistível' é tecnicamente imprópria? Parece ser um oximoro, como 'bondade cruel', porque a própria natureza da graça subentende que um dom gratuito é oferecido, e tal presente pode ser aceito ou rejeitado. E assim acontece, mesmo sendo o presente oferecido por um Soberano gracioso, amoroso e pessoal. E sua soberania não será ameaçada ou diminuída se recusarmos o dom gratuito. Este fato é evidente no Antigo Testamento. O Senhor diz: 'Estendi as mãos todo o dia a um povo rebelde' (Is 65.2). E: 'chamei, e não respondestes; falei, e não ouvistes' (Is 65.12). Os profetas deixam claro que quando o povo não acolhia bem as expressões da graça de Deus, nem por isso ficava ameaçada a sua soberania. Estevão fustiga os seus ouvintes: 'Homens de dura cerviz e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim, vós sois como vossos pais' (At 7.51). Parece claro que Estevão tinha em vista a resistência à obra do Espírito Santo, que desejava levá-los a Deus. O fato de alguns deles (inclusive Saulo de Tarso) terem crido posteriormente não serve como evidência em favor da doutrina da graça irresistível".

(PECOTA, D. A Obra Salvífica de Cristo. In HORTON, S. M. Teologia Sistemática: uma perspectiva Pentecostal. RJ: CPAD, 1996, p.366.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

Deus tem todas as coisas submissas à sua vontade. Ele controla tudo e nada acontece sem o seu conhecimento e vontade. Das aves dos céus ao lodo incrustado às margens do riacho, tudo Ele conhece e preserva. Embora tenha poder para fazer tudo o que deseja, não fará nada que esteja em desacordo com sua sábia e santa natureza. Apesar de o Senhor Deus ser Absoluto e Soberano, estabeleceu certos limites em seu relacionamento com o homem pecador. Ele jamais invade o coração do homem! O Senhor não obriga nenhum ímpio a servi-lo, amá-lo, ou adorá-lo: "Dá-me, filho meu, o teu coração" (Pv 23.26); é o convite salvífico do Senhor. Ele espera uma entrega voluntária, ou um convite gracioso para habitar no coração do homem. Não queres ainda hoje anuir ao convite célico? Não desejas convidá-Lo a fazer morada em tua vida? Lembre-se, Ele pode todas as coisas, mas para entrar em tua casa, você precisa convidá-Lo: "Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo" (Ap 3.20).

 

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (2Tm 2.15)