Lições Bíblicas CPAD

Jovens e Adultos

 

 

1º Trimestre de 2010

 

Título: 2 Coríntios - “Eu, de muito boa vontade, gastarei e me deixarei gastar pelas vossas almas”

Comentarista: Elienai Cabral

 

 

Lição 10: A defesa da autoridade apostólica de Paulo

Data: 07 de Março de 2010

 

TEXTO ÁUREO

 

Paulo, apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus [...](2 Co 1.1).

 

VERDADE PRÁTICA

 

Sem a autoridade ministerial que recebemos de nosso Senhor Jesus Cristo, jamais conseguiremos desempenhar com eficácia o serviço cristão.

 

LEITURA DIÁRIA

 

Segunda - Ef 4.1,2

A autoridade apostólica exercida com mansidão

 

 

Terça - Fp 4.5

A autoridade apostólica exercida com retidão

 

 

Quarta - 1 Co 2.1-3

A autoridade apostólica exercida com humildade

 

 

Quinta - Rm 13.8,10

A autoridade apostólica exercida com amor fraternal

 

 

Sexta - 1 Co 3.6

A autoridade apostólica e o trabalho em equipe

 

 

Sábado - 2 Co 8.21

A autoridade apostólica exercida com honestidade

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

 

2 Coríntios 10.1-8,17,18.

 

1 - Além disso, eu, Paulo, vos rogo, pela mansidão e benignidade de Cristo, eu que, na verdade, quando presente entre vós, sou humilde, mas ausente, ousado para convosco;

2 - rogo-vos, pois, que, quando estiver presente, não me veja obrigado a usar com confiança da ousadia que espero ter com alguns que nos julgam como se andássemos segundo a carne.

3 - Porque, andando na carne, não militamos segundo a carne.

4 - Porque as armas da nossa milícia não são carnais, mas, sim, poderosas em Deus, para destruição das fortalezas;

5 - destruindo os conselhos e toda altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo entendimento à obediência de Cristo,

6 - e estando prontos para vingar toda desobediência, quando for cumprida a vossa obediência.

7 - Olhais para as coisas segundo a aparência? Se alguém confia de si mesmo que é de Cristo, pense outra vez isto consigo: assim como ele é de Cristo, também nós de Cristo somos.

8 - Porque, ainda que eu me glorie mais alguma coisa do nosso poder, o qual o Senhor nos deu para edificação e não para vossa destruição, não me envergonharei,

17 - Aquele, porém, que se gloria, glorie-se no Senhor.

18 - Porque não é aprovado quem a si mesmo se louva, mas, sim, aquele a quem o Senhor louva.

 

INTERAÇÃO

 

De acordo com Matthew Henry “em nenhum outro lugar o apóstolo Paulo sofreu mais oposição dos falsos profetas do que em Corinto”. Paulo foi duramente provado. Se você é fiel ao Senhor e está enfrentando oposição, não desanime. Siga o exemplo da Paulo. Não se exaspere, não deixe de realizar a obra que lhe foi confiada por Deus com amor e zelo. O inimigo desejava enfraquecer a Paulo e a sua liderança, impedindo a igreja de avançar. Ele também deseja fazer o mesmo com você. Não tente agir por si mesmo, por esta é uma batalha espiritual.

 

OBJETIVOS

 

Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:

  • Conscientizar-se de que sem a autoridade ministerial que recebemos de nosso Senhor Jesus Cristo, jamais conseguiremos desempenhar com eficácia o serviço cristão.
  • Compreender que temos de andar de acordo com as leis do Espírito, lutando sempre com as armas espirituais.
  • Explicar o significado da palavra autoridade.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Professor, para a aula de hoje sugerimos que você providencie, com antecedência, cópias da tabela abaixo para seus alunos. Caso deseje, você também poderá reproduzir a tabela no quadro-de-giz. Depois que todos estiverem com suas cópias, explique que em Corinto, havia um grupo de falsos crentes que não consideravam Paulo como um apóstolo, por isso não levavam a sério seu ensino e suas recomendações. O apóstolo precisou confrontá-los apresentando suas credenciais apostólicas. Diga que as credenciais do apóstolo estão relacionadas no quadro.

 

 

COMENTÁRIO

 

introdução

 

Palavra Chave

Autoridade: Poder divino conferido ao homem para liderar a Igreja.

 

No capítulo 10, Paulo usa um tom de cautelosa afeição ao dirigir-se aos seus opositores. A mudança é tão drástica que alguns estudiosos chegam a pensar que os capítulos 10 a 13 desta epístola não tenham sido escritos pelo apóstolo. Entretanto, quando analisamos mais detidamente a personalidade e o temperamento de Paulo, começamos a entender, com mais clareza, a humanidade e o ministério do apóstolo dos gentios.

Os últimos capítulos da epístola, por conseguinte, devem ser estudados com muita atenção. Neles, Paulo defende o apostolado que recebera do Senhor Jesus.

 

I. PAULO RESPONDE AOS SEUS ADVERSÁRIOS

 

1. A aspereza versus a delicadeza de Paulo (10.1,2). Paulo era um homem que, à nossa semelhança, sofria os efeitos das emoções. Tinha todas as características, positivas e negativas, de um ser humano normal. Entretanto, por ser extremamente emotivo, sentiu fortemente as injustiças que lhe fizeram alguns coríntios.

A aspereza de suas palavras em 2.4 e 7.8, quando se refere aos seus opositores, provocou uma reação ainda mais hostil por parte de alguns membros da igreja. Todavia, no capítulo 10, Paulo utiliza-se de um teor mais brando e delicado. Todo obreiro, portanto, é um ser humano dotado de sentimentos e que reage às situações; controlado, porém, pelo Espírito, não perde jamais a compostura cristã.

2. Paulo apela para a mansidão e ternura de Cristo (10.1,2). Ao apelar para as virtudes de Cristo (mansidão e benignidade), Paulo foge ao padrão mundano; opta por uma resposta branda. Jesus é o grande exemplo (Mt 11.29). Aos que o acusavam de fraqueza, responde: “Eu que, na verdade, quando presente entre vós, sou humilde (temeroso), mas ausente, ousado (corajoso) para convosco” (v.1).

Essa expressão não tinha nada de timidez. Na verdade, o apóstolo agia assim para evitar um conflito maior, imitando a serenidade de Cristo. Ele queria evitar uma ação disciplinar contra os rebeldes. Além disso, Paulo não desejava amedrontar os cristãos de Corinto, pois eram seus filhos espirituais.

3. Paulo diz que sua conduta não era segundo a carne (10.2,3). O apóstolo usa o termo “carne” em dois sentidos. Primeiro, no sentido físico: andando na carne (v.3). A versão Almeida Século 21 diz: “Embora vivendo com seres humanos, não lutamos segundo os padrões do mundo”. Paulo almejava que os coríntios lembrassem que ele e seus companheiros eram homens comuns.

O segundo sentido da palavra “carne” é figurado; refere-se a uma parte da natureza humana corrompida pelo pecado, que tende a induzir-nos a contrariar as coisas espirituais. Reafirma o apóstolo: “não militamos segundo a carne” (v.3). Em outras palavras, Paulo estava declarando que não seguimos os desejos da carne, porquanto, embora habitemos em corpos físicos, somos guiados pelo Espírito de Deus (Gl 5.16).

 

SINOPSE DO TÓPICO (I)

 

Paulo não seguia os ditames da carne, ele era guiado pelo Espírito de Deus.

 

II. INIMIGOS E ARMAS ESPIRITUAIS DO APOSTOLADO

 

1. Os inimigos interiores (vv.4,5). No caso da igreja de Corinto, tais inimigos eram os argumentos contra o Evangelho puro, simples e verdadeiro de Jesus Cristo, que Paulo pregava e ensinava, bem como as falsas acusações contra seu ministério. O apóstolo foi um bravo militante na guerra espiritual contra os falsos ensinos na igreja ao longo de seu ministério, pois sabia do estrago que esses inimigos poderiam fazer na mente e coração humanos e, por conseguinte, na igreja.

Nós também enfrentamos tais inimigos poderosos não somente dentro de nossas igrejas, mas também em nossa mente e coração. Em nosso íntimo, existem guerras espirituais sendo travadas. O próprio apóstolo discorre sobre isso em sua carta aos Gálatas (5.17), quando revela a luta entre os desejos da carne e do espírito. Entretanto, Paulo nos revela como vencer essa guerra tão difícil contra inimigos tão poderosos. “Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne” (Gl 5.16). Além disso, existem outras armas espirituais que estão disponíveis para nós utilizarmos, como veremos no próximo tópico.

2. As armas espirituais (vv.4,5). Paulo sabia que nesta guerra espiritual ele não poderia utilizar armas carnais, tais como: capacidade intelectual, influência, posição social etc. O Inimigo não pode ser derrotado com armas semelhantes às suas, por isso, as armas do apóstolo eram espirituais e “poderosas em Deus para destruição das fortalezas”. Tais fortalezas (v.4) são utilizadas para impedir que o conhecimento de Deus avance na mente e no coração do homem (v.5).

Enquanto soldados de Cristo, militando o bom combate aqui na terra, estamos sujeitos às tentações e males dentro e fora da igreja. Portanto, temos de andar de acordo com as leis do Espírito, lutando sempre com as armas espirituais, que são: a Palavra de Deus - a espada do Espírito - a verdade, um caráter justo e reto, a proclamação do Evangelho da paz, a fé, a certeza da Salvação, e uma vida de oração (Ef 6.11-18).

 

SINOPSE DO TÓPICO (II)

 

Apesar de vivermos neste mundo sujeitos às tentações, temos de andar de acordo com as leis do Espírito, lutando sempre com as armas espirituais.

 

III. A PERSPECTIVA DE PAULO SOBRE AUTORIDADE

 

1. O significado de autoridade. De acordo com o Dicionário Bíblico Wycliffe, uma das palavras gregas para autoridade é exousia, cujo significado é poder, liberdade ou direito de escolher, agir, possuir ou controlar. Tratando-se da questão abordada por Paulo nesta segunda carta, esse termo é o que melhor se enquadra, uma vez que o apóstolo discute exatamente a qualidade espiritual de sua autoridade.

2. A perspectiva de Paulo quanto à autoridade espiritual. Paulo argumenta com os coríntios que a consistência de sua autoridade apostólica encontra-se na coerência entre o seu discurso e a sua prática, as atitudes dele refletiam a sua pregação. Por isso, combatia de modo firme e enérgico àqueles que se opunham ao seu ministério. O apóstolo também questionava as acusações daqueles homens, pois assim como se autodeclaravam de Cristo, Paulo também podia se declarar. Ele assegurou àquela igreja que sua autoridade fora-lhe concedida pelo Senhor “para edificação e não para destruição” dos coríntios (2 Co 10.8). Acima de tudo, a integridade do seu caráter e ministério era o seu principal argumento e defesa.

Outro ponto abordado pelo apóstolo é que ele e seus companheiros tinham sido os primeiros a chegar em Corinto com o evangelho, por isso, a igreja deveria dar crédito à sua palavra.

Por fim, Paulo recomenda que nosso padrão de medida deve ser o Senhor e não os outros, porquanto, se fizermos assim, constataremos que não temos nenhum motivo para se orgulhar. Nos versos finais do capítulo 10, o apóstolo ainda aconselha a buscarmos o reconhecimento divino, e não humano.

 

SINOPSE DO TÓPICO (III)

 

Somente Cristo é o alvo, o ponto máximo e convergente da revelação de Deus mediante o Evangelho.

 

CONCLUSÃO

 

A autoridade apostólica de Paulo, exercida com tanta seriedade, fora lhe concedida pelo Senhor e encontrava-se fundamentada em seu relacionamento com Deus e na integridade de seu caráter e ministério. Portanto, se estivermos conscientes de nosso chamado divino e exercermos com integridade nosso ministério, não devemos temer falsas acusações, pois essas sempre farão parte da vida de um servo fiel.

 

VOCABULÁRIO

 

Concupiscência: Desejo ou vontade carnal intensa.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

 

RICHRDS, L. O. Guia do Leitor da Bíblia. 1.ed. RJ: CPAD, 2005.
HENRY, M. Comentário Bíblico do Novo Testamento. 1.ed. RJ: CPAD, 2008.

 

EXERCÍCIOS

 

1. O que Paulo desejava reafirmar ao utilizar a expressão: “não militamos segundo a carne”?

R. Paulo desejava reafirmar que ele não seguia os ditames da carne.

 

2. O apóstolo usa o termo “carne” em dois sentidos. Quais são eles?

R. Sentido físico, significando ser humano; e sentido figurado referindo-se a uma parte da natureza humana corrompida pelo pecado.

 

3. Quais são os inimigos interiores do crente?

R. Os argumentos contra o Evangelho e as falsas acusações contra seu ministério.

 

4. De acordo com a lição, qual o significado da palavra “autoridade” na língua grega?

R. Poder, liberdade ou direito de escolher, agir, possuir ou controlar.

 

5. Qual era a fonte da autoridade apostólica de Paulo?

R. Jesus Cristo.

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO I

 

Subsídio Bibliológico

 

“O ofício apostólico e a autoridade de Paulo

[...] Paulo retrata seu ministério apostólico em termos de campanha militar. Ele e sua equipe ministerial viviam no mundo (gr. en sarki, ‘na carne’, cf. ‘em vasos de barros’, 2 Co 4.7). Mas ele não militava ou empreendia guerra como o mundo faz (gr. kata sarka, ‘segundo a carne’, isto é, limitado pelo que é finito, humano, terrestre ou meramente físico). Pouco importando o quão fraco, tímido ou humilde Paulo parecesse ser na presença dos coríntios, ele não teve de enfrentar destemidamente ou usar métodos e armas que o mundo usa. Quando o Espírito o ungiu ele tinha armas ‘poderosas em Deus’ para destruir as fortalezas inimigas. Estas armas são o Espírito e a Palavra. As ‘fortalezas’ eram os ardis argumentos contra o Evangelho simples de Cristo que Paulo pregava, como também os esforços em destruir seu ministério e levar seus convertidos à escravidão espiritual pelas falsas doutrinas dos inimigos. Podemos aplicar isto às forças do mal que procuram destruir a Igreja trazendo falsas doutrinas, modos mundanos, entretenimento secular e apresentações terrenas. A Palavra e o Espírito ainda têm o poder de destruir os poderes das trevas (veja Ef 6.14-18)”.

(HORTON, S. M. I & II Coríntios: Os problemas da Igreja e suas soluções. RJ: CPAD, 2003, pp.234-35)

 

AUXÍLIO BIBLIOGRÁFICO II

 

Subsídio Teológico

 

“Os limites da jactância de Paulo

Com ironia Paulo rejeita qualquer comparação dele com seus oponentes. Como The Message traduz o versículo 12: ‘Nós, entenda, não nos colocamos em liga com aqueles que se gloriam que nos são superiores. Não ousaríamos fazer isto’. Eles procuravam fazer com que suas realizações parecessem impressionantes, comparando-se totalmente ‘consigo mesmos’. Eles se recusavam a reconhecer o que Deus fez por Paulo em relação à sua comissão aos gentios - dada a ele por Cristo (At 9.15; Gl 2.9). Eles diziam que Paulo deveria gloriar-se como eles o faziam e que ele era verdadeiro apóstolo. Mas Paulo só gloriará dentro dos limites do ministério que lhe foi dado por Deus, o que inclui Corinto. Dizendo isto, Paulo está denotando que os falsos apóstolos são os instrumentos que estão ferindo a assembleia que Deus o enviou para estabelecer.

A jactância de Paulo não vai muito longe, além dos limites convenientes, porque ele e seus companheiros foram os primeiros a chegar a Corinto com o Evangelho. Este foi o ponto mais distante que ele tinha alcançado em suas viagens missionárias até aqueles dias. Sua esperança porém, era expandir o trabalho em Corinto e depois ir para outras regiões. Na visão de Paulo, abrangeria Ilírico, Roma e Espanha (veja Rm 15.19,23,24,28). Mas ele não seria como os falsos apóstolos, porque não afirmaria que foi o primeiro a levar o Evangelho em território que já tivesse sido de fato evangelizado por outra pessoa.

Paulo limita ainda mais a jactância parafraseando Jeremias 9.24. Esta é outra razão por que ninguém deve se gloriar de assumir algo que é de responsabilidade de outra pessoa.

De fato, toda jactância ou louvor à pessoa ou ministério não é importante. A única coisa que conta é o louvor do Senhor (cf. Rm 2.29; 1 Co 4.3-5). Ele não dará louvor àqueles que buscam exaltar-se”.

(HORTON, S. M. I & II Coríntios: Os problemas da Igreja e suas soluções. RJ: CPAD, 2003, pp.237,238)

 

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (2 Tm 2.15)