Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

2º Trimestre de 2010

 

Título: Jeremias, esperança em tempos de crise

Comentarista: Claudionor de Andrade

 

 

Lição 8: O poder da verdadeira profecia

Data: 23 de Maio de 2010

 

TEXTO ÁUREO

 

À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, nunca verão a alva(Is 8.20).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Os dons espirituais não se destinam à autopromoção; são concedidos por Deus à Igreja, visando a edificação dos santos e a divulgação sobrenatural do Evangelho de Cristo.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Nm 12.6

A comunicação de Deus com seus profetas

 

 

Terça - Dt 13.5

O falso profeta era castigado

 

 

Quarta - Dt 18.22

O profeta era testado

 

 

Quinta - Dt 18.15

Como o grande profeta foi anunciado

 

 

Sexta - Dt 34.10-12

A comunicação de Deus com o maior profeta do AT

 

 

Sábado - 1 Sm 3.19,20

O profeta de Deus era confirmado e honrado

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

Jeremias 28.5-12,16,17.

 

5 - Então, falou Jeremias, o profeta, a Hananias, o profeta, aos olhos dos sacerdotes e aos olhos de todo o povo que estava na Casa do SENHOR.

6 - Disse, pois, Jeremias, o profeta: Amém! Que assim faça o SENHOR! Que o SENHOR confirme as tuas palavras que profetizaste e torne ele a trazer os utensílios da Casa do SENHOR e todos os do cativeiro da Babilônia a este lugar.

7 - Mas ouve, agora, esta palavra que eu falo aos teus ouvidos e aos ouvidos de todo o povo:

8 - Os profetas que houve antes de mim e antes de ti, desde a antiguidade, profetizaram contra muitas terras e contra grandes reinos guerra, e mal, e peste.

9 - O profeta que profetizar paz, somente quando se cumprir a palavra desse profeta é que será conhecido como aquele a quem o SENHOR, na verdade, enviou.

10 - Então, Hananias, o profeta, tomou o jugo do pescoço do profeta Jeremias e o quebrou.

11 - E falou Hananias aos olhos de todo o povo, dizendo: Assim diz o SENHOR: Assim quebrarei o jugo de Nabucodonosor, rei da Babilônia, depois de passados dois anos completos, de sobre o pescoço de todas as nações. E Jeremias, o profeta, se foi, tomando o seu caminho.

12 - Mas veio a palavra do SENHOR a Jeremias, depois que Hananias, o profeta, quebrou o jugo de sobre o pescoço do profeta Jeremias, dizendo:

16 - Pelo que assim diz o SENHOR: Eis que te lançarei de sobre a face da terra; este ano, morrerás, porque falaste em rebeldia contra o SENHOR.

17 - E morreu Hananias, o profeta, no mesmo ano, no sétimo mês.

 

INTERAÇÃO

 

Nesta lição, estudaremos a respeito da luta de Jeremias contra os falsos profetas, em especial Hananias. Os pseudoprofetas trabalhavam em benefício próprio. Tinham uma boa posição financeira, política e social e entregavam mensagens falsas, levando o povo de Deus a tropeçar. Eles eram bem populares, pois proclamavam somente o que as pessoas queriam ouvir. Aqueles que deveriam falar em nome de Deus, infelizmente, haviam se tornado um obstáculo para que o povo abandonasse o erro.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Compreender qual é a função e a relevância do profeta de acordo com as Escrituras.
  • Saber que os falsos profetas sempre vão se opor aos profetas do Senhor.
  • Conscientizar-se de que, nos últimos dias, aparecerão muitos falsos profetas que, se possível, enganarão até os escolhidos.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, para a aula de hoje, sugerimos que você reproduza a tabela da abaixo no quadro-de-giz ou tire cópias para os alunos. Explique à classe que encontramos no livro de Jeremias um retrato dos falsos profetas, que se alastravam como uma praga em Israel. O mesmo retrato também pode ser aplicado aos falsos mestres do Novo Testamento. Ressalte o fato de que atualmente muitos falsos profetas também têm sido levantados para enganar a Igreja. Precisamos tomar cuidado, pois nem sempre é fácil identificá-los. Observe, juntamente com os alunos, os equívocos dos falsos mestres apresentados no quadro abaixo.

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Profeta: Pessoa devidamente vocacionada e autorizada por Deus para falar por Ele e em lugar de dEle.

 

Quem já não se defrontou com um falso profeta? Inescrupulosos, arrogantes e com ares de santo, esses indivíduos jogam a igreja contra o seu pastor, induzem os obreiros à desinteligência e lançam os fiéis à apostasia. Eles não vacilam em usurpar a glória que só é devida ao Senhor da glória.

Jeremias enfrentou grandes dificuldades por causa desses operários de Satanás. Patrocinados pelo estado e contando com a simpatia de boa parte da população, tinham eles como objetivo perverter os caminhos do Senhor, e desviar os filhos de Israel da verdade. O mesmo não ocorre em nossos dias? (2 Co 11.13; At 20.30,31). Hoje, conheceremos um desses falsos profetas: o arrogante, atrevido e insolente Hananias.

 

I. O QUE É O PROFETA

 

1. Definição. Profeta, segundo a Bíblia, é o homem que fala por Deus; é o porta-voz do Eterno. O vocábulo original do Novo Testamento, do qual veio a palavra portuguesa profeta, significa literalmente “aquele que fala em lugar de outrem”.

2. A função do profeta. Era a função precípua do profeta proclamar os oráculos de Deus, a fim de reconduzir o povo à obediência da lei divina (Ez 33.7).

3. A prova de autenticidade do profeta. Não basta a profecia se cumprir para o profeta ser considerado autêntico (Dt 13.1-5). Isto porque, os enganadores, através de ardis e estratagemas, são capazes de desviar o rebanho de Cristo da verdade absoluta e inegociável do Calvário.

Como reconhecer o legítimo mensageiro de Deus? Se o profeta predisser alguma coisa, em nome do Senhor, e cumprir-se a sua profecia, não contrariando de forma alguma a Bíblia Sagrada, ele será de fato reconhecido como autêntico homem de Deus (Dt 21.22). É por isso que temos de julgar as profecias e discernir os espíritos (1 Co 12.20; 14.29; 1 Jo 4.1).

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

É função do profeta proclamar os oráculos de Deus, a fim de conduzir o povo à obediência das leis de Deus.

 

 

II. O FALSO PROFETA HANANIAS ENTRA EM CENA

 

1. Quem era Hananias. A única coisa que se sabe deste tal Hananias é que era ele filho de Azur. Ele era do tipo que impressionava. Falava como profeta, tinha discurso de profeta e como profeta, vestia-se. Aliás, era mais dramático que os profetas de Deus. Além disso, só falava o que o povo queria ouvir. Vinha ele pregando a paz e determinando a prosperidade. Positivamente, tudo confirmava.

2. As palavras de Hananias. Foi no auge da crise de Judá que Hananias aparece para perturbar o povo e afrontar o profeta Jeremias. Este exortava Judá a arrepender-se de seus pecados, a curvar-se ante a vontade de Deus e a aceitar o jugo babilônico.“Politicamente correto”, aquele induzia o povo à rebelião, dizendo-lhe que, dentro de dois anos, seriam os cativos repatriados e os tesouros do Santo Templo, devolvidos. Sua profecia jamais se cumpriu; no teste do verdadeiro profeta, estava reprovado (Dt 18.22).

Hananias falou o que o rei queria ouvir, profetizou o que o povo ansiava escutar e vaticinou o que todos almejavam acontecesse naquele momento.

Você, homem de Deus, não foi chamado para brincar de pregador; convocou-o o Senhor para atuar como pregoeiro da verdade, que é a Palavra de Deus. O seu único compromisso é com a verdade. Se não quiserem ouvi-lo, que o não ouçam. No entanto, todos haverão de saber que, em seu meio, esteve um autêntico pastor de almas e um legítimo proclamador da verdade divina (Ez 2.4,5).

3. O castigo de Hananias. Hananias em tudo parecia um profeta; a Palavra de Deus, porém, não estava com ele. E, por haver se insubordinado contra o Senhor, foi severamente punido: naquele mesmo ano, de conformidade com o que vaticinara Jeremias, morreu ingloriamente (Jr 28.15-17). Esse é o destino daquele que, sem temor nem tremor, brinca com o nome de Deus, zombando-lhe da santidade. Lembra-se daquela Jezabel que, em Tiatira, induzia os servos de Cristo ao pecado (Ap 2.20)? Ou de Balaão que ensinou Balaque a colocar tropeços diante dos filhos de Israel (Ap 2.14)?

Querido irmão, se você tem o dom profético, coloque-se à disposição de Deus. Deixe que Ele o use de acordo com a Sua vontade e direção. Jamais queira abusar do que lhe não pertence. Seja humilde, reconhecendo sempre, em seu pastor, a autoridade máxima da igreja.

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

O juízo de Deus virá sobre os profetas que, sem temor nem tremor, brincam com o nome de Deus, zombando-lhe da santidade.

 

 

III. CUIDADO COM OS FALSOS PROFETAS

 

Alerta-nos o Senhor Jesus que, nos últimos dias, aparecerão muitos falsos profetas que, se possível, enganarão até mesmos os escolhidos (Mt 24.11). Por isso, os obreiros, mediante o Espírito Santo, devem manter-se alertas e vigilantes, a fim de que os lobos não lhes arrebatem as ovelhas. Eis alguns cuidados que haveremos de tomar.

1. A procedência do profeta. De onde vem o pregador, o avivalista, o conferencista e o pressuposto profeta? Busque saber se tem ele carta de recomendação; averigue a validade dos documentos. Cuidados com os chamados clínicos pastorais que, sob o aparato da psicologia, se intrometem nas intimidades das ovelhas, induzindo muitos servos de Deus, homens e mulheres, à impureza. Precautele-se contra os que, de cidade em cidade, levantam vultosas somas. Não permita que o lobo espolie sua igreja. Mas não deixe de honrar os que, em espírito e verdade, pregam e ensinam a Palavra de Deus (1 Tm 5.17).

2. A qualidade da mensagem. O mensageiro fala a Palavra de Deus? Ou se acha em nosso meio para instilar o engano e a apostasia? Se vier com outra mensagem, ou evangelho, que seja considerado anátema mesmo que tenha cara de anjo (Gl 1.8).

3. A pretensão do profeta. À semelhança de Hananias, que não temeu enfrentar o homem de Deus, muitos são os profetas e profetisas que buscam dominar o pastor, o ministério e a igreja. Não aceite tais manobras! O cajado foi entregue a você, amado pastor, e não aos aventureiros que das ovelhas visam apenas à lã e à gordura.

 

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Precisamos julgar as profecias e discernir os espíritos, a fim de não sermos enganados pelos falsos profetas.

 

 

CONCLUSÃO

 

Cuidado com os falsos profetas! Estejamos alerta a fim de que não nos devorem o rebanho. Outrossim, não podemos desprezar as verdadeiras profecias (1 Ts 5.20). Pois o Espírito Santo continua a falar através dos dons que distribui à Igreja. Equilíbrio e discernimento! Cada profecia deve ser considerada de acordo com as demandas e reivindicações da Bíblia. Nada, absolutamente nada, pode estar acima da Bíblia Sagrada — nossa única regra de fé e conduta.

 

VOCABULÁRIO

 

Sem ocorrências

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

BEVERE, J. Assim Diz o Senhor? Como saber quando Deus está falando através de outra pessoa. 1.ed. RJ: CPAD, 2006.
MERRILL, E. H. História de Israel no Antigo Testamento. 1.ed. RJ: CPAD, 2001.

 

EXERCÍCIOS

 

1. O que é o profeta?

R. Profeta, segundo a Bíblia, é o homem que fala por Deus; é o porta-voz do Eterno.

 

2. Qual a função do profeta?

R. Proclamar os oráculos de Deus.

 

3. Como o profeta era julgado no Antigo Testamento?

R. A palavra do profeta tinha de se cumprir, para que ele fosse considerado um autêntico profeta. A palavra do profeta não poderia ser contrária às leis do Senhor.

 

4. Quem era Hananias?

R. Hananias era filho de Azur, seu nome, em hebraico, significa o Senhor tem sido misericordioso.

 

5. Como devemos agir em relação às profecias?

R. Devemos estar alertas e julgar as profecias de acordo com a Bíblia Sagrada - nossa única regra de fé e conduta.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO

 

Subsídio Bibliológico

 

Os profetas

“[...] Em Deuterônomio dezoito fica claro que o profeta é sempre chamado por Deus (v.18), tem a autoridade de Deus (v.19) e o que ele diz será provado verdadeiro (v.22). O profeta era então conhecido como servo de Deus (2 Rs 17.13,23; Jr 7.25). O profeta sempre defendia os padrões de Deus e chamava o povo para Ele (Dt 13), era isso que distinguia o profeta verdadeiro do falso (por exemplo, 1 Rs 13.18-22; Jr 28).

Os profetas não eram simplesmente indivíduos perceptivos no sentido político ou social.

Eram pessoas que, pela revelação de Deus, tinham conhecimento da importância dos eventos e das necessidades do povo comum. Em seu trabalho eles falavam de acontecimentos futuros, de modo a advertir sobre as consequências dos atos presentes (ver Am 1.2), e no geral falavam contra a sociedade em que viviam.

[...] Havia muito mais profetas do que aqueles que conhecemos pelas profecias registradas ou eventos históricos”.

(GOWER, R. Usos e Costumes dos Tempos Bíblicos. RJ: CPAD, 2002, pp.367-369.)