Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

1º Trimestre de 2009

 

Título: Livro de Josué - As conquistas e as promessas do povo de Deus

Comentarista: Elienai Cabral

 

 

Lição 6: A maldição do pecado

Data: 08 de Fevereiro de 2009

 

TEXTO ÁUREO

 

"Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus, nosso Senhor" (Rm 6.23).

 

VERDADE PRÁTICA

 

O pecado escondido é revelado pela santidade de Deus, e punido por sua perfeita justiça.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Gn 3.1-19

A origem do pecado

 

 

Terça - Rm 5.12-21

O pecado de um afetou a todos

 

 

Quarta - At 5.1-10

O pecado de avareza na igreja primitiva

 

 

Quinta - Js 7.1-13

Os trágicos resultados do pecado

 

 

Sexta - Js 7.14-26

Não há pecado encoberto diante de Deus

 

 

Sábado - 2 Pe 2.4-6

Os pecadores inconversos serão julgados

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Josué 7.1,5-7,11,12.

 

1 - E prevaricaram os filhos de Israel no anátema; porque Acã, filho de Carmi, filho de Zabdi, filho de Zerá, da tribo de Judá, tomou do anátema, e a ira do Senhor se acendeu contra os filhos de Israel.

5 - E os homens de Ai feriram deles alguns trinta e seis, e seguiram-nos desde a porta até Sebarim, e feriram-nos na descida; e o coração do povo se derreteu e se tornou como água.

6 - Então, Josué rasgou as suas vestes e se prostrou em terra sobre o seu rosto perante a arca do SENHOR até à tarde, ele e os anciãos de Israel; e deitaram pó sobre as suas cabeças.

7 - E disse Josué: Ah! Senhor JEOVÁ! Por que, com efeito, fizeste passar a este povo o Jordão, para nos dares nas mãos dos amorreus, para nos fazerem perecer? Tomara nos contentáramos com ficarmos dalém do Jordão.

11 - Israel pecou, e até transgrediram o meu concerto que lhes tinha ordenado, e até tomaram do anátema, e também, furtaram, e também mentiram, e até debaixo da sua bagagem o puseram.

12 - Pelo que os filhos de Israel não puderam subsistir perante os seus inimigos; viraram as costas diante dos seus inimigos, porquanto estão amaldiçoados; não serei mais convosco, se não desarraigardes o anátema do meio de vós.

 

INTERAÇÃO

 

Professor, os alunos já estudaram os seis primeiros capítulos do livro de Josué e, agora, examinarão o sétimo - o pecado e castigo de Acã. Faltam mais dois capítulos (8-9) para concluirmos os assuntos relacionados à conquista da parte central de Canaã, que inclui: a captura de Ai e Betel (8) e a aliança com Gibeão (9). Lembre-se das duas divisões principais do livro: A Conquista de Canaã (1-9), e A Divisão de Canaã (10-24). Portanto, os temas apresentados ainda integram a primeira seção do livro. Transmita essas informações aos seus alunos e boa aula!

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Estabelecer uma relação entre o pecado pessoal e as consequências coletivas.
  • Justificar histórica e biblicamente a morte de Acã e sua família.
  • Explicar o texto de Rm 5.17-19.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor faça a seguinte pergunta aos alunos: Por que o pecado de Acã prejudicou todo Israel, trazendo consequências funestas para sua família? Informe-os que o fato de um pecado pessoal transtornar toda uma comunidade deve-se, em grande parte, à estrutura da sociedade daqueles dias. As pessoas não agiam sozinhas, mas em grupo. A identidade de um indivíduo confundia-se com o grupo. Israel valorizava a integração e a interdependência como valores imprescindíveis à unidade do grupo. De acordo com esses princípios, quando um israelita pecava, todo o povo assumia a responsabilidade pela transgressão. Por isso, todo o Israel foi castigado em consequência do pecado de Acã (vv.11,12).

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Pecado: Tudo o que é contrário ao que Deus quer (sua vontade) e ao que o Senhor disse (sua Palavra).

 

O capítulo sete do Livro de Josué narra o fracasso de Israel em sua primeira investida contra Ai (vv.1-5), a desoladora oração de Josué (vv.7-9), a resposta e orientação do Senhor (vv.10-15), e a confissão e o julgamento de Acã (vv.16-26).

Nesta lição, aprenderemos que o pecado de apenas um homem pode afetar uma nação inteira, trazendo culpa, tristeza, fracasso e derrota.

 

I - O PECADO DE UM AFETOU A TODOS

 

1. A ordem divina para Israel (Js 6.17,18). Deus havia advertido a Israel que ninguém poderia lançar mão dos despojos de Jericó, pois haviam sido declarados "anátemas" pelo Senhor: "Porém a cidade será anátema ao SENHOR, ela e tudo quanto houver nela" (v.17). O termo anátema ou interdito significa "coisa consagrada ou interditada". Trata-se de objeto consagrado incondicionalmente a Deus, e proibido para uso ou apropriação do homem (Lv 27.28). O anátema, às vezes, tinha de ser queimado ou totalmente destruído. Se o anátema era consagrado ao Senhor, tornava-se maldição para os que se apropriassem ou dele se utilizassem. Foi justamente o que aconteceu com Acã. Ele se apossou indevidamente daquilo que era exclusivo do Senhor. A ganância de Acã levou toda uma nação ao pecado e sofrer uma humilhante derrota diante do exército de Ai. De igual modo, o crente em Jesus deve afastar-se do pecado e das coisas que prejudicam sua comunhão com Deus e maculam, direta ou indiretamente, a Igreja de Cristo.

2. O pecado de Acã (Js 7.1). Acã era descendente de Judá, membro da tribo da qual nasceria Davi e Jesus. No hebraico, seu nome significa "perturbação", sentido apropriado para aquele que "turbou" a Israel e foi "turbado" pelo Senhor (v.25).

Dominado pela avareza e ambição, Acã apropriou-se de alguns utensílios declarados anátemas: uma capa babilônica, duzentos siclos de prata e uma cunha de ouro (v.21). Seu pecado resultou em graves consequências para a família de Acã e para toda a nação israelita (vv.5,25). Isto é, trouxe "perturbações" coletivas. Tenhamos, pois, cuidado com nossa vida espiritual, a fim de que nossos pecados não sirvam de escândalo e estorvo para toda a comunidade cristã (Mt 18.6-9).

3. O caráter coletivo do pecado de Acã. Como dissemos acima, o pecado de Acã prejudicou todo o povo de Israel. Precisamos ver o pecado como Deus o vê: maldito, repulsivo, virulento e destruidor. "Todo pecado é iniquidade" (1 Jo 3.4).

A Igreja é um corpo com muitos membros, isto é, nela há um só tempo, unidade e diversidade (1 Co 12.12-27). Um crente pode vir a pecar contra si mesmo e também contra a congregação a qual ele está vinculado. Todo o Israel foi castigado em consequência do pecado de Acã: "Israel pecou, e até transgrediram o meu concerto que lhes tinha ordenado e até tomaram do anátema, e também furtaram [...] Pelo que os filhos de Israel não puderam subsistir perante os seus inimigos [...]" (vv.11,12).

4. A lição do pecado de Acã. Josué 7.1 afirma que "a ira do SENHOR se acendeu contra os filhos de Israel". Isso significa que, embora Deus ame o pecador, não suporta o pecado. Sua santidade e justiça reagem vigorosamente contra ele. A Palavra de Deus ensina-nos que esta ira se manifesta do céu "sobre toda impiedade e injustiça dos homens" (Rm 1.18).

A Bíblia assevera-nos que pela desobediência de "um só homem" (Adão), todos "foram feitos pecadores"; como também "pela obediência de um, (Cristo), muitos serão feitos justos" (Rm 5.17-19). O pecado produz a morte, mas o poder do sacrifício de Cristo produz a vida eterna (Rm 5.21; Jo 3.16).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Anátema significa "coisa consagrada ou interditada". Trata-se de objeto consagrado a Deus, e proibido para uso ou apropriação do homem.

 

II - A HUMILHANTE DERROTA DE ISRAEL

 

1. Josué é surpreendido pela derrota (Js 7.3-5). Quando Josué enviou alguns espias à cidade de Ai, nada sabia sobre o pecado de Acã. Aqueles homens fizeram com que o grande líder de Israel acreditasse que seria muito fácil vencer aquele povo. Nem precisariam dispor de grande quantidade de soldados. Josué confiou integralmente no relatório de suas sentinelas, e enviou para o combate apenas uns três mil homens. Todavia, para surpresa dos israelitas, o exército de Ai resistiu bravamente, fazendo com que Israel batesse em retirada.

A notícia de que trinta e seis soldados haviam sido mortos naquele dia, trouxe desespero e perplexidade ao povo. "O coração do povo se derreteu e se tornou como água" (v.5). A razão da derrota estava no pecado oculto. Somente Deus sabia da desobediência de Acã. Quem esconde seus pecados não desfruta da ajuda e proteção divinas, e, consequentemente, não resiste aos inimigos.

Nada fica oculto aos olhos do Senhor. Ele é onisciente (Sl 139.1-6), onipresente (Sl 139.7-12) e onipotente (Sl 139.13-18).

2. Josué clama a Deus (Js 7.6-9). Josué não podia compreender o que estava acontecendo! Após extraordinária vitória contra Jericó, nada poderia explicar o desbaratamento de suas tropas diante daquele pequeno exército. Haveria algo de errado com suas estratégias? Deveria ter enviado uma quantidade maior de soldados? Seria melhor se tivessem ficado dalém do Jordão? Por que Deus não os assistira? Na condição de eficiente líder, Josué sentiu o peso da responsabilidade, e pôs-se a interceder humildemente por Israel. A Palavra afirma que ele "rasgou suas vestes e se prostrou em terra sobre o seu rosto perante a arca do SENHOR até à tarde, ele e os anciãos de Israel; e deitaram pó sobre suas cabeças" (v.6).

Em nossas derrotas, fracassos, prejuízos e outros sofrimentos, devemos buscar ao Senhor, e suplicar a sua direção e socorro. Assim como Josué e seus líderes, devemos nos humilhar para que possamos ouvir a voz do Senhor.

Josué ficara desanimado e deprimido com aquela derrota, mas o Senhor concedeu-lhe direção e novo ânimo: "Levanta-te!" (v.10).

3. O pecado oculto é descoberto (Js 7.14,15). A maneira pela qual as tribos das famílias foram selecionadas não está revelada. O povo de Israel costumava "lançar sortes" (Js 18.10; Nm 33.54; Jz 1.3), através de pedras ou do "Urim e Tumim" (Êx 28.30). Era dessa forma que as escolhas eram feitas e as decisões mais importantes tomadas, sob a direção do Senhor: "A sorte se lança no regaço, mas do SENHOR procede toda a sua disposição" (Pv 16.33; At 1.26).

Como vemos nesse episódio, tribos e famílias foram sendo apresentadas até que se chegou à pessoa em pecado, envolvida diretamente com o anátema (v.14). Todos tiveram a oportunidade de refletir sobre a gravidade daquele pecado. Até então, Acã não havia confessado sua transgressão nem demonstrado qualquer resquício de arrependimento (v.21). Quando chegou a vez de sua tribo e família (vv.17-20), não havia mais como esconder-se. Teve ele de confessar e assumir, juntamente com toda sua família, a terrível consequência de seu pecado. Foram sentenciados com a morte (Js 7.22-26).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Lançavam-se sortes com intuito de que o Senhor, por meio delas, decidisse as questões mais importantes do povo (Pv 16.33).

 

CONCLUSÃO

 

O final dessa história é sinistro! "O salário do pecado é a morte" (Rm 6.23). Acã foi morto com toda sua família e todos os seus bens destruídos pelo fogo. Os israelitas que conquistaram a Jericó jamais deveriam sucumbir à tentação do anátema, mas vencê-la com fé e heroísmo. Assim também o cristão, não deve ceder à tentação das riquezas deste mundo, mas seguir fielmente em direção à Terra Prometida.

 

VOCABULÁRIO

 

Perplexo: Espantado, admirado, atônito.

Resquício: Pequeno fragmento; resíduo, vestígio.

Sucumbir: Cair sob o peso de; não resistir.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

BENTHO, E. família no Antigo Testamento. 3.ed., RJ: CPAD, 2007.

ELWELL, W. (ed.) Manual bíblico do estudante. RJ: CPAD, 1995.

GOWER, R. Usos e costumes dos tempos bíblicos. RJ: CPAD, 2002.

 

EXERCÍCIOS

 

1. Descreva o significado da palavra "anátema".

R. Anátema significa "coisa consagrada ou interditada".

 

2. Faça uma relação entre o nome de Acã e as consequências do pecado.

R. O nome Acã significa "perturbação", sentido apropriado para aquele que "turbou" a Israel e foi "turbado" pelo Senhor (v.25).

 

3. Por que o pecado de Acã afetou todo o povo?

R. O pecado individual afeta o coletivo.

 

4. Explique o costume de "lançar sortes".

R. Lançavam-se sortes com intuito de que o Senhor, por meio delas, decidisse as questões mais importantes do povo (Pv 1 6.33).

 

5. Comente o que você mais gostou nesta lição.

R. Resposta pessoal.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Bibliológico

 

"O pecado de Acã (v.1)

A história de Acã é uma notificação clara de que ele, entre todos os milhares de Israel, foi o único delinquente nessa questão. Era fácil sugerir que era uma pena ver tantas coisas valiosas sendo queimadas. Qual a finalidade desse desperdício? Embora Acã fosse a única pessoa que tivesse pecado, lemos que foram os filhos de Israel que prevaricaram, porque alguém do corpo havia prevaricado, e ele ainda não havia sido separado deles, nem repudiado por eles. Eles cometeram pecado, isto é, pelo que Acã fez, a culpa foi colocada sobre toda a sociedade da qual ele era membro. Isso deve ser uma advertência para nós. Precisamos tomar cuidado com nossos próprios pecados, para que não acabemos sendo contaminados ou prejudicados (Hb 12.15), a fim de acautelar-nos da comunhão com pecadores e da aliança com eles, para que não compartilhemos da sua culpa. Muitos negociantes acabaram falindo por causa de um sócio desleixado. Precisamos cuidar uns dos outros para que o pecado seja evitado, porque os pecados dos outros podem resultar em nosso dano".

(Comentário Bíblico de Matthew Henry: Antigo Testamento.)

 

APLICAÇÃO PESSOAL

 

O pecado é a mais grave e crônica doença espiritual que assola o homem (Sl 51.5). Ele acompanhará o homem até a morte. Está presente nos liceus dos filósofos, na confraria dos religiosos, no palácio dos reis, na caserna do soldado, no iglu mais remoto do planeta, na oca mais oculta da selva, na mansão dos famosos e nas igrejas dos santos - todos "vendidos sob o pecado" (Rm 7.14; 3.23). Sua presença é inescapável: "Quem me livrará do corpo desta morte" (Rm 7.24), bradava o apóstolo. Todavia, Deus enviou-nos o antídoto contra o vil pecado: Jesus Cristo, o Cordeiro de Deus que remove o pecado e sara o homem de suas mazelas (Jo 1.29). Se queres ser livre da maldição do pecado, entregue sua vida a Jesus Cristo e o aceite como único e suficiente Salvador pessoal.

 

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (2Tm 2.15)